Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


ANDRÉ MACEDO

O inconcebível Gaspar

por ANDRÉ MACEDO  

O ministro das Finanças acha inconcebível o desemprego a caminho dos 18%? Acha inconcebível as falências em série? Acha inconcebível o nível de impostos? O IVA galopante? A queda de investimento? O risco de motim entre os militares? A fuga dos mais novos? O desespero dos reformados? A desconfiança que se abate sobre partidos e instituições? Acha inconcebível aprovar orçamentos que falham previsões e chegam a fevereiro esmagados pela realidade?

Não. Para todos estes detalhes pueris Gaspar não guarda espanto nenhum. Já para a hipótese de Portugal, como a Irlanda, pedir a extensão, por mais 15 anos, do pagamento do empréstimo aos fundos europeus que socorreram o País... para isso o ministro escolhe palavras musculadas: inconcebível!, diz ele. Haja moderação, acrescenta. Eu nunca tinha visto uma coisa destas. A Irlanda tem menos necessidades do que Portugal - tem um empréstimo mais pequeno -, até cresce alguma coisa, mas pede mais tempo. O que faz Gaspar? Gaspar distancia--se do aliado (que gesto nobre...) e pede cinco, dez anos no máximo. Alguém compreende?

Talvez seja a vontade de ficar fora do radar de Berlim para não indispor ninguém. Talvez seja a determinação em estar sempre alinhado com o ortodoxo e fraquíssimo Olli Rehn. Há argumentos a favor desta tese: os juros já não baixaram para 3%? Não houve tolerância para a derrapagem do défice em 2012 e não pode ser adiada a meta dos 3% em 2014? Devagar - incrementalmente, como dizem os burocratas de Bruxelas - lá vão chegando algumas concessões e borlas.

É seguramente uma maneira de olhar para o problema. Podemos até imaginar que Gaspar se agiganta à porta fechada, convertendo-se num tenaz defensor dos endividados. Será? Na verdade, só saberemos quando saírem as memórias do ministro; mas sei que há aqui um grave problema de oportunidade. O Wall Sreet Journal informava ontem que a zona euro caminha para o quarto trimestre consecutivo de contração. Ou seja, a receita é má e em Portugal é pior. A estratégia de 100% pura austeridade não resolve. Para se ter uma ideia, os enviados de Bruxelas a Atenas são aconselhados pela Comissão a mentir aos taxistas para não levarem uns cascudos: jamais lhes digam quem são, inventem. É isso mesmo: a ideia é mentir. Fazer-nos crer que não há alternativa ou que a alternativa é rasgar contratos, não fazer reformas nenhumas. Oito ou oitenta. Não é verdade. Há alternativa: negociar mais, colocar limites... como faz a Irlanda (que recusou subir o IRC) e como fez Espanha, que evitou o resgate. Infelizmente, Gaspar jamais o fará. Isso, sim, é inconcebível.

P.S. No auge da crise, alguns bancos centrais da Europa disseram às suas instituições financeiras nacionais para não comprarem dívida dos países em dificuldade. Com isso, extremaram a crise. São estes os parceiros europeus a quem Gaspar se entrega com diligência.


Patrocínio
 
8085Visualizações
33Impressões
38Comentários
29Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
JOEL NETO

1 Não me parece que devamos centrar a leitura dos dados de audiências relativos a programas com apresentador ou pivô, elencados há dias pela Marktest, no potencial audimétrico dos respetivos profissionais...

FERREIRA FERNANDES

O jornal francês Le Monde faz 70 anos em dezembro e, já neste verão, tem-nos apresentado uma série de textos sobre si próprio. Eles farão parte parte de um livro, a publicar em breve, sobre "a história...

ANSELMO BORGES

O mundo não é igual para todos. O mundo visto a partir de uma grande metrópole não coincide com o que se vê a partir do campo. Uma família feliz e uma família desgraçada não olham para o mundo do mesmo...

FILOMENA MARTINS

Portugal é o País das Comissões e dos Grupos de Trabalho (PCGT). Não há Governo que não os use para estudar e produzir aconselhamento sobre todo e qualquer assunto. O atual tem criado um novo a cada...

JOÃO MARCELINO

1 A detenção de Ricardo Salgado para prestar declarações como arguido, suspeito do cometimento de vários crimes fiscais e financeiros, é um momento importante para a sociedade portuguesa. No futuro se...


A cidade e o nexo*

por Brassalano Graça, licenciado em Jornalismo

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais
Comentar

Caracteres disponíveis: 750

Receber alerta de resposta Aparecer como Anónimo
Lembrar dados pessoais
  • Comentar

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O DN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Receber alerta de resposta - será enviado um alerta para o seu e-mail sempre que houver uma resposta ao seu comentário. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados. Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

Se tem conta, faça Login

Email

Password

Legenda

Utilizador RegistadoUtilizador Registado    Utilizador Não RegistadoUtilizador Não Registado




ANDRÉ MACEDO

Estamos a perder 7-1

por ANDRÉ MACEDO

 

O empréstimo da PT à Rioforte (Grupo Espírito Santo) é uma das piores decisões tomadas por uma empresa portuguesa de que tenho memória. Emprestar 900 milhões de euros a um grupo em desagregação acelerada...


Ver Mais




PUB

Especiais

Recuar
Avançar
Continente UVA D'OURO 2014 DN 300x100
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Concorda com a formação de turmas de nível, que separam os bons dos maus alunos?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper