Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


BERNARDO PIRES DE LIMA

Obama 'vs.' Rubio

por BERNARDO PIRES DE LIMA  

O primeiro discurso de Obama sobre o "estado da União" foi marcado pela gestão do pânico quando o défice chegou aos 10%. Assim seria todo o mandato: controlar os triplos danos da crise, os provocados pelo sector bancário no mercado da habitação, os que degeneraram em falências e desemprego e os que trouxeram duas prolongadas guerras. Neste início de segundo mandato, o mote altera-se com as circunstâncias. O último ano fiscal pôs o défice nos 5,3%, a economia mantém crescimento sustentável, o desemprego baixou e a guerra do Iraque terminou. Hoje à noite quando discursar no Congresso, Obama apontará baterias para a classe média, deixando espaço para o esforço bipartidário na redução do défice. Ou seja, primeiro a economia, depois as finanças.

E depois? Medidas para a educação, infraestruturas (quantas delas obsoletas), independência energética e potencial industrial (ou, se lhe quisermos chamar, o pânico chinês). Mas será um tom positivo e motivador a percorrer todo o discurso, gerando confiança depois da ação judicial contra a S&P. É um ciclo que se fecha e outro que se quer abrir. É ainda provável que aborde reformas na Defesa, em especial a redução das armas nucleares (do agrado de Chuck Hagel), falando em poupança, sem esquecer que precisa de acompanhamento russo. Será difícil que Moscovo alinhe e que os republicanos não saltem das cadeiras (não para aplaudir).

A segunda parte da noite está reservada para Marco Rubio, o político do momento e o escolhido para a resposta oficial do GOP. Responderá em inglês e espanhol (inédito) e mostrará as incongruências de Obama: aumento brutal do peso do estado; coube a Rubio a iniciativa sobre a prometida reforma da lei de imigração; não há geração de emprego capaz de impor a América no mundo; a retração estratégica só motiva a ascensão de outras potências. É nos vazios de Obama que Rubio pode emergir.


Patrocínio
 
3453Visualizações
14Impressões
1 Comentário
8Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
JOEL NETO

Notas para um conto infantil. Três pássaros: um santo-antoninho, um canário e um pardal. Um laranja, um amarelo e um cinzento. Clero, nobreza e povo.

VIRIATO SOROMENHO-MARQUES

Obama ficará na história por várias razões. Uma delas será pelo contributo para a normalização das relações diplomáticas com Cuba. É um gesto corajoso, mas reflete também a mudança de opinião do povo americano...

FERREIRA FERNANDES

Diz-se que o Muro de Berlim (epítome da separação entre o Ocidente e o comunismo) caiu por causa das antenas de televisão. Já não sendo parede, deixava de ter justificação... Seja, mas deve ser um método...


Tabus

por Dario F. Ruivo, Seixal (darioruivo@gmail.com)

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais
Comentar

Se tem conta, faça Login

Email

Password



BERNARDO PIRES DE LIMA

Salvem os piratas

por BERNARDO PIRES DE LIMA

 

O caso conta-se em poucas linhas. Em 2008, um paquete de luxo francês foi capturado por piratas somalis perto do golfo de Áden, tendo as criaturas feito 50 reféns entre tripulação e passageiros. A coisa...


Ver Mais




PUB
PEPE Jornadas Empreendedorismo Turismo - DN Destaque

Especiais

Recuar
Avançar
TSF Superbrand - DN destaque
BT Edições Multimédia
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Concorda com a aproximação entre Estados Unidos e Cuba?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper