Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


LEONÍDIO PAULO FERREIRA

Negros de Alfama são estrelas em Princeton

por LEONÍDIO PAULO FERREIRA  

Suspeito que até Barack Obama ficaria de boca aberta se visse o Chafariz d'el Rey no bairro de Alfama, descrito pela Economist como a estrela dos quadros exibidos em Princeton. Para isso bastaria que o Presidente americano desse um pulo à famosa universidade, onde uma exposição mostra até 9 de junho a presença africana na pintura renascentista. Não fica longe de Washington, talvez a 250 km.

Pintado por um holandês em meados do século XVI, o Chafariz d'el Rey mostra uma Lisboa ribeirinha, cheia de gente diversa, com destaque para os escravos negros. Calcula-se que a capital portuguesa contasse nessa época com um décimo de população negra.

Nascido num Havai onde muita gente tem raízes madeirenses e criado numa Indonésia terra de especiarias, Obama tem obrigação de saber que os portugueses foram os pioneiros da globalização. Talvez até lhe tenham contado que foi em Melinde, no Quénia do seu pai, que Vasco da Gama contratou o piloto que o ajudou a chegar em 1498 à Índia. Sempre pode perguntar a Pete Souza ou David Simas, lusodescendentes que trabalham na Casa Branca.

Que os portugueses se espalharam é óbvio. Menos conhecido é que trouxeram o mundo até à Europa, seja por via dos alimentos, como a malagueta ou o chá, seja importando gente. Hugh Thomas dá o exemplo de uma casa em Évora no século XVI em que havia uma dezena de serviçais, desde africanos a índios brasileiros e ainda indianos.

Tanto contacto tem também um lado tenebroso. Na sua história do tráfico negreiro, o autor britânico garante que ninguém vendeu tantos escravos como os portugueses, se bem que o rentável comércio transatlântico tenha envolvido desde ingleses a espanhóis, passando por franceses e até suecos.


Ler Artigo Completo(Pág.1/2) Página seguinte
Patrocínio
 
6319Visualizações
15Impressões
20Comentários
1Envio
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 

O movimento dos Capitães e o 25 de Abril. Eu estava lá.

por António de Castilho Barros Semedo (Tenente Miliciano na reserva)

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais
Comentar

Caracteres disponíveis: 750

Receber alerta de resposta Aparecer como Anónimo
Lembrar dados pessoais
  • Comentar

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O DN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Receber alerta de resposta - será enviado um alerta para o seu e-mail sempre que houver uma resposta ao seu comentário. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados. Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

Se tem conta, faça Login

Email

Password

Legenda

Utilizador RegistadoUtilizador Registado    Utilizador Não RegistadoUtilizador Não Registado








PUB
Continente UVA D'OURO 2014 DN 300x100

Especiais

Recuar
Avançar
Amazing Romance in Thailand - DN Destaque (Participação)
25 Abril Concurso de Fotografia
Epaper

PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Vai participar nas comemorações dos 40 anos do 25 de Abril?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper