Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


Casinos em queda histórica apostam tudo na nova lei

por Rui Pedro Antunes  

Casinos em queda histórica apostam tudo na nova lei
Fotografia © Fernando Fontes/Global Imagens

Concessionárias tiveram a maior quebra de receitas de sempre no primeiro semestre de 2012: 11,4%. Responsáveis dos casinos estão impacientes e lamentam demora do Governo na apresentação das propostas para a nova legislação no jogo, concluída deste abril. Após desistirem de processos contra o Estado, concessionárias estão na expectativa. Perdem como nunca, mas têm na lei uma saída: concessões mais baratas, monopólio do jogo 'online' e 'offline' e publicidade

Preto ou vermelho? É com a mesma angústia e expectativa de um jogador de roleta que os casinos portugueses se encontram. As concessionárias não param de perder dinheiro desde o início da crise e aguardam impacientemente que seja regulamentado o jogo online e revistos os contratos de concessão. De acordo com dados da Associação Portuguesa de Casinos (APC), no primeiro semestre de 2012 verificou-se a maior quebra de receitas de sempre: 11,4%, o que significa menos 18,1 milhões de euros do que no período homólogo do ano passado.

É caso para dizer que os casinos não tiveram outra hipótese senão fazer all in (apostar tudo) na legislação preparada pela comissão interministerial, que irá mudar o panorama do jogo em Portugal. Se tudo continuar na mesma, há casinos em risco de fechar e o processo contra o Estado pode ser retomado. As concessionárias não podem esperar mais.

Pode um casino falir? O presidente da Associação Portuguesa de Casinos, Jorge Armindo, mostra-se preocupado com o sector e admite a situação dramática: "Não gostaria de fazer previsões, mas quando uma atividade não é rentável, o resultado normal é acabar". E Mário Assis Ferreira, presidente da Estoril-Sol, diz que "não ficaria surpreendido se não um, mas vários casinos" viessem a entregar as "chaves" ao Governo num futuro próximo.

Sem querer tomar uma posição relativamente ao relatório do Executivo, a associação não compreende o porquê de o relatório e anteprojetos de uma nova legislação sobre o jogo ter sido concluído pelo Governo em abril e, desde então, não existirem novidades. "Apesar de o Governo ter tomado a iniciativa de nomear uma Comissão Interministerial, tendo em vista a regulamentação do jogo online cujo trabalho se encontra concluído, não compreendemos a razão para tudo continuar como dantes", lamenta Jorge Armindo.

Já Mário Assis Ferreira, que considera este relatório como o mais "assertivo, abrangente e objetivo trabalho elaborado sobre esta matéria em Portugal", defende que a comissão arbitral proposta pelo estudo para estudar o reequilíbrio financeiro das concessões já deveria estar constituída. "Se a inação do Governo, neste matéria, se prolongar e ultrapassar o minimamente razoável, pode acontecer que quanto chegar a tentativa de cura o doente esteja moribundo", afirmou ao DN.


Ler Artigo Completo(Pág.1/3) Página seguinte
Patrocínio
 
7156Visualizações
28Impressões
29Comentários
0Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
RELACIONADO
 
TAGS
 
Comentar

Se tem conta, faça Login

Email

Password




PUB

Especiais

Recuar
Avançar
Coleção DN 150 anos - DN Destaque
BT Edições Multimédia
Epaper
Ocasião/Zaask - Destaque 300x100 DN (Remodelação) (25-26Nov))



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Detenção de José Sócrates vai prejudicar ação política do PS de António Costa?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper