Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


MANUEL MARIA CARRILHO
a boa distância

A crise moral

por MANUEL MARIA CARRILHO  

A FARSA, DEPOIS DA TRAGÉDIA - A pergunta que agora surge nos lábios de toda a gente é pela confiança que resta, depois de tanta trapaça. Não era imprevisível, mas era bem dispensável a nova fase da crise em que assim entrámos, pisando as areias movediças de uma verdadeira crise moral.

Crise que vem agudizar todas as suspeitas que já se alimentavam sobre o poder, reforçando a corrosiva desconfiança com que os cidadãos olham para as suas elites dirigentes - sobretudo políticas, mas também económicas e financeiras - e para o continuado, persistente fracasso da sua ação.

Quando a história se repete, dizia Marx, depois da tragédia vem a comédia. Assim é, mais uma vez. Mas ao transformar a tragédia da licenciatura de José Sócrates numa comédia, Miguel Relvas faz mais: ele banaliza o que ainda assim se supunha excecional, reforçando o dano brutal que tudo isto tem causado ao País. Arrastando assim a classe política para um patamar inédito de descredibilização, como se toda ela se dividisse entre suspeitos e culpados, entre cúmplices e reféns.

Esta farsa evidencia diversos aspetos que mereciam a maior atenção, nomeadamente a bagunça que - com uma ou duas exceções, não mais - tomou conta do ensino universitário privado português, quantas vezes com a cumplicidade bem paga de nomes sonantes do ensino público. Mas o sinal mais aterrador, porque esse é um sinal do futuro que nos espera, é o silêncio quase unânime da classe política, como se nela ninguém fosse já livre de soletrar o que é absolutamente óbvio.

Os perigos que ameaçam a política nunca foram, por isso, tão grandes. Como escreveu no seu magnífico Dicionário Imperfeito Agustina Bessa-Luís, "politizar sem primeiro instruir provoca a intervenção do mais grosseiro rosto dos desejos humanos. Aparece a cupidez e a insolência e por aí adiante". Se não queremos ir por aí adiante, só há um caminho: o de impor rapidamente à política novos critérios de qualificação e de ética.


Ler Artigo Completo(Pág.1/4) Página seguinte
Patrocínio
 
10974Visualizações
49Impressões
72Comentários
18Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 

A cidade e o nexo*

por Brassalano Graça, licenciado em Jornalismo

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais
Comentar

Caracteres disponíveis: 750

Receber alerta de resposta Aparecer como Anónimo
Lembrar dados pessoais
  • Comentar

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O DN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Receber alerta de resposta - será enviado um alerta para o seu e-mail sempre que houver uma resposta ao seu comentário. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados. Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

Se tem conta, faça Login

Email

Password

Legenda

Utilizador RegistadoUtilizador Registado    Utilizador Não RegistadoUtilizador Não Registado




MANUEL MARIA CARRILHO

O paradigma perdido

por MANUEL MARIA CARRILHO

 

A política faz-se cada vez mais de palavras mágicas, que nada dizem, e de silêncios calculistas, que tudo escondem. Como se na realidade ninguém soubesse já não só o que fazer, mas também o que dizer....


Ver Mais




PUB

Especiais

Recuar
Avançar
BT Edições Multimédia
Epaper
Ocasião/Zaask - Destaque 300x100 DN



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Acha que nestes anos de crise tem vindo a poupar?

Mais
Menos
Ou a mesma coisa
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper