Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


JOÃO CÉSAR DAS NEVES

O recurso vital

por JOÃO CÉSAR DAS NEVES  

O mundo hoje tem enorme necessidade de um recurso essencial, infelizmente bastante descurado. Fala-se muito de água, ar, petróleo, urânio, cereais, até metais de terras raras, mas pouco se refere aquilo que, se vier a faltar, destruirá de vez a humanidade. O recurso não é escasso, pois existem vastas jazidas. Mas é difícil de isolar por vir misturado com outros elementos e, pior, tende a evaporar-se quando é retirado das condições naturais. Para o compreender é preciso analisar a situação actual.

Portugal sofre a crise mais séria das últimas décadas. Isso significa que muita gente sofre, sem meios de subsistência, sem ocupação, sem esperança. A austeridade é indispensável, perante uma situação em que hábitos gastadores, suportados por dívida galopante, não podiam ser mantidos. Apesar disso, muitos a rejeitam, elaborando explicações que os isentam de responsabilidade, procurando culpados e vivendo na ilusão. Assim, ao sofrimento económico junta-se a raiva, o insulto, a fúria, a agressão. Crescem os extremismos e os maiores disparates passam por sabedoria num povo desesperado.

O problema não é só português. O nosso caso é manifestação de uma questão muito mais vasta que assola todo o mundo. A recente evolução, com mudanças nas tecnologias da comunicação e abertura à globalização, eliminou muitos empregos tradicionais. Telefonistas, dactilógrafos, amanuenses, arquivistas e tantos outros deixaram de ser precisos, enquanto várias ocupações de baixa tecnologia emigravam para Sul ou Oriente. Muitos na Europa e na América do Norte encontram-se em dificuldades para achar ocupação compatível. Entretanto os salários não especializados descem pela concorrência das economias emergentes e, como os talentos de qualidade estão a prémio, existe uma forte tensão de desigualdade.

Alguns até dizem que foi esta dinâmica que originou a recente crise financeira. Perante a perturbação política gerada pela disparidade, o Governo americano fomentou o crédito à habitação enquanto os orçamentos públicos europeus se desequilibravam com apoios e subsídios. Em ambos os casos, a dívida acumulada, nos bancos ou no sector público, rebentou inevitavelmente.

Entretanto nos países pobres as pressões são diferentes mas igualmente difíceis. Entre as economias emergentes existe forte melhoria de bem-estar, mas começam a denunciar-se situações de exploração, abuso e violação de direitos, semelhantes às da revolução industrial. Entretanto, nas zonas mais pobres, a estagnação torna-se mais intolerável quando os vizinhos começam a crescer.


Ler Artigo Completo(Pág.1/3) Página seguinte
Patrocínio
 
10410Visualizações
48Impressões
117Comentários
7Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 

Os bens comuns da União Europeia

por António Covas, acovas@ualg.pt

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais

JOÃO CÉSAR DAS NEVES

Horror às privatizações

por JOÃO CÉSAR DAS NEVES

 

Existem fortes movimentos de oposição às privatizações. É verdade que a população em geral não se interessa pelo tema. Afinal, há quase 30 anos que se sucedem as vendas de activos produtivos por parte...


Ver Mais




PUB

NOTÍCIAS Mais VISTAS

Continente UVA D'OURO 2015 DN 300x100
Btn EdMultimedia - Geral



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Como classifica a decisão de Pedro Santana Lopes de não entrar na corrida a Belém?

Acertada
Errada
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper