Obama telefonou a Dilma para partilhar preocupações com o Zika

Os dois líderes falaram sobre a possibilidade de se conseguir uma vacina para o vírus

O Presidente dos EUA, Barack Obama, telefonou na sexta-feira à sua homóloga brasileira, Dilma Rousseff, para "partilhar preocupações" com a propagação rápida do vírus Zika, particularmente perigoso para as mulheres grávidas.

"O Presidente falou ao telefone com a Presidente do Brasil, Dilma Rousseff, para evocar as suas inquietações partilhadas perante a propagação do vírus Zika no Ocidente", indicou a Casa Branca, em comunicado.

"Os dois dirigentes estão de acordo sobre a importância dos esforços de colaboração para aprofundar o nosso conhecimento, sobre as pesquisas avançadas e uma aceleração dos trabalhos de desenvolvimento das melhores vacinas e outras tecnologias para controlar o vírus", acrescentou-se no texto.

A Organização Mundial de Saúde anunciou na quinta-feira uma reunião de urgência, em 01 de fevereiro, sobre o vírus Zika, que se propaga de "maneira explosiva" no continente americano, com três a quatro milhões de casos esperados para este ano. O Brasil é particularmente afetado.

A infeção transmite-se, como o chikungunya ou a dengue, por uma picada de mosquito e manifesta-se por sintomas gripais (febre, dor de cabeça, dores musculares) com erupções cutâneas.

Não existe antiviral contra o vírus. Apenas tratamento daqueles sintomas, que por vezes passam desapercebidos e são geralmente benignos.

Porém, apesar de benigna na aparência, a infeção é suspeita de causar graves malformações congénitas cerebrais ao feto nas mulheres grávidas infetadas, designadamente a microcefalia, que é um desenvolvimento insuficiente da caixa craniana.

Últimas notícias

Mais popular