Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


MANUEL MARIA CARRILHO
a boa distância

A crise moral

por MANUEL MARIA CARRILHO  

A FARSA, DEPOIS DA TRAGÉDIA - A pergunta que agora surge nos lábios de toda a gente é pela confiança que resta, depois de tanta trapaça. Não era imprevisível, mas era bem dispensável a nova fase da crise em que assim entrámos, pisando as areias movediças de uma verdadeira crise moral.

Crise que vem agudizar todas as suspeitas que já se alimentavam sobre o poder, reforçando a corrosiva desconfiança com que os cidadãos olham para as suas elites dirigentes - sobretudo políticas, mas também económicas e financeiras - e para o continuado, persistente fracasso da sua ação.

Quando a história se repete, dizia Marx, depois da tragédia vem a comédia. Assim é, mais uma vez. Mas ao transformar a tragédia da licenciatura de José Sócrates numa comédia, Miguel Relvas faz mais: ele banaliza o que ainda assim se supunha excecional, reforçando o dano brutal que tudo isto tem causado ao País. Arrastando assim a classe política para um patamar inédito de descredibilização, como se toda ela se dividisse entre suspeitos e culpados, entre cúmplices e reféns.

Esta farsa evidencia diversos aspetos que mereciam a maior atenção, nomeadamente a bagunça que - com uma ou duas exceções, não mais - tomou conta do ensino universitário privado português, quantas vezes com a cumplicidade bem paga de nomes sonantes do ensino público. Mas o sinal mais aterrador, porque esse é um sinal do futuro que nos espera, é o silêncio quase unânime da classe política, como se nela ninguém fosse já livre de soletrar o que é absolutamente óbvio.

Os perigos que ameaçam a política nunca foram, por isso, tão grandes. Como escreveu no seu magnífico Dicionário Imperfeito Agustina Bessa-Luís, "politizar sem primeiro instruir provoca a intervenção do mais grosseiro rosto dos desejos humanos. Aparece a cupidez e a insolência e por aí adiante". Se não queremos ir por aí adiante, só há um caminho: o de impor rapidamente à política novos critérios de qualificação e de ética.


Ler Artigo Completo(Pág.1/4) Página seguinte
Patrocínio
 
11105Visualizações
49Impressões
72Comentários
18Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 

A tortura

por Tiago Aboim, tiago.aboim.js@gmail.com

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais
Comentar

Se tem conta, faça Login

Email

Password



MANUEL MARIA CARRILHO

O paradigma perdido

por MANUEL MARIA CARRILHO

 

A política faz-se cada vez mais de palavras mágicas, que nada dizem, e de silêncios calculistas, que tudo escondem. Como se na realidade ninguém soubesse já não só o que fazer, mas também o que dizer....


Ver Mais




PUB
PEPE Jornadas Empreendedorismo Turismo - DN Destaque

Especiais

Recuar
Avançar
TSF Superbrand - DN destaque
BT Edições Multimédia
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Concorda com a prova de avaliação aos professores?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper