Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


BAPTISTA-BASTOS

Crónica sobre a moral

por BAPTISTA-BASTOS  

O banqueiro Filipe Pinhal, e um vistoso grupo de "quadros" superiores, resolveram associar-se num objectivo protestatário, e criar os Reformados Indignados. Pinhal recebe, mensalmente, o equivalente a 14 mil contos (moeda antiga) correspondente aos descontos de que diz ter sido esportulado durante uma vida de trabalho insano e muito fatigante. Parece que lhe querem "extorquir", continua ele, uma fatia grossa do rédito. Disse, também, que não foi à manifestação de 2 de Março "porque tinha outros compromissos". De contrário, certamente, veríamos o banqueiro, senão de punho vertical, pelo menos a cantar a Grândola, vila morena.

Creio que a reforma de Filipe Pinhal está nos ajustes: ele descontou, é justificado que lhe "restituam" o que despendeu. Tudo legal. Porém, a ferida está na imoralidade do caso, espelho restituído da sórdida imoralidade quase generalizada. Para auferir uma reforma daquele montante, o vencimento que recebia, além dos prémios, das "surdas", das mordomias várias, já de si era absolutamente imoral, tendo em conta os ordenados da maioria dos portugueses. Lembro que o comendador Joe Berardo, criticou, em assembleias do BCP, de que Pinhal era administrador, os "obscenos vencimentos do conselho de administração". Dir-se-á: isso é lá com eles. Não é; também é connosco, porque o facto, extremamente deplorável, pertence à circunstância portuguesa, confrontada não só com a problemática social como à dúvida e à decepção permanentes de milhões de nós.

A nossa experiência democrática tem sido fértil nestas deformidades. O descaso, tido como "normal", e a abandonada resignação de um povo que deixou de acreditar na equidade e na justiça, porque vê os corruptos impunes e os jogos de poder a duas mãos, atiraram-nos, novamente, para a tradicional apagada e vil tristeza. O princípio da regulação e da harmonização entre os indivíduos explica o funcionamento social e estabelece os fundamentos de uma ética, inerente à dimensão do humano. Os exemplos procedentes de quem os devia dar estão encarquilhados porque fundados numa forma de reflexão assente no cifrão e na cifra. Se aquele Ulrich, católico e bom chefe de família, disse o que disse, com despudor e afronta, fê-lo por se sentir resguardado pelo ar do tempo e pelas condições políticas que lhe são propícias. A imoralidade cria os seus peculiares padrões e os seus estipendiados serventuários.

Quando um banqueiro, outro banqueiro!, o elegante e garboso João Salgueiro (conhecido entre os seus pares por "aquele que tem mais olhos do que barriga"), se pergunta, admiradíssimo, porque é que os desempregados não vão limpar as matas, as coisas podem não ficar mais claras, mas ficamos a saber, com nitidez, a natureza das estruturas mentais e a extensão ética dos que pretendem constituir - a nossa "elite."


Patrocínio
 
10198Visualizações
90Impressões
0Comentários
33Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
ANSELMO BORGES

Haverá alguém que duvide de que vivemos num mundo, por um lado, exaltante, mas, por outro, sobretudo um mundo perigoso, ameaçador?

LEONÍDIO PAULO FERREIRA

Portugal já foi uma potência do Médio Oriente, pelo menos do seu litoral no Índico, do Iémen ao Irão. Ainda estão por lá as fortalezas a prová--lo, como as de Ormuz, a da ilha de Qeshm ou a do Bahrein...

FERREIRA FERNANDES

Pelas fotos tinham ar alucinado. E eram alucinados (ele estava preso por bater na mãe e ela fora condenada a 18 anos por matar um cliente). E foram considerados alucinados a ponto de serem internados na...


Desempregados a trabalhar (quase) de borla

por Vítor Colaço Santos, cyntrascrita@hotmail.com

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais

BAPTISTA BASTOS

Ponto final

por BAPTISTA BASTOS

 

Durante sete anos, às quartas-feiras, publiquei no Diário de Notícias, a convite expresso de João Marcelino, uma crítica de costumes e hábitos. Foram sete anos excelentes, de trabalho entendido como tal...


Ver Mais




PUB

Especiais

Recuar
Avançar
PEPE Jornadas Empreendedorismo Turismo - DN Destaque
Continente UVA D'OURO 2015 DN 300x100
Btn EdMultimedia - Geral
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Concorda com a privatização da Carris e do Metro?

Sim
Apenas com a da Carris
Apenas com a do Metro
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper