Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


Alemanha

Heidemarie Schwermer vive sem dinheiro há 16 anos

por Luís Manuel Cabral  

Heidemarie Schwermer vive sem dinheiro há 16 anos

Heidemarie Schwermer fartou-se do materialismo e renunciou á vida que tinha para passar a viver sem um único euro. Já o faz há 16 anos.

Numa época em que a palavra "crise" anda na ordem do dia, a alemã Heidemarie Schwermer, de 69 anos, vive sem dinheiro. "A minha atividade, que tem como missão chamar a atenção para as injustiças, é a minha vocação", explica.

Schwemer trabalhava como professora e psicoterapeuta e tinha uma vida igual á de tantas outras pessoas mas, a certa altura, sentiu que não queria que o materialismo dos dias de hoje continuasse a ter tanto poder sobre o seu destino. Após se divorciar do marido, tomou a decisão de tentar passar um mês sem dinheiro, proeza que se prolongou por 16 anos.

Dois anos antes de passar a viver completamente sem dinheiro, em 1994, Schermer abriu uma pequena loja de trocas, denominada "Gib und Nimm" ("Dar e Receber"), por ter ficado chocada com a quantidade de sem-abrigo que havia em Dortmund. Nessa loja, as pessoas podiam trocar todo o tipo de serviços e de bens por aquilo que mais precisassem no momento. Roupas velhas podiam ser trocadas por um trabalho de canalização ou vice-versa. No entanto, não foram os sem-abrigo que mais se interessaram pelo sistema, mas muitos desempregados e reformados que lhe "invadiram" o estabelecimento e o tornaram rapidamente num fenómeno na cidade. Esse momento marcante, levou a que Heidemarie questionasse a sua própria existência e acabasse por deixar o emprego e a abandonar tudo o que tinha, levando apenas consigo as poucas roupas que couberam numa mala.

Apesar da incompreensão da sua família, sentiu-se bem e foi assim que, em 1996, tomou a maior decisão de sua vida: viver sem dinheiro. Com as filhas já criadas e não estando a viver com ela, Heidemarie vendeu o seu apartamento e decidiu partir à aventura. E o que era suposto ter sido uma pequena experiência tornou-se num modo de vida. Schwermer passou a ter uma vida de nómada, fazendo serviços de jardinagem, limpeza e até sessões de terapia em troca de comida e de um local para dormir, ou tomando conta de crianças em troca de um corte de cabelo, entre muitas outras coisas. Ao contrário do que se possa pensar, a experiência tornou-se libertadora. "Viver sem dinheiro e renunciar a tudo deu-me outra qualidade de vida, bem-estar interior e liberdade", diz.


Ler Artigo Completo(Pág.1/2) Página seguinte
Patrocínio
 
16200Visualizações
4Impressões
42Comentários
15Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
TAGS
 
Comentar

Caracteres disponíveis: 750

Receber alerta de resposta Aparecer como Anónimo
Lembrar dados pessoais
  • Comentar

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O DN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Receber alerta de resposta - será enviado um alerta para o seu e-mail sempre que houver uma resposta ao seu comentário. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados. Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

Se tem conta, faça Login

Email

Password

Legenda

Utilizador RegistadoUtilizador Registado    Utilizador Não RegistadoUtilizador Não Registado





PUB

Especiais

Recuar
Avançar
BT Edições Multimédia
Continente UVA D'OURO 2014 DN 300x100
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Os seus filhos adolescentes ainda querem fazer férias consigo?

SIM
NÃO
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper