Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


35 anos de relações entre Lisboa e Pequim

O papel da China na nova ordem mundial "é inexorável"

por A.C.M.  

Paulo Portas

Paulo Portas Fotografia © Vitor Rios/Global Imagens

A importância da República Popular da China é "inexorável" e vai continuar a manifestar-se de forma efetiva na nova ordem mundial, defendeu hoje o vice-primeiro-ministro português Paulo Portas numa cerimónia em Lisboa na qual se assinalaram os 35 anos das relações diplomáticas entre os dois países.

Para Paulo Portas, os dirigentes políticos e diplomatas que, há mais de três décadas, tomaram a iniciativa de estabelecerem relações bilaterais foram "visionários", atendendo não só ao passado como, principalmente, face ao futuro e abriram caminho para que Portugal, independentemente de estar ancorado na Europa e com esta manter uma afinidade especial, tenha e deva ter "um papel de vanguarda" nas relações com novos protagonistas da ordem internacional.

As relações foram oficialmente estabelecidas a 8 de fevereiro de 1979.

O governante português sublinhou a importância das relações económicas entre os dois países e a dimensão da presença de investidores chineses em empresas nacionais, numa referência à presença de empresas como a China Three Gorges e a State Grid Corporation, respetivamente, na EDP e na REN.

Portas fez questão em recordar que Portugal é dos "poucos países europeus com quem a China estabeleceu uma parceria estratégica global" de cooperação. E notou que "sabemos reconhecer quem nos ajudou em momentos muito difíceis", num comentário ao facto de Pequim ter comprado Obrigações do Tesouro portuguesas num dos momentos mais difíceis da crise financeira no nosso país, facto recordado na intervenção do embaixador Huang Songfu, atual representante diplomática da República Popular da China em Portugal.

O embaixador chinês, que usou da palavra antes de Portas, recordou que as relações entre os dois países se têm desenvolvido e cimentado com "frequentes visitas recíprocas de alto nível" e que, além do plano económico, estas possuem cada vez mais também uma componente cultural e turística."Muitos chineses estudam hoje ou visitam Lisboa", disse Huang Songfu.


Ler Artigo Completo(Pág.1/2) Página seguinte
Patrocínio
 
4652Visualizações
5Impressões
31Comentários
0Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
Comentar

Caracteres disponíveis: 750

Receber alerta de resposta Aparecer como Anónimo
Lembrar dados pessoais
  • Comentar

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O DN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Receber alerta de resposta - será enviado um alerta para o seu e-mail sempre que houver uma resposta ao seu comentário. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados. Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

Se tem conta, faça Login

Email

Password

Legenda

Utilizador RegistadoUtilizador Registado    Utilizador Não RegistadoUtilizador Não Registado





PUB

Especiais

Recuar
Avançar
BT Edições Multimédia
Ocasião/Zaask - Destaque 300x100 DN
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Acredita que o ébola vai chegar a Portugal?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper