Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


BERNARDO PIRES DE LIMA
Análise

Que mais será preciso?

por BERNARDO PIRES DE LIMA  

Que América é esta que prefere a livre compra de armas à liberdade de uma inocente criança? Que outro país passa por tantos massacres permanentes em escolas? Em que outro país o fascínio por armas é constitucional e politicamente protegido? Em que outro país, de cada vez que um massacre como o de Connecticut acontece, os políticos dizem que não é hora para falar da lei, mas de chorar e rezar pelos mortos? Os EUA têm uma doença que se revela como nenhuma outra e ela não é nem a saúde mental dos monstros que tiram a vida a crianças numa escola nem é a cultura de violência com a qual os adolescentes crescem. Vamos ser claros sobre isto. Desde quando é que um doente mental é um assassino ou que os EUA têm o exclusivo das doenças mentais? Não vemos massacres em escolas em mais lado nenhum. A questão não está no facto de o rapaz ter um distúrbio ou ser doente, o problema é que a lei lhe permite ter acesso a armas com a maior das facilidades. E não são armas quaisquer: é material militar que jamais poderia estar acessível ao público.

E o argumento da cultura de violência, só nos EUA é que há desenhos animados, videojogos e filmes que promovem a violência e o culto das armas? Claro que não. Esta cultura é universal e acessível a qualquer pessoa, mas não vemos massacres como o de Newtown em mais nenhum país. Então porque é que este argumento só aparece quando falamos dos EUA? Porque há um acesso fácil e permanente a armas. Este é o ponto que importa isolar. E isolar por quem? Por quem tem a obrigação moral de parar esta avalancha de tragédias. Num dia é Columbine, no outro é Virginia Tech, um cinema no Colorado ou uma escola em Newtown. A Constituição só é sagrada se for para fazer o bem, caso contrário não merece respeito. Como não merece respeito qualquer político nos EUA ou noutro país que continue a manchar a palavra liberdade com o acesso e uso de armas. Que Newtown seja o último dos exemplos desta chaga.


Patrocínio
 
4701Visualizações
20Impressões
3Comentários
10Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
VIRIATO SOROMENHO-MARQUES

Era assim que Hobbes chamava ao Estado: o "Deus mortal" (mortal God). Deus, porque só o Estado permite aos homens, frágeis e efémeros na sua solidão individual, reunirem as suas energias numa sociedade...

PAULO BALDAIA

Fazer o que quer que seja ao nível político para tornar Portugal um país mais moderno e menos oneroso para os contribuintes é um bico-de-obra. Uma quase impossibilidade, ditada pela força dos lóbis e pelos...

PEDRO MARQUES LOPES

Não há quem não fale da necessidade de acordos sobre questões importantes para o país entre os dois principais partidos portugueses. Conhecemos demasiado bem as consequências desta infernal revolução permanente...

ALBERTO GONÇALVES

Sem aviso prévio, eis aberto o concurso público alusivo à privatização da TAP. Infelizmente, o concurso em causa não se destina à venda da empresa, mas apenas a apurar o autor da declaração mais pateta...


A tortura

por Tiago Aboim, tiago.aboim.js@gmail.com

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais
Comentar

Se tem conta, faça Login

Email

Password



Bernardo Pires de Lima

Teoria e prática

por Bernardo Pires de Lima

 

Depois da imigração, Cuba. Não é só o voto latino que leva Obama a colocar estes temas no topo da agenda política antes que um Congresso ainda mais hostil tome posse a 6 de janeiro. É o facto de estes...


Ver Mais




PUB
PEPE Jornadas Empreendedorismo Turismo - DN Destaque

Especiais

Recuar
Avançar
TSF Superbrand - DN destaque
BT Edições Multimédia
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Justifica-se pagar 1500 euros para garantir médicos nas urgências no Natal e Ano Novo?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper