Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


Medicamento para a ejaculação precoce é tão revolucionário como o Viagra

por CARLA AGUIAR  

Medicamento para a ejaculação precoce            é tão revolucionário como o Viagra

"É como se fosse um Viagra para a ejaculação precoce." É assim que o endocrinologista Santinho Martins resume o alcance do primeiro medicamento para tratar aquela disfunção sexual, e em cujo ensaio clínico participou. A ejaculação precoce afecta entre 20 a 30% dos homens, ou dito de outro modo, cerca de 670 mil portugueses.

A substância activa milagrosa - a Dapoxetina - promete, assim, tornar mais felizes cerca de um milhão de portugueses - parceiras incluídas -, uma vez que tal como reconhece o psiquiatra e sexólogo, Alan Gomes, " este é um problema que afecta muito em particular as mulheres, que, com o tempo, se tornam amargas e desinteressadas do sexo". E, acrescenta "é curioso notar que, em regra, a tolerância das mulheres é menor para com os parceiros que sofram de disfunção eréctil do que para os que têm este problema". Algo que, reconhece, "é injusto, na medida em que o indivíduo com ejaculação prematura acaba por gozar de um prazer que lhe é penoso, porque o culpabiliza e, em casos extremos, o faz evitar relacionamentos sérios, levando-o ao isolamento".

O novo fármaco foi aprovado após um ensaio com seis mil doentes realizado em 22 países. Segundo Santinho Martins - que acompanhou de perto a experiência com os seus pacientes - "os resultados são francamente bons". Isto porque a Dapoxetina actua tanto sobre a ejaculação precoce primária (aquela que o indivíduo tem desde sempre) como sobre a secundária (que surgiu apenas numa determinada fase da vida).

As diferenças entre homens e mulheres, no que toca ao tempo necessário para atingir um orgasmo, ou uma relação sexual satisfatória, são a questão central em torno desta disfunção. Estudos internacionais indicam que enquanto o homem necessita apenas de 5,5 minutos em média para chegar ao clímax, a mulher precisa de oito minutos em média. Mas, mesmo assim, há uma parcela de 60% que precisa de 12 minutos.

Pouco animador é ainda outro estudo recente realizado na Turquia, que sustenta que 20% das mulheres entram em casamentos arranjados pelas famílias, sem o seu consentimento. Segundo as conclusões daquele estudo, o acto sexual, já com os preliminares incluídos (beijos e carícias), só demora seis minutos.


Patrocínio
 
27281Visualizações
25Impressões
4Comentários
5Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
TAGS
 
Comentar

Se tem conta, faça Login

Email

Password




PUB
NOS ConferênciaPrémioInovaçãoNOS - DN Destaque

Especiais

Recuar
Avançar
PEPE Jornadas Empreendedorismo Turismo - DN Destaque
BT Edições Multimédia
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Pensa que as taxas de juro negativas são boa notícia para as famílias portuguesas?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper