Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


Gonçalo Amaral acusado de torturar padrasto de Joana

por JOSÉ MANUEL OLIVEIRA  

O ex-coordenador da Polícia Judiciária (PJ) Gonçalo Amaral, já aposentado, foi acusado pelo Ministério Público de Faro pela prática de um crime de tortura em co-autoria a Leandro Silva, companheiro de Leonor Cipriano, mãe de Joana. O advogado do queixoso vai pedir uma indemnização de um milhão de euros.

De acordo com a acusação, que se baseou em documentos do Hospital do Barlavento, em Portimão, onde o queixoso foi assistido (além de vários depoimentos), no dia 13 de Outubro desse ano, Gonçalo Amaral agarrou no pescoço de Leandro Silva, padrasto da criança desaparecida, tendo-lhe desferido "vários socos no abdómen e bofetadas na face" enquanto pedia para lhe indicar onde estava a Joana. Tudo terá acontecido nas instalações da PJ em Faro.

Depois de ter iniciado o inquérito, em Outubro de 2008, o Ministério Público refere que o queixoso sofreu, na altura, várias lesões, designadamente "contusão na grelha costal", o que impediu de trabalhar durante cinco dias. Com base na acusação, o ex-coordenador da PJ incorre numa pena de um ano a cinco anos de prisão. Contudo, o advogado Marcos Aragão Correia, representante de Leandro Silva, vai pedir, como referiu ao DN, que seja considerada a existência de "crime de tortura grave", podendo nesse caso Gonçalo Amaral ter de cumprir de três a doze anos de cadeia.

Recorde-se que o antigo coordenador da Judiciária foi condenado, no dia 22 de Maio pelo Tribunal de Faro, a um ano e meio de prisão, com pena suspensa, por falso testemunho durante a investigação do caso Joana, que ele próprio liderou, em relação a tortura a Leonor Cipriano (que cumpre 16 anos de prisão por homicídio e ocultação do corpo da sua filha Joana).

O advogado Marcos Aragão Correia vai exigir 500 mil euros de indemnização a Gonçalo Amaral por "ofensas", após o ex-inspector ter pedido ao Tribunal de Faro o seu "internamento." A esse pedido de indemnização junta-se um outro no mesmo valor para compensar o padrasto de Joana por "tortura", "difamação" e "falsas declarações" durante a investigação sobre o desaparecimento da enteada.


Ler Artigo Completo(Pág.1/2) Página seguinte
Patrocínio
 
1197Visualizações
2Impressões
0Comentários
1Envio
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
Comentar

Caracteres disponíveis: 750

Receber alerta de resposta Aparecer como Anónimo
Lembrar dados pessoais
  • Comentar

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O DN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Receber alerta de resposta - será enviado um alerta para o seu e-mail sempre que houver uma resposta ao seu comentário. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados. Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

Se tem conta, faça Login

Email

Password

Legenda

Utilizador RegistadoUtilizador Registado    Utilizador Não RegistadoUtilizador Não Registado





PUB

Especiais

Recuar
Avançar
BT Edições Multimédia
Continente UVA D'OURO 2014 DN 300x100
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Os seus filhos adolescentes ainda querem fazer férias consigo?

SIM
NÃO
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper