Jesus e o Vaticano

1- Como se pode andar distraído! Como é que, tendo estado várias vezes na Praça de São Pedro, não fui ler o que está escrito no famoso obelisco, no centro da praça?! Foi preciso lê-lo agora em Jesús Bastante, que lembra que o obelisco veio do Egipto no ano 37 da nossa era, tendo sido trasladado, 15 séculos depois, do circo de Nero para o lugar que agora ocupa, fazendo o Papa Sisto V, em 26 de Setembro de 1586, gravar na sua base de mármore uma antiga fórmula de exorcismo: "Ecce crux Domini" (eis a cruz do Senhor), "Fugite, partes adversas" (Fugi, forças do caos) - um autêntico exorcismo, "Vicit Leo de tribu Juda" (o Leão da tribo de Judá venceu). Desse modo, a Praça de São Pedro delimitaria simbolicamente o enfrentamento entre o Bem e o Mal, "e o exorcismo impediria que o Demónio chegasse à sede de Pedro".

2- Desgraçadamente, não foi nem é assim. Constantemente lemos sobre os escândalos no Vaticano. E, infelizmente, não se trata de meras efabulações romanescas. Por isso, muitos se foram e vão perguntando como é que foi possível chegar até aqui. Gandhi também andou pelo Vaticano, olhou para aquilo tudo e conta-se que terá dito: se nem estes conseguiram acabar com o cristianismo, então o Evangelho de Jesus é verdadeiro. Ele distinguia muito bem entre o Vaticano e Jesus.

3- É urgente evangelizar o Vaticano. Mas há quem pergunte: Será a Cúria Romana reformável? O que é facto é que, após a publicação de documentos secretos, que denunciavam a existência de lutas pelo poder e pelo dinheiro entre membros da Cúria - o célebre VatiLeaks -, Bento XVI, num gesto histórico de imensa coragem, renunciou, pois, disse, já não tinha "forças físicas nem espirituais" para continuar. Na altura, L"Osservatore Romano referiu-se-lhe como "um pastor rodeado de lobos".

Seguiu-se o Papa Francisco, hoje talvez o homem mais popular do mundo e um dos mais influentes. Estimado, amado, querido, acarinhado por causa da sua bondade, da sua humildade, porque ele próprio estima e ama as pessoas, interessa-se por elas, quer a sua felicidade, bate-se por elas, não se poupa a sacrifícios por elas, a começar pelos mais débeis, pobres e abandonados. As pessoas vêem nele a manifestação do que Jesus foi e é, do que Jesus fez e faz, do que Jesus manda.

A Igreja tinha caído demasiado abaixo do que o Evangelho quer. Foi preciso impor tolerância zero para a pedofilia do clero - soube-se agora que a Igreja americana já pagou quatro mil milhões de dólares em indemnizações às vítimas - e caminha-se para reformas estruturais, a começar pela Cúria, que é um cancro na Igreja por causa dos escândalos do poder e do dinheiro. Já em 1965, durante uma entrevista privada, quando Paulo VI lhe propôs uma "oferta de trabalho", dizendo: "Deve confiar em mim", o famoso teólogo Hans Küng respondeu: "Eu tenho confiança em Vossa Santidade, mas não nos que estão à sua volta." O Papa Francisco sabe que há excepções, pessoas excelentes na Cúria, mas também sabe que vive num vespeiro. A quem se escandalizar peço que releia o discurso arrasador de Francisco sobre as doenças da Cúria, que aqui sintetizei. E aí está o VatiLeaks II, com a publicação, na semana passada, de dois livros com documentos secretos, incluindo conversas privadas de Francisco: Via Crucis, de G. Nuzzi, e Avarizia, de E. Fittipaldi.

Por um lado, é uma traição ao Papa, mas, por outro, ficam informações de que os lobos continuam actuantes, lutando pelas suas prerrogativas ameaçadas. Por lá moram ganância, corrupção, gestão danosa, contas milionárias sob suspeita, carreiristas, gente com uma vida dupla. Enquanto o Papa vive num apartamento de 50 metros quadrados, há cardeais e membros da Cúria em apartamentos de luxo até 400 metros quadrados. Os valores do arrendamento de imóveis a amigos podem ficar entre dois e cem euros. O custo das canonizações pode ultrapassar o meio milhão de euros. O pior: destinos obscuros de milhões de euros, que deviam ser para obras de beneficência.

4- No domingo passado, Francisco veio garantir aos fiéis que não cederá: "Sei que muitos estais perturbados com as notícias que circularam sobre os documentos confidenciais da Santa Sé roubados e publicados." Trata-se de "um delito, um acto deplorável que não ajuda. Eu mesmo tinha pedido que se fizesse esse estudo, e os meus colaboradores e eu conhecíamos muito bem esses papéis. De facto, foram tomadas medidas que começaram a dar frutos, alguns visíveis. Por isso, quero assegurar-vos que este triste acontecimento não me desviará do trabalho de reforma que estamos levando a cabo com os meus colaboradores e com o apoio de todos vós".

Esta reforma não apela apenas à conversão pessoal. Ela tem de ser estrutural: exige instâncias de controlo do poder, divisão de poderes. É preciso avançar sinodalmente, isto é, caminhar juntos: o povo todo de Deus, que a hierarquia deve servir.

Do mesmo autor

Mais em Opinião

Conteúdo Patrocinado

Mais popular