Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


MANUEL MARIA CARRILHO

Um beco sem saída?

por MANUEL MARIA CARRILHO  

A ideia que fica do impressionante magma de cartazes, slogans e cantares das manifestações de sábado passado é que há algo bem no miolo desta crise que, como se está a ver, não vai lá com as respostas que se lhe têm dado.

Algo que resiste aos protestos e à indignação das pessoas, integrando com surpreendente facilidade a sua explosiva expressividade. Algo que dissolve o confronto ideológico, e o reduz a meras variações de uma gestão que se pressente que passa ao lado do essencial. Algo que revela, nos interstícios das repetidas e sonoras proclamações democráticas, uma impotência colectiva como não há memória.

Isto talvez aconteça porque, se por um lado não é difícil reconhecer que o mais indiscutível traço da crise que vivemos é o da sua imensa complexidade, por outro lado nunca se viu tanto simplismo no modo como ela tem sido enfrentada.

Um bom exemplo disto encontra-se no modo como se olha hoje para os partidos políticos. Permanentemente criticados, há mesmo quem se admire que eles resistam, tantas e tão consensuais são as debilidades e os vícios das democracias que parecem ter a sua origem no sistema partidário: no seu fechamento, na sua distância face à sociedade civil, no seu clientelismo, no seu torpor ideológico, etc.

São críticas com fundamento. Mas é bom ter consciência de que são críticas que se repetem há mais de cem anos. Já então elas eram absolutamente centrais no debate político europeu, que também já então denunciava uma aguda descredibilização dos partidos, bem como as perversidades do parlamentarismo dependente dos partidos. No nosso caso português, basta visitar um pouco a história da 1.ª República e consultar o argumentário do salazarismo, sobretudo da primeira fase, para o verificarmos com grande evidência.


Ler Artigo Completo(Pág.1/3) Página seguinte
Patrocínio
 
7090Visualizações
42Impressões
62Comentários
4Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
JOEL NETO

Notas para um conto infantil. Três pássaros: um santo-antoninho, um canário e um pardal. Um laranja, um amarelo e um cinzento. Clero, nobreza e povo.

VIRIATO SOROMENHO-MARQUES

Obama ficará na história por várias razões. Uma delas será pelo contributo para a normalização das relações diplomáticas com Cuba. É um gesto corajoso, mas reflete também a mudança de opinião do povo americano...

FERREIRA FERNANDES

Diz-se que o Muro de Berlim (epítome da separação entre o Ocidente e o comunismo) caiu por causa das antenas de televisão. Já não sendo parede, deixava de ter justificação... Seja, mas deve ser um método...


Tabus

por Dario F. Ruivo, Seixal (darioruivo@gmail.com)

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais
Comentar

Se tem conta, faça Login

Email

Password



MANUEL MARIA CARRILHO

O paradigma perdido

por MANUEL MARIA CARRILHO

 

A política faz-se cada vez mais de palavras mágicas, que nada dizem, e de silêncios calculistas, que tudo escondem. Como se na realidade ninguém soubesse já não só o que fazer, mas também o que dizer....


Ver Mais




PUB
PEPE Jornadas Empreendedorismo Turismo - DN Destaque

Especiais

Recuar
Avançar
TSF Superbrand - DN destaque
BT Edições Multimédia
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Concorda com a aproximação entre Estados Unidos e Cuba?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper