Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


JOÃO CÉSAR DAS NEVES

O recurso vital

por JOÃO CÉSAR DAS NEVES  

O mundo hoje tem enorme necessidade de um recurso essencial, infelizmente bastante descurado. Fala-se muito de água, ar, petróleo, urânio, cereais, até metais de terras raras, mas pouco se refere aquilo que, se vier a faltar, destruirá de vez a humanidade. O recurso não é escasso, pois existem vastas jazidas. Mas é difícil de isolar por vir misturado com outros elementos e, pior, tende a evaporar-se quando é retirado das condições naturais. Para o compreender é preciso analisar a situação actual.

Portugal sofre a crise mais séria das últimas décadas. Isso significa que muita gente sofre, sem meios de subsistência, sem ocupação, sem esperança. A austeridade é indispensável, perante uma situação em que hábitos gastadores, suportados por dívida galopante, não podiam ser mantidos. Apesar disso, muitos a rejeitam, elaborando explicações que os isentam de responsabilidade, procurando culpados e vivendo na ilusão. Assim, ao sofrimento económico junta-se a raiva, o insulto, a fúria, a agressão. Crescem os extremismos e os maiores disparates passam por sabedoria num povo desesperado.

O problema não é só português. O nosso caso é manifestação de uma questão muito mais vasta que assola todo o mundo. A recente evolução, com mudanças nas tecnologias da comunicação e abertura à globalização, eliminou muitos empregos tradicionais. Telefonistas, dactilógrafos, amanuenses, arquivistas e tantos outros deixaram de ser precisos, enquanto várias ocupações de baixa tecnologia emigravam para Sul ou Oriente. Muitos na Europa e na América do Norte encontram-se em dificuldades para achar ocupação compatível. Entretanto os salários não especializados descem pela concorrência das economias emergentes e, como os talentos de qualidade estão a prémio, existe uma forte tensão de desigualdade.

Alguns até dizem que foi esta dinâmica que originou a recente crise financeira. Perante a perturbação política gerada pela disparidade, o Governo americano fomentou o crédito à habitação enquanto os orçamentos públicos europeus se desequilibravam com apoios e subsídios. Em ambos os casos, a dívida acumulada, nos bancos ou no sector público, rebentou inevitavelmente.

Entretanto nos países pobres as pressões são diferentes mas igualmente difíceis. Entre as economias emergentes existe forte melhoria de bem-estar, mas começam a denunciar-se situações de exploração, abuso e violação de direitos, semelhantes às da revolução industrial. Entretanto, nas zonas mais pobres, a estagnação torna-se mais intolerável quando os vizinhos começam a crescer.


Ler Artigo Completo(Pág.1/3) Página seguinte
Patrocínio
 
10263Visualizações
48Impressões
117Comentários
7Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais
Comentar

Se tem conta, faça Login

Email

Password



JOAO CÉSAR DAS NEVES

Iniciativa legislativa

por JOAO CÉSAR DAS NEVES

 

Não perguntem o que o vosso país pode fazer por vós, perguntai o que podeis fazer pelo vosso país." Esta frase célebre do presidente americano John Kennedy no discurso de posse, a 20 de Janeiro de 1961...


Ver Mais




PUB

Especiais

Recuar
Avançar
Coleção DN 150 anos - DN Destaque
BT Edições Multimédia
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Como classifica a entrevista do primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, ontem à RTP?

Muito boa
Boa
Medíocre

Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper