Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


ANDRÉ MACEDO

O inconcebível Gaspar

por ANDRÉ MACEDO  

O ministro das Finanças acha inconcebível o desemprego a caminho dos 18%? Acha inconcebível as falências em série? Acha inconcebível o nível de impostos? O IVA galopante? A queda de investimento? O risco de motim entre os militares? A fuga dos mais novos? O desespero dos reformados? A desconfiança que se abate sobre partidos e instituições? Acha inconcebível aprovar orçamentos que falham previsões e chegam a fevereiro esmagados pela realidade?

Não. Para todos estes detalhes pueris Gaspar não guarda espanto nenhum. Já para a hipótese de Portugal, como a Irlanda, pedir a extensão, por mais 15 anos, do pagamento do empréstimo aos fundos europeus que socorreram o País... para isso o ministro escolhe palavras musculadas: inconcebível!, diz ele. Haja moderação, acrescenta. Eu nunca tinha visto uma coisa destas. A Irlanda tem menos necessidades do que Portugal - tem um empréstimo mais pequeno -, até cresce alguma coisa, mas pede mais tempo. O que faz Gaspar? Gaspar distancia--se do aliado (que gesto nobre...) e pede cinco, dez anos no máximo. Alguém compreende?

Talvez seja a vontade de ficar fora do radar de Berlim para não indispor ninguém. Talvez seja a determinação em estar sempre alinhado com o ortodoxo e fraquíssimo Olli Rehn. Há argumentos a favor desta tese: os juros já não baixaram para 3%? Não houve tolerância para a derrapagem do défice em 2012 e não pode ser adiada a meta dos 3% em 2014? Devagar - incrementalmente, como dizem os burocratas de Bruxelas - lá vão chegando algumas concessões e borlas.

É seguramente uma maneira de olhar para o problema. Podemos até imaginar que Gaspar se agiganta à porta fechada, convertendo-se num tenaz defensor dos endividados. Será? Na verdade, só saberemos quando saírem as memórias do ministro; mas sei que há aqui um grave problema de oportunidade. O Wall Sreet Journal informava ontem que a zona euro caminha para o quarto trimestre consecutivo de contração. Ou seja, a receita é má e em Portugal é pior. A estratégia de 100% pura austeridade não resolve. Para se ter uma ideia, os enviados de Bruxelas a Atenas são aconselhados pela Comissão a mentir aos taxistas para não levarem uns cascudos: jamais lhes digam quem são, inventem. É isso mesmo: a ideia é mentir. Fazer-nos crer que não há alternativa ou que a alternativa é rasgar contratos, não fazer reformas nenhumas. Oito ou oitenta. Não é verdade. Há alternativa: negociar mais, colocar limites... como faz a Irlanda (que recusou subir o IRC) e como fez Espanha, que evitou o resgate. Infelizmente, Gaspar jamais o fará. Isso, sim, é inconcebível.

P.S. No auge da crise, alguns bancos centrais da Europa disseram às suas instituições financeiras nacionais para não comprarem dívida dos países em dificuldade. Com isso, extremaram a crise. São estes os parceiros europeus a quem Gaspar se entrega com diligência.


Patrocínio
 
8262Visualizações
33Impressões
38Comentários
29Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 

A tortura

por Tiago Aboim, tiago.aboim.js@gmail.com

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais
Comentar

Se tem conta, faça Login

Email

Password



ANDRÉ MACEDO

O futuro numa pincelada

por ANDRÉ MACEDO

 

1-Ernest Meissonier não está entre os futebolistas escolhidos por Fernando Santos para o seu primeiro jogo como selecionador nacional. Não podia estar. Ele não é português, é francês, não é jogador, é...


Ver Mais




PUB
PEPE Jornadas Empreendedorismo Turismo - DN Destaque

Especiais

Recuar
Avançar
TSF Superbrand - DN destaque
BT Edições Multimédia
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Justifica-se pagar 1500 euros para garantir médicos nas urgências no Natal e Ano Novo?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper