Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


Crise/Marques mendes

Portugal está em "situação mais delicada" do que dizem

por Lusa  

Portugal está em "situação mais delicada" do que dizem

Portugal está numa "situação bastante mais delicada do que aquilo que tem sido traduzido publicamente", afirmou sexta-feira à noite, em Coimbra, o antigo presidente do PSD e ex-ministro Marques Mendes.

A situação do nosso país é "delicadíssima, do ponto de vista financeiro, económico e social", por "muitas razões", mas a principal "é o Estado que temos hoje", sustentou o antigo líder do grupo parlamentar social democrata. Para o antigo ministro dos Assuntos Parlamentares, "temos problemas seríssimos, quase de constrangimento terrível do ponto de vista financeiro", com "detalhes que vão acontecendo semana a semana" e que é preferível nem serem conhecidos. "A ignorância é santa" e "às vezes não saber perturba menos", disse. "Obviamente" que o problema "não é apenas de hoje", a situação "tem-se vindo a agravar nestes últimos dez anos", acrescentou Marques Mendes, considerando que o fenómeno se deve fundamentalmente à "dimensão do Estado" português, que "consome mais de metade da riqueza nacional".

O país "está fortemente endividado", mas o "endividamento do Estado vai muito para além do razoável", de tal modo que "entramos numa situação quase explosiva", alertou Marques Mendes, que falou numa sessão do ciclo de "Jantares na Quinta às Quintas", promovido pela Fundação Inês de Castro. Além do "problema financeiro delicadíssimo, temos o problema económico, que é estrutural" e tem de ser ultrapassado, defendeu o antigo governante e actual administrador executivo da Nutroton Energias. "Depois de uma década de empobrecimento, de divergência" com o crescimento europeu, não podemos "correr o risco" de prolongar esta trajectória, que terá graves reflexos a nível social, assinalou Marques Mendes.

"Costumo dizer que convinha não abusar da sorte", apesar de "tradicionalmente dizer-se que somos um país de brandos costumes e que aqui nunca há drama, como já houve na Grécia, em França e noutros países", disse o antigo governante. Mas "também nunca tivemos uma taxa de desemprego com a dimensão de hoje", alertou. Ou "rapidamente mudamos de vida em muitos domínios, mas sobretudo relativamente à dimensão do Estado que temos", ou, sublinhou Marques Mendes, "vamos continuar a divergir da Europa, a empobrecer, a degradar as nossas condições de vida".


Patrocínio
 
12454Visualizações
19Impressões
83Comentários
6Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
RELACIONADO
 
Comentar

Se tem conta, faça Login

Email

Password




PUB

Especiais

Recuar
Avançar
Coleção DN 150 anos - DN Destaque
BT Edições Multimédia
Epaper
Ocasião/Zaask - Destaque 300x100 DN (Pintura) (22-24Nov)



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

A Justiça está a ser muito demorada na aplicação da medida de coação a José Sócrates?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper