Céline Dion despede-se do marido em funeral pago pelo governo

Vestida de preto, com véu na cabeça, a cantora não escondeu a emoção na cerimónia, transmitida pela TV e pela Internet

Nada a esconder. Céline Dion despediu-se com emoção do marido, René Angélil, que a lançou para a fama e que morreu a 14 de janeiro, após uma longa luta contra o cancro. Vestida de preto, com véu na cabeça, a cantora canadiana não escondeu as lágrimas durante a cerimónia, que foi emitida por televisões de informação e na Internet e que foi paga pelo governo do Quebeque.

De acordo com a agência noticiosa Reuters, o funeral teve praticamente honras de estado, com os custos da organização a serem pagos pelo governo da província do Quebeque, apesar de Céline Dion ser a quinta artista mais rica do mundo, com um património de 640 milhões de dólares em dezembro, segundo a Wealth-X Research.

O primeiro-ministro do Quebeque, Philippe Couillard, realçou que René Angélil se atreveu a dizer que Céline Dion poderia ser a melhor cantora do mundo.

A mulher do primeiro-ministro canadiano, Sophie Gregoire-Trudeau, também marcou presença no funeral.

Céline Dion entrou na basílica Notre-Dame, em Montréal, onde se casou com René há 21 anos, de mãos dadas com os filhos gémeos, Eddy e Nelson, de 5 anos, ao som da sua música "Trois Heurs vingt", e colocou lírios roxos sobre a urna.

O filho René-Charles, que foi batizado naquela basílica, seguiu-os. "Tive a sorte de nascer no seio de uma família onde havia muito amor...", disse, acrescentando "Amo-te pai" em francês e em inglês.

Um filho de um anterior casamento de René, Patrick Angélil também marcou presença.

René Angélil, cujo cancro foi diagnosticado em 1999, descobriu Céline Dion quando ela tinha apenas 12 anos e tornou-a famosa em todo o mundo.

A cantora também perdeu o irmão para o cancro, apenas dois dias depois da morte do marido.

Últimas notícias

Da depressão profunda ao ouro aos 35 anos, da batalha contra o cancro à luta pelas medalhas. Os Jogos Olímpicos são assim, férteis em histórias de superação. Não há momento nem lugar tão inspiradores para um atleta desafiar as suas próprias capacidades. Alguns ultrapassam infâncias atribuladas antes de encontrarem a glória olímpica, mostrando o quão democrático pode ser o desporto. O DN conta-lhe as histórias de Ervin, Isaquias, Santiago, Sakshi e Asuka, cinco exemplos de vida que brilharam nas margens do Rio. paulo paulos

Partilhar

Conteúdo Patrocinado

Mais popular