Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


O primeiro deste Executivo

MINUTO A MINUTO DO DEBATE DO ESTADO DA NAÇÃO

por Ana Meireles  

Passos Coelho está hoje a debater o Estado da Nação.
Passos Coelho está hoje a debater o Estado da Nação. Fotografia © Hugo Correia/Reuters

A austeridade e o desemprego marcaram o debate do Estado da Nação que está a realizar-se no Parlamento. Bem como o forte apelo feito pelo Governo e partidos da maioria ao PS para uma maior cooperação. Passos Coelho não quis comentar o acórdão do Tribunal Constitucional, mas adiantou que o Executivo não está a estudar o aumento de impostos. REVEJA AQUI OS PONTOS ALTOS DO DEBATE DO ESTADO DA NAÇÃO E OS COMENTÁRIOS DE MANUEL QUEIROZ.

19:20 - Assunção Esteves, presidente da Assembleia da República, dá por encerrado o debate do Estado da Nação.

19:02 - Paulo Portas encerra do debate do Estado da Nação. "Os portugueses sempre se superaram enquanto nação quando tudo parecia perdido", diz o ministro, depois de uma breve introdução histórica. "É aqui e agora que mais precisamos de uma nação que exprime uma indomável vontade de vencer esta crise", prossegue. "Os portugueses sabem que foi o Estado que criou este problema (...) Não vale a pena exacerbar divisões e é preciso ter abertura política para compromissos (...)", refere Portas. "Os portugueses estão mais estão a passar mal são os mais realistas de todos, são os querem que isto acabe antes e não depois", prossegue. "Portugal está bem mais longe do precipício da insolvência", diz."Temos o maior orgulha na atitude de Portugal e dos portugueses nesta crise. É um triunfo para Portugal ser agora mais raro ouvir menções menos elogiosas sobre o nosso país". "A nossa credibilidade é a nossa margem de manobra", continua Paulo Portas."Trabalhemos para melhorar o financiamento da economia, das empresas (...)". "A confiança é um bem essencial (...) Portugal estará melhor no final desta legislatura do que estava antes desta legislatura", termina Portas.

Comentário de Manuel Queiroz: Paulo Macedo foi o único ministro a falar (além de Passos e Portas). Uma frase sobre outras - "A Saúde não é um negócio para o Estado mas é para muita gente que vive dela há muito tempo".

18:56 - António José Seguro aproveita os últimos quatro minutos do PS. O líder socialista desvia-se do tema da saúde e fala dos problemas dos empresários e das pequenas e médias empresas.E lança um desafio ao Governo para se juntar ao PS no seu projeto de apoio às PME. Seguro faz o apelo diretamente ao primeiro-ministro, que entretanto já voltou ao plenário. Crescimento, emprego e recapitalização das PME "têm de ser prioridade", sublinha Seguro.


Ler Artigo Completo(Pág.1/9) Página seguinte
Patrocínio
 
11433Visualizações
10Impressões
134Comentários
0Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
RELACIONADO
 
TAGS
 
Comentar

Caracteres disponíveis: 750

Receber alerta de resposta Aparecer como Anónimo
Lembrar dados pessoais
  • Comentar

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O DN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Receber alerta de resposta - será enviado um alerta para o seu e-mail sempre que houver uma resposta ao seu comentário. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados. Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

Se tem conta, faça Login

Email

Password

Legenda

Utilizador RegistadoUtilizador Registado    Utilizador Não RegistadoUtilizador Não Registado





PUB

Especiais

Recuar
Avançar
BT Edições Multimédia
Continente UVA D'OURO 2014 DN 300x100
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Aumento de capital é suficiente para resolver crise no BES?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper