A batalha final entre Trump e Clinton

Hillary e Trump durante o debate anterior

Terceiro e último debate começa dentro de poucas horas. Trump convidou meio-irmão de Obama para estar na assistência

Las Vegas vai ser a cidade da batalha final. Quando forem 02.00 da madrugada em Lisboa, Hillary Clinton e Donald Trump vão subir ao palco instalado na Universidade de Nevada para o terceiro e último debate antes das eleições de 8 de novembro.

Outubro revelou-se, pelo menos até ao momento, um mês fatídico para Donald Trump. No confronto que começa dentro de poucas horas, o candidato republicano deverá tentar o tudo por tudo para inverter a tendência de queda nas sondagens. Segundo os analistas, Hillary Clinton deve estar preparada para uma noite de ataques por parte de Donald Trump. Mas, tendo em conta o momento atual, Byron Tau do The Wall Street Journal escreve que tudo aquilo que a democrata deve tentar fazer é evitar gafes e respostas confusas e continuar a mostrar uma postura presidencial.

Essa também é a opinião de John Hudak, da Brookings Institution, citado pela AFP: "Deve repetir o que fez nos outros dois debates anteriores. Manter-se calma, não responder aos ataques e deixar que Trump continue a autodestruir-se".

Usando uma metáfora futebolística, Clinton deverá gerir o jogo sem arriscar muito. Tem o conforto de estar em vantagem. Trump jogará ao ataque para tentar recuperar terreno.

De acordo com a média das sondagens nacionais partilhada pelo The New York Times, Hillary tem uma vantagem de seis pontos, 46% contra 40%.

Segundo o mesmo jornal norte-americano a probabilidade de uma vitória de Hillary Clinton é de 92% quando a 27 de setembro era de 70% e a 1 de junho não ultrapassava os 58%. Segundo o Predict Wise, que baseia as estimativas nas casas de apostas, a probabilidade Hillary vencer as eleições é de 90%.

Um dos convidados de Donald Trump para o debate desta noite é o meio-irmão do Barack Obama, Malik Obama. Malik vive no Quénia, mas tem cidadania norte-americana e alegadamente é apoiante de Trump.

"Não sei qual será a intenção deste convite, mas não me parece que o presidente vá perder muito tempo a pensar no assunto", disse Josh Earnest, assessor de imprensa da Casa Branca.

Para o último debate, Trump tinha levado quatro mulheres que acusaram Bill Clinton de assédio sexual: Juanita Broaddrick, Paula Jones, Kathleen Willey and Kathy Shelton.

De acordo com a CNN, Trump também irá levar consigo Patricia Smith, mãe de Sean Smith, que morreu em Bengazi, na Líbia, quando Hillary era secretária de Estado. Sarah Palin, ex-candidata a vice-presidente ao lado de John McCain, será outra das apoiantes de Trump presentes na sala.

O debate será moderado por Chris Wallace da Fox News. Terá a duração de 90 minutos e será dividido em seis segmentos de 15 minutos. Cada segmento começará com uma pergunta do moderador e ambos os candidatos terão dois minutos para responder. Seguem-se depois novas questões sobre o mesmo tema. Será a primeira vez que um jornalista da conservadora Fox News modera um debate presidencial. Os republicanos, no entanto, mostram-se preocupados, argumentando que Wallace terá a tendência para ser menos agressivo com Clinton para mostrar-se independente.

Relacionadas

Últimas notícias

A tradição deu as boas-vindas à modernidade. O grupo de Zés-Pereiras Unidos da Paródia recebeu o MIMO em Amarante com uma atuação no largo da Igreja de São Gonçalo, antes do programa do festival começar, numa noite que juntou no Parque Ribeirinho Três Tristes Tigres, Tinariwen e Nação Zumbi. Após os gigantones terem saído de cena, um grupo de brasileiros radicados em Portugal aproveitou para tirar fotografias empunhando mensagens contra Michel Temer e a rede Globo e de apoio à Nação Zumbi.

O histórico grupo brasileiro foi o último a tocar na primeira noite do festival, já de madrugada, mas antes, ao fim da tarde, participou numa conversa no Fórum de Ideias. Moderado pelo consultor editorial Tito Couto, o encontro com o guitarrista Lúcio Maia e com o baixista Dengue foi um cartão de visita para quem não conhecia bem o grupo de Recife, e em especial do seu malogrado líder, Chico Science. Lúcio Maia lembrou que nos anos 80 a cidade chegou a estar classificada como a quarta pior do mundo para viver - e que a origem do nome do movimento manguebeat se deve à ideia de "afetividade" de Chico Science para com os manguezais, porque Recife foi construída à custa do aterro dos mangues. Sobre a mistura de sonoridades que caracteriza a Nação Zumbi, Dengue comentou: "Foi uma sacada muito grande do Chico. No final das contas, o nosso som era inclassificável, coisas de Pernambuco com o rock. Até para nós, hoje, soa estranho e novo o primeiro disco."

Nada estranho foi o primeiro concerto do festival, o do Quarteto Arabesco com Pedro Jóia. O grupo de cordas e o guitarrista encheram a Igreja de São Gonçalo com um repertório que começou na clássica (Luigi Bocherinni), passou pelo mestre Carlos Paredes, prosseguiu com Armandinho e Raul Ferrão, e culminou nas variações sobre fado corrido, da autoria de Jóia. Um arranque tranquilo e virtuoso. A poucos metros de distância, no Museu Amadeo de Souza-Cardoso, um septuagenário carioca com aura de lenda estreava-se em Portugal: Jards Macalé.

Mas o momento de maior simbolismo foi protagonizado por outro compatriota e colega de ofício, quando se viu Rodrigo Amarante a distribuir abraços a fãs a meio da ponte de São Gonçalo. Sobre o Tâmega também houve ação política: um movimento ambientalista passava a mensagem contra o projeto de construção de uma barragem no curso do rio. Nem tudo é música num festival como o MIMO.

E prova da importância para a região deste evento, o ministro da Economia Manuel Caldeira Cabral aproveitou a deslocação à cidade, na qual inaugurou uma start-up, para conhecer o festival, acompanhado do autarca e da organizadora, Lu Araújo.

Partilhar

Conteúdo Patrocinado

Mais popular

  • no dn.pt
  • Mundo
Pub
Pub