Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


BERNARDO PIRES DE LIMA
Análise

Lidar com carismáticos

por BERNARDO PIRES DE LIMA  

A Venezuela de Chávez esteve para a América Latina como a Rússia de Putin tem estado para a Eurásia: assentam poder em legitimidade eleitoral, criam um sistema clientelar à volta do petróleo e do gás (bases das finanças públicas) e devotam programa político a uma imensa fatia da população em grande dificuldade, que vê nestes líderes o paternalismo de que necessitam. Não há nada de errado em dedicar políticas aos mais pobres, como é evidente, mas não deixa de haver uma leitura sobre esse exercício de poder: mais do que paternalismo político, há quase uma tutela do poder, normalmente concentrado num círculo restrito, que uma vez em declínio ou num aparente vazio (como a morte de Chávez) gera orfandade e pânico interno e externo de que tudo desabe. Não é bem isto que queremos quando pensamos numa democracia madura, liberal e plural. O problema destes regimes é não só a concentração de poder, gerador de corrupção e com tendência para a arbitrariedade aplicada às oposições, como ainda a total ausência de diversidade económica, o que os condena, para o bem e para o mal, à volatilidade do preço dos recursos energéticos nas praças internacionais. Mais do que de forma quantitativa, uma democracia deve medir-se pela sua qualidade, saúde e fórmulas institucionais de alternância e escape a situações de emergência. Mas vamos ao dia seguinte. Com eleições à vista e bancarrota destapada, Chávez foi senhor de era com altos (PIB, pobreza, desemprego, analfabetismo) e baixos (inflação, dívida externa, corrupção, insegurança). Conquistou espaço e deu autoconfiança coletiva à América Latina, embora não tanta como a emergência do Brasil. Só que o romantismo com que se olha para estas figuras carismáticas tem sempre um preço: quem é solidário na ideologia sente o chão a fugir; quem é solidário por necessidade mostra o cinismo exigido na política internacional. Os primeiros acabam por ser cúmplices da falência dos socialismos, os segundos viverão com a sua consciência. O eleitor decidirá.


Patrocínio
 
3673Visualizações
17Impressões
6Comentários
11Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 

A pobreza na União Europeia

por João Nobre, joaonobre_1988@hotmail.com

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais
Comentar

Se tem conta, faça Login

Email

Password



Bernardo Pires de Lima

A leste nada de novo

por Bernardo Pires de Lima

 

Lembram-se do cessar--fogo na Ucrânia assinado a 5 de setembro? Pois é, desde então morreram quase mil pessoas, o que faz dos esforços entre as partes e da influência internacional um autêntico logro.


Ver Mais




PUB

Especiais

Recuar
Avançar
Coleção DN 150 anos - DN Destaque
BT Edições Multimédia
Epaper
Ocasião/Zaask - Destaque 300x100 DN (Pintura) (22-24Nov)



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Concorda com a reposição das subvenções vitalícias dos políticos?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper