Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


LEONÍDIO PAULO FERREIRA

Aprenda uma lição de vida com uma rapariga afegã

por LEONÍDIO PAULO FERREIRA  

A arma mais eficaz para esconder os belos olhos rasgados das hazaras é a burca. Mas não se pense que impondo o mais opressivo dos véus islâmicos os talibãs se davam por satisfeitos na sua sanha contra a minoria xiita afegã, bem identificável pelos traços mongóis. Contra os homens, o terror era a regra, com execuções filmadas para assustar e fazer fugir do país, onde vivem há séculos, esses descendentes das hordas de Gengis Cão. Percebe-se porque aplaudiram os hazaras a invasão americana de 2001 e o fim do regime do mullah Omar.

Hoje, metade dos alunos da Universidade de Cabul serão dessa etnia, que porém não representa mais do que 15% dos 30 milhões de afegãos. E as raparigas abundam, mas sem burcas azuis, apenas um lenço branco a cobrir os cabelos. É mais do que óbvio que os hazaras estão a aproveitar a presença das tropas estrangeiras para escapar às velhas perseguições e intrometer-se nas elites intelectuais.

Quem já viu o filme O Menino de Cabul (ou leu o livro) terá tido uma ideia do tradicional desprezo que os outros afegãos dão aos de origem mongol. Sobretudo os pastunes, a etnia maioritária, muçulmanos sunitas com rostos a recordar que na Ásia Central os persas se misturaram um dia com os soldados gregos de Alexandre.

No século XIX, houve até um rei afegão que declarou a guerra santa aos hazaras, vistos como hereges. E durante o século XX, os poucos da comunidade que se arriscavam a deixar as suas terras no centro do Afeganistão, o Hazarajat, não iam além de criados nas casas da nobreza pastune ou tajique de Cabul.

Cercados de hostilidade, os hazaras não tinham nada a perder com a mudança. Por isso muitos se deixaram seduzir pelo comunismo, outros pelo khomeinismo triunfante no vizinho Irão. Mas acabaram como grupo, a exemplo das outras etnias, a combater o regime marxista e os seus aliados soviéticos. Nas fações de mujaedines que, vitoriosas em 1992, se dedicaram a combater entre si também havia uma dos hazaras. E se alguém perdeu com a ascensão dos talibãs em 1996, foram eles. Que esperar de gente que destruiu a tiros de canhão os budas de Bamiyan para apagar a memória dos tempos pré-islâmicos? Bamiyan fica no Hazarajat e nunca as estátuas gigantes tinham incomodado.


Ler Artigo Completo(Pág.1/2) Página seguinte
Patrocínio
 
4591Visualizações
14Impressões
6Comentários
1Envio
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
FERREIRA FERNANDES

João Miguel Tavares julga que por olhar muitas vezes para uma mulher a consegue engravidar. Ora, o indício de um interesse não garante a prova do teste positivo. Ontem, defendeu, no Público, que os "fazedores...

FERNANDA CÂNCIO

Felícia Cabrita, 22 de novembro de 2014, TVI: "Estamos a falar de corrupção, toda a gente percebe. Este dinheiro tem a ver apenas com este período em que José Sócrates [JS] esteve à frente do país, de...

JOEL NETO

Visitamos os últimos amigos antes do regresso, e os comentários são os mesmos do primeiro dia: estamos com um ar magnífico, sereno, saudável. Eu passei o ano a trabalhar quase ininterruptamente durante...

PAULO PEREIRA DE ALMEIDA

Uma das questões que se podem levantar com os recentes acontecimentos nos Estados Unidos da América (EUA) relativamente à atuação da polícia é, uma vez mais, a de tentar perceber se a polícia é racista...


O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais
Comentar

Se tem conta, faça Login

Email

Password







PUB

Especiais

Recuar
Avançar
Coleção DN 150 anos - DN Destaque
BT Edições Multimédia
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Como classifica a entrevista do primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, ontem à RTP?

Muito boa
Boa
Medíocre

Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper