Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


ADRIANO MOREIRA

As vinhas da ira

por ADRIANO MOREIRA  

As duas guerras mundiais, que devastaram a Europa numa escala desproporcionada, foram as duas seguidas de uma espécie de nova belle epoque, a preencher o intervalo entre calamidades.

Entre as mudanças sociais decorrentes da primeira, a libertação das mulheres aparece como um facto dos costumes e dos valores. Foi geralmente atribuída essa mudança às funções que inevitavelmente foram chamados a exercer, vista a mobilização dos homens pelos exércitos e urgência de mão de obra, e do aprender a fazer, na retaguarda.

As oficinas, o campo, a casa, os hospitais, e assim por diante, encheram-se de uma criatividade feminina que, para facilitar a movimentação, e como foi observado, cortaram o cabelo e encurtaram as saias. Uma nova atitude em relação às ascendentes que tinham sido viúvas de homens vivos que partiram para as tarefas do Estado nas lonjuras a descobrir, ou para onde o mercado de trabalho permitisse aos homens que emigraram que enviassem as remessas com que sustentavam a família que ficava e equilibravam a balança de pagamentos estaduais.

A crise de 1929, que antecedeu como anúncio a guerra seguinte, e que, como agora, teve causa relevante nos EUA, foi também caraterizada por uma explosão sem regra que não fosse a eficácia do enriquecimento especulativo.

A crise do comércio, o desemprego, o desespero, as tragédias, multiplicaram-se, com suicídios de grandes interventores no mercado. Foi neste ambiente que Steinbeck, agora lembrado, escreveu As Vinhas da Ira, e que John Maynard Keynes publicou a Teoria Geral. Felizmente para os EUA, o presidente Roosevelt, que evidentemente escutava os economistas, sabia que esta não dispensava, antes necessitava do estadista que, no caso, criou um conceito estratégico, o New Deal, assumido com essa natureza, porque, disse, tinha um encontro com um desafio de história (Barreau e Bigot).


Ler Artigo Completo(Pág.1/2) Página seguinte
Patrocínio
 
7350Visualizações
67Impressões
22Comentários
54Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
LEONÍDIO PAULO FERREIRA

Não hesitei em chamar "a voz do desespero talibã" a Abdul Salam Zaeef, quando o ouvi em Islamabad, num inglês hesitante, prometer que os afegãos iriam derrotar os Estados Unidos, como antes os ingleses...

JOEL NETO

Ontem tive saudades do Inverno. Vinha atravessando o canal entre o Pico e o Faial, num daqueles ferry-boats em que Nemésio quase não teria sentido o seu mau tempo, e pareceu-me cheirar um caldo de couves.

FERREIRA FERNANDES

Um futebolista português foi transferido do Santa Clara, Açores, para o modesto Jaén, Espanha. Na apresentação, ontem, ele chumbou em memória: apareceu de T-shirt com a cara de Franco estampada. Não a...


Os mesmos atos não trarão resultado diferente

por Pedro Furtado Correia, pmmsfc@gmail.com

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais

ADRIANO MOREIRA

Sobre o risco da casa comum

por ADRIANO MOREIRA

 

Acabada a Guerra Mundial de 1939-1945, decorreram anos que viram modificar-se a hierarquia das potências, reduzir ao silêncio instâncias internacionais que detinham a proclamação de grandes esperanças...


Ver Mais




PUB

NOTÍCIAS Mais VISTAS

Continente UVA D'OURO 2015 DN 300x100
Btn EdMultimedia - Geral



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

PSD e CDS dizem que podem tornar a economia portuguesa numa das dez mais competitivas do Mundo

É possível. Se forem eleitos e o seu programa for cumprido
É impossível. Não passa de propaganda eleitoral
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper