Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


Setúbal

Venda de casas parou em Tróia

por ROBERTO DORES  

Cerca de 60% de apartamentos por vender. Moradores já temem que se esteja perante uma nova Torralta

Cerca de 60% dos apartamentos e vivendas do novo Tróia Resort continuam por vender. Mas, pior do que isso, a procura que se fez sentir até meados do ano passado sofreu uma redução drástica, levando a Associação de Moradores Viver Tróia a recear ter a Sonae acabado de construir uma "nova Torralta". O presidente da associação, Ricardo Martinez, aceita que a crise económica possa explicar parte do problema, mas garante que há questões que estão a transformar a península em mais um "elefante branco".

"Quem é que compra um apartamento a preços altíssimos num local onde praticamente não há vida?", questiona Ricardo Martinez, lamentando que nesta altura apenas exista um pequeno café, uma papelaria, uma óptica e um supermercado. Isto num local onde já existem mais de 15 mil camas, sendo que a actual conjuntura lançou num compasso de espera o último investimento avaliado em 115 milhões de euros destinado a financiar os apartamentos turísticos da Lagoa e o Eco Resort.

"Que turismo de excelência é este de que temos ouvido falar? É claro que estamos muito preocupados por ver como a venda de casas parou completamente, porque Tróia está desertificada", sublinha Ricardo Martinez, numa altura em que o próprio grupo Sonae admite as dificuldades do sector imobiliário, revelando que 60% dos imóveis continuam à venda. Quer isto dizer que há ainda um total de 90 moradias em banda e 70 apartamentos sem compradores.

Para o representante dos moradores, há pequenos detalhes que estão a condenar os primeiros tempos da nova Tróia ao insucesso, caso do serviço de catamarãs, entre a Marina de Tróia e Setúbal, que é interrompido às 21.00 horas, obrigando as pessoas a utilizarem os ferries, cujo cais se situa na zona dos Fuzileiros, a cerca de quilómetros do aglomerado urbano. "Há pessoas que não sabe e ficam a pé. Ou apanham boleia e vêm andando, porque o autocarro de 70 lugares que costuma estar no cais só transporta os trabalhadores. Isto é inconcebível, porque o motorista nem aceita dinheiro aos turistas", lamenta o dirigente, enquanto a Sonae admite que está a tentar fazer uma gestão rigorosa das suas duas travessias fluviais do Sado, alertando que a Atlantic Ferries já soma um grande prejuízo.

Mas Martinez aponta ainda para os preços dos parques de estacionamento subterrâneos. Os primeiros quinze minutos de utilização custam 25 cêntimos, enquan- to as restantes fracções de 15 minutos rondam 15 cêntimos. Ou seja, qualquer turista que queira estacionar em Tróia não o faz por menos de 15 euros diários. "Então não podia haver uma atenção para quem aqui vem passar férias? Isto é uma enormidade", alerta o representante dos moradores.


Ler Artigo Completo(Pág.1/2) Página seguinte
Patrocínio
 
8222Visualizações
27Impressões
0Comentários
10Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
Comentar

Se tem conta, faça Login

Email

Password




PUB
NOS ConferênciaPrémioInovaçãoNOS - DN Destaque

Especiais

Recuar
Avançar
PEPE Jornadas Empreendedorismo Turismo - DN Destaque
BT Edições Multimédia
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Pensa que as taxas de juro negativas são boa notícia para as famílias portuguesas?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper