Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


Medicamento para a ejaculação precoce é tão revolucionário como o Viagra

por CARLA AGUIAR  

Medicamento para a ejaculação precoce            é tão revolucionário como o Viagra

"É como se fosse um Viagra para a ejaculação precoce." É assim que o endocrinologista Santinho Martins resume o alcance do primeiro medicamento para tratar aquela disfunção sexual, e em cujo ensaio clínico participou. A ejaculação precoce afecta entre 20 a 30% dos homens, ou dito de outro modo, cerca de 670 mil portugueses.

A substância activa milagrosa - a Dapoxetina - promete, assim, tornar mais felizes cerca de um milhão de portugueses - parceiras incluídas -, uma vez que tal como reconhece o psiquiatra e sexólogo, Alan Gomes, " este é um problema que afecta muito em particular as mulheres, que, com o tempo, se tornam amargas e desinteressadas do sexo". E, acrescenta "é curioso notar que, em regra, a tolerância das mulheres é menor para com os parceiros que sofram de disfunção eréctil do que para os que têm este problema". Algo que, reconhece, "é injusto, na medida em que o indivíduo com ejaculação prematura acaba por gozar de um prazer que lhe é penoso, porque o culpabiliza e, em casos extremos, o faz evitar relacionamentos sérios, levando-o ao isolamento".

O novo fármaco foi aprovado após um ensaio com seis mil doentes realizado em 22 países. Segundo Santinho Martins - que acompanhou de perto a experiência com os seus pacientes - "os resultados são francamente bons". Isto porque a Dapoxetina actua tanto sobre a ejaculação precoce primária (aquela que o indivíduo tem desde sempre) como sobre a secundária (que surgiu apenas numa determinada fase da vida).

As diferenças entre homens e mulheres, no que toca ao tempo necessário para atingir um orgasmo, ou uma relação sexual satisfatória, são a questão central em torno desta disfunção. Estudos internacionais indicam que enquanto o homem necessita apenas de 5,5 minutos em média para chegar ao clímax, a mulher precisa de oito minutos em média. Mas, mesmo assim, há uma parcela de 60% que precisa de 12 minutos.

Pouco animador é ainda outro estudo recente realizado na Turquia, que sustenta que 20% das mulheres entram em casamentos arranjados pelas famílias, sem o seu consentimento. Segundo as conclusões daquele estudo, o acto sexual, já com os preliminares incluídos (beijos e carícias), só demora seis minutos.


Patrocínio
 
25989Visualizações
25Impressões
4Comentários
5Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
TAGS
 
Comentar

Se tem conta, faça Login

Email

Password




PUB

Especiais

Recuar
Avançar
Coleção DN 150 anos - DN Destaque
BT Edições Multimédia
Epaper
Ocasião/Zaask - Destaque 300x100 DN (Pintura) (22-24Nov)



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

A Justiça está a ser muito demorada na aplicação da medida de coação a José Sócrates?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper