Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


O primeiro deste Executivo

MINUTO A MINUTO DO DEBATE DO ESTADO DA NAÇÃO

por Ana Meireles  

Passos Coelho está hoje a debater o Estado da Nação.
Passos Coelho está hoje a debater o Estado da Nação. Fotografia © Hugo Correia/Reuters

A austeridade e o desemprego marcaram o debate do Estado da Nação que está a realizar-se no Parlamento. Bem como o forte apelo feito pelo Governo e partidos da maioria ao PS para uma maior cooperação. Passos Coelho não quis comentar o acórdão do Tribunal Constitucional, mas adiantou que o Executivo não está a estudar o aumento de impostos. REVEJA AQUI OS PONTOS ALTOS DO DEBATE DO ESTADO DA NAÇÃO E OS COMENTÁRIOS DE MANUEL QUEIROZ.

19:20 - Assunção Esteves, presidente da Assembleia da República, dá por encerrado o debate do Estado da Nação.

19:02 - Paulo Portas encerra do debate do Estado da Nação. "Os portugueses sempre se superaram enquanto nação quando tudo parecia perdido", diz o ministro, depois de uma breve introdução histórica. "É aqui e agora que mais precisamos de uma nação que exprime uma indomável vontade de vencer esta crise", prossegue. "Os portugueses sabem que foi o Estado que criou este problema (...) Não vale a pena exacerbar divisões e é preciso ter abertura política para compromissos (...)", refere Portas. "Os portugueses estão mais estão a passar mal são os mais realistas de todos, são os querem que isto acabe antes e não depois", prossegue. "Portugal está bem mais longe do precipício da insolvência", diz."Temos o maior orgulha na atitude de Portugal e dos portugueses nesta crise. É um triunfo para Portugal ser agora mais raro ouvir menções menos elogiosas sobre o nosso país". "A nossa credibilidade é a nossa margem de manobra", continua Paulo Portas."Trabalhemos para melhorar o financiamento da economia, das empresas (...)". "A confiança é um bem essencial (...) Portugal estará melhor no final desta legislatura do que estava antes desta legislatura", termina Portas.

Comentário de Manuel Queiroz: Paulo Macedo foi o único ministro a falar (além de Passos e Portas). Uma frase sobre outras - "A Saúde não é um negócio para o Estado mas é para muita gente que vive dela há muito tempo".

18:56 - António José Seguro aproveita os últimos quatro minutos do PS. O líder socialista desvia-se do tema da saúde e fala dos problemas dos empresários e das pequenas e médias empresas.E lança um desafio ao Governo para se juntar ao PS no seu projeto de apoio às PME. Seguro faz o apelo diretamente ao primeiro-ministro, que entretanto já voltou ao plenário. Crescimento, emprego e recapitalização das PME "têm de ser prioridade", sublinha Seguro.


Ler Artigo Completo(Pág.1/9) Página seguinte
Patrocínio
 
12035Visualizações
10Impressões
134Comentários
0Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
RELACIONADO
 
TAGS
 
Comentar

Se tem conta, faça Login

Email

Password




PUB
PEPE Jornadas Empreendedorismo Turismo - DN Destaque

Especiais

Recuar
Avançar
TSF Superbrand - DN destaque
BT Edições Multimédia
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Concorda com a prova de avaliação aos professores?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper