Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


Projecto

260 farmácias já têm serviço só para os animais

por LUÍS MANETA  

260 farmácias já têm serviço só para os animais

Trata-se de um espaço onde se vende produtos veterinários e se dá conselhos.

Os medicamentos e os produtos para utilização veterinária têm vindo a conquistar um espaço crescente nas farmácias nacionais. E já são, pelo menos, 260 os estabelecimentos que pelo País têm um Espaço Animal, orientado para a saúde e o bem-estar dos bichos de companhia. O objectivo é chegar aos 350 até final do ano.

"As farmácias já têm montada uma rede a nível nacional com know-how em matéria de medicamentos que pode ser aplicado na utilização veterinária", diz Carlos Godinho, responsável pelo desenvolvimento do projecto. "De acordo com a lei, podem existir estabelecimentos só para venda de medicamentos veterinários. Mas é uma coisa nova, ainda sem expressão em Portugal. "O nosso objectivo é aproveitar a rede de farmácias para com muita facilidade conseguirmos estender a oferta à generalidade do território nacional", acrescenta o responsável, lembrando que o projecto-piloto teve início em 2007.

Longe vai o tempo em que os animais eram tratados com medicamentos para uso humano, cujas doses eram adaptadas às especificidade de cada raça. "Hoje temos no mercado produtos para quase todos os tipos de patologia, estudados e testados especificamente para os animais, o que dá uma garantia muito maior em termos de segurança", conta Carlos Godinho, ele próprio médico veterinário. Além disso, segundo este médico, os medicamentos para uso animal oferecem agora riscos "muito menores", sendo no entanto necessária alguma formação específica por parte dos farmacêuticos.

"É frequente as pessoas chegarem à farmácia com dúvidas sobre a melhor forma de administrar um medicamento que foi prescrito ou com dúvidas sobre a utilização de outros cuja venda é livre."

Por isso, o Espaço Animal inclui acções com uma componente formativa e com um objectivo claro: "Dar aos farmacêuticos ferramentas para que possa existir um aconselhamento correcto sobre a forma de os medicamentos serem administrados sem riscos, quer para os animais quer para os próprios utentes."


Ler Artigo Completo(Pág.1/2) Página seguinte
Patrocínio
 
5498Visualizações
25Impressões
4Comentários
10Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
TAGS
 
Comentar

Caracteres disponíveis: 750

Receber alerta de resposta Aparecer como Anónimo
Lembrar dados pessoais
  • Comentar

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O DN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Receber alerta de resposta - será enviado um alerta para o seu e-mail sempre que houver uma resposta ao seu comentário. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados. Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

Se tem conta, faça Login

Email

Password

Legenda

Utilizador RegistadoUtilizador Registado    Utilizador Não RegistadoUtilizador Não Registado





PUB

Especiais

Recuar
Avançar
Continente UVA D'OURO 2014 DN 300x100
Epaper

PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Acha que a Guiné Equatorial devia fazer parte da CPLP?

Sim
Não
Só se adotar o português como língua principal
Só depois de dar garantias de que respeita os direitos humanos
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper