Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


BERNARDO PIRES DE LIMA

Liderança espacial

por BERNARDO PIRES DE LIMA  

Times Square encheu-se para assistir à aterragem em Marte. Para muitos este é o "momento espacial" da sua geração, o equivalente à missão lunar de 1969. Os EUA provam que o alto índice de fracassos das missões a Marte não é uma fatalidade, que vale a pena investir na NASA, em engenharia, tecnologia e ciência. Sobretudo mostram quem é o país mais bem preparado para a competição espacial, um campeonato mundial paralelo onde se joga o estatuto, o prestígio, a visão e a força tecnológica vanguardista das grandes potências e das aspirantes a tal. Do ponto de vista da Casa Branca, esta foi uma missão de excelência, perícia e poder. Do ponto de vista dos americanos, a doutrina divide-se: uns recuperam o estrelado sonho americano, outros discutem a pertinência do investimento. No final de contas, tira Obama algum benefício eleitoral de tudo isto? É provável que pouco. Tirando o sinal de perseverança e liderança global, a única vantagem será fixar um eleitor de classe média ligado às universidades, ciência, investigação, em Estados próximos da indústria espacial (Florida, Califórnia, Novo México ou Oklahoma). Mas sobretudo o que esta missão pode desencadear é a chegada a outro patamar de competição entre grandes potências. A Rússia tem fracassado as suas missões, a última da quais em janeiro. Em Moscovo, para lá dos desastres militares frequentes com material obsoleto, falhar a competição espacial é mais um sintoma de declínio. A China precisa de evoluir tecnologicamente, o que implicará investimento e tempo. A Índia já tem uma missão agendada para novembro de 2013, plano que é descrito oficialmente como "o projeto de demonstração tecnológica", mais uma prova necessária da sua ascensão e poder. Não é só em Terra que os equilíbrios entre potências se travam - nem todos necessariamente conflituais. Marte juntou-se à festa.


Patrocínio
 
4754Visualizações
22Impressões
3Comentários
12Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
RELACIONADO
 
FERREIRA FERNANDES

Como se fossem o primeiro-ministro dos resultados fantásticos e o ministro do sucesso económico, Passos e Pires Lima têm chamado madraça à Grécia. E outro ministro, Marques Guedes, recorreu à fábula: "A...

PAULO PEREIRA DE ALMEIDA

A vitória do Syrisa, o partido de coligação de esquerda (composto por cerca de trinta grupos entre os quais se encontram os ecologistas e os eurocomunistas) nas eleições gregas, significa que - perante...

FERNANDA CÂNCIO

Baixar os impostos, aumentar rendimentos e ainda assim não ter nenhum problema com isso. É um conto de crianças. Não existe." Passos, sobre vitória do Syriza nas eleições gregas, 26/1/15


Base das Lajes: Hibernação Artificial

por José Filipe Pinto, jofipinto@gmail.com

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais





PUB
NOS ConferênciaPrémioInovaçãoNOS - DN Destaque

Especiais

Recuar
Avançar
PEPE Jornadas Empreendedorismo Turismo - DN Destaque
BT Edições Multimédia
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Deputados e vereadores devem ser impedidos de exercer advocacia?

Sim
Apenas os deputados
Apenas os vereadores
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper