Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


MANUEL MARIA CARRILHO

Um beco sem saída?

por MANUEL MARIA CARRILHO  

A ideia que fica do impressionante magma de cartazes, slogans e cantares das manifestações de sábado passado é que há algo bem no miolo desta crise que, como se está a ver, não vai lá com as respostas que se lhe têm dado.

Algo que resiste aos protestos e à indignação das pessoas, integrando com surpreendente facilidade a sua explosiva expressividade. Algo que dissolve o confronto ideológico, e o reduz a meras variações de uma gestão que se pressente que passa ao lado do essencial. Algo que revela, nos interstícios das repetidas e sonoras proclamações democráticas, uma impotência colectiva como não há memória.

Isto talvez aconteça porque, se por um lado não é difícil reconhecer que o mais indiscutível traço da crise que vivemos é o da sua imensa complexidade, por outro lado nunca se viu tanto simplismo no modo como ela tem sido enfrentada.

Um bom exemplo disto encontra-se no modo como se olha hoje para os partidos políticos. Permanentemente criticados, há mesmo quem se admire que eles resistam, tantas e tão consensuais são as debilidades e os vícios das democracias que parecem ter a sua origem no sistema partidário: no seu fechamento, na sua distância face à sociedade civil, no seu clientelismo, no seu torpor ideológico, etc.

São críticas com fundamento. Mas é bom ter consciência de que são críticas que se repetem há mais de cem anos. Já então elas eram absolutamente centrais no debate político europeu, que também já então denunciava uma aguda descredibilização dos partidos, bem como as perversidades do parlamentarismo dependente dos partidos. No nosso caso português, basta visitar um pouco a história da 1.ª República e consultar o argumentário do salazarismo, sobretudo da primeira fase, para o verificarmos com grande evidência.


Ler Artigo Completo(Pág.1/3) Página seguinte
Patrocínio
 
7006Visualizações
42Impressões
62Comentários
4Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 

A cidade e o nexo*

por Brassalano Graça, licenciado em Jornalismo

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais
Comentar

Caracteres disponíveis: 750

Receber alerta de resposta Aparecer como Anónimo
Lembrar dados pessoais
  • Comentar

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O DN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Receber alerta de resposta - será enviado um alerta para o seu e-mail sempre que houver uma resposta ao seu comentário. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados. Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

Se tem conta, faça Login

Email

Password

Legenda

Utilizador RegistadoUtilizador Registado    Utilizador Não RegistadoUtilizador Não Registado




MANUEL MARIA CARRILHO

A bomba-relógio

por MANUEL MARIA CARRILHO

 

É hoje claro o fracasso de François Hollande, em França e na União Europeia. Ele foi eleito com base em três promessas fundamentais, em que boa parte dos franceses acreditaram: na retoma do crescimento...


Ver Mais




PUB
Continente UVA D'OURO 2014 DN 300x100

Especiais

Recuar
Avançar
BT Edições Multimédia
Ocasião/Zaask - Destaque 300x100 DN
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Acredita que a Justiça ficará mais eficaz com o novo mapa judiciário?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper