Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


LEONÍDIO PAULO FERREIRA

Aprenda uma lição de vida com uma rapariga afegã

por LEONÍDIO PAULO FERREIRA  

A arma mais eficaz para esconder os belos olhos rasgados das hazaras é a burca. Mas não se pense que impondo o mais opressivo dos véus islâmicos os talibãs se davam por satisfeitos na sua sanha contra a minoria xiita afegã, bem identificável pelos traços mongóis. Contra os homens, o terror era a regra, com execuções filmadas para assustar e fazer fugir do país, onde vivem há séculos, esses descendentes das hordas de Gengis Cão. Percebe-se porque aplaudiram os hazaras a invasão americana de 2001 e o fim do regime do mullah Omar.

Hoje, metade dos alunos da Universidade de Cabul serão dessa etnia, que porém não representa mais do que 15% dos 30 milhões de afegãos. E as raparigas abundam, mas sem burcas azuis, apenas um lenço branco a cobrir os cabelos. É mais do que óbvio que os hazaras estão a aproveitar a presença das tropas estrangeiras para escapar às velhas perseguições e intrometer-se nas elites intelectuais.

Quem já viu o filme O Menino de Cabul (ou leu o livro) terá tido uma ideia do tradicional desprezo que os outros afegãos dão aos de origem mongol. Sobretudo os pastunes, a etnia maioritária, muçulmanos sunitas com rostos a recordar que na Ásia Central os persas se misturaram um dia com os soldados gregos de Alexandre.

No século XIX, houve até um rei afegão que declarou a guerra santa aos hazaras, vistos como hereges. E durante o século XX, os poucos da comunidade que se arriscavam a deixar as suas terras no centro do Afeganistão, o Hazarajat, não iam além de criados nas casas da nobreza pastune ou tajique de Cabul.

Cercados de hostilidade, os hazaras não tinham nada a perder com a mudança. Por isso muitos se deixaram seduzir pelo comunismo, outros pelo khomeinismo triunfante no vizinho Irão. Mas acabaram como grupo, a exemplo das outras etnias, a combater o regime marxista e os seus aliados soviéticos. Nas fações de mujaedines que, vitoriosas em 1992, se dedicaram a combater entre si também havia uma dos hazaras. E se alguém perdeu com a ascensão dos talibãs em 1996, foram eles. Que esperar de gente que destruiu a tiros de canhão os budas de Bamiyan para apagar a memória dos tempos pré-islâmicos? Bamiyan fica no Hazarajat e nunca as estátuas gigantes tinham incomodado.


Ler Artigo Completo(Pág.1/2) Página seguinte
Patrocínio
 
4633Visualizações
14Impressões
6Comentários
1Envio
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
ALBERTO GONÇALVES

Há longos anos que a UE treme ante a perspectiva de um partido de extrema-direita chegar ao poder de um dos seus Estados membros. Se tal acontecesse, garantiam-nos que seria o Apocalipse - e isto nas visões...

PAULO BALDAIA

Éo povo mas é também o demónio. E não é apenas uma questão da origem das palavras, povo em grego, demónio em latim e as duas coisas ao mesmo tempo em todas as línguas com que se faz a União Europeia. Redescobrimos...

PEDRO MARQUES LOPES

"O juiz, depois do procurador Rosário Teixeira ter pedido a prisão preventiva, afirmou que esta medida de coação, a pecar, não era por excesso." DN de 27/1.

NUNO SARAIVA

Ao contrário do que se passou na Grécia onde o Syriza serviu para agregar vários partidos da extrema-esquerda em torno de um programa e, assim, federar o descontentamento, em Portugal, a esquerda insiste...


O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais




PUB
NOS ConferênciaPrémioInovaçãoNOS - DN Destaque

Especiais

Recuar
Avançar
PEPE Jornadas Empreendedorismo Turismo - DN Destaque
BT Edições Multimédia
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Demonstração de força do Podemos, em Espanha, significa que pode imitar vitória do Syriza?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper