Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


VASCO GRAÇA MOURA

Fradique num dia muito quente

por VASCO GRAÇA MOURA  

Num breve texto que escrevi há anos, "Para um retrato do Eça lá em casa", eu contava como os meus irmãos e eu tínhamos tido um primeiro contacto com muitas páginas do autor de Os Maias (e com outras de Camilo e de mais autores), ouvindo o meu pai e os meus tios dizerem passagens inteiras dos seus livros favoritos, porque as sabiam de cor e lhes dava um enorme gozo repeti-las e chamar a nossa atenção de miúdos para elas.

A mesma coisa tinha acontecido com mais gente da minha idade, como pude verificar um sem-número de vezes ao longo da vida. A geração dos nossos pais crescera no prazer de certas leituras de grandes autores, tinha uma memória intelectual e afectiva bem desenvolvida para essas obras de culto e comprazia-se em saborear as citações que ia fazendo, procurando mostrar como eram flagrantes e bem observadas, a propósito disto ou daquilo.

Uma das passagens que me acompanha desde que me conheço diz respeito a Fradique Mendes, o dândi que fora amigo de Charles Baudelaire e de quem sabemos ter começado por ser uma espécie de heterónimo a quem haviam sido atribuídos os satanistas Poemas do Macadam, da tripla autoria de Eça de Queirós, Antero do Quental e Jaime Batalha Reis. Eça em carta a Oliveira Martins, falando-lhe de um primeiro projecto da Correspondência, descrevia-o dizendo, entre outras coisas, que ele tinha amantes e discutia com elas "a metafísica da voluptuosidade".

O autor textual que apresenta a Correspondênciade Fradique Mendes diz-nos do primeiro encontro com o seu herói, contando como tinha passado a noite anterior a preparar umas frases profundas para cumprimentar o poeta insigne das Lapidárias, tendo "com amoroso cuidado burilado e repolido esta: 'A forma de V. Exa. é um mármore divino com estremecimentos humanos!'". Mas, quando o seu amigo Marcos Vidigal o apresenta a Fradique e este, por sua vez, o convida a subir aos seus aposentos e alude "ao tórrido calor de Agosto", o nosso narrador exclama "- Sim, está de escachar!" e depois não consegue mais do que dizer uma série de vulgaridades grotescas: "E debalde rebuscava desesperadamente uma outra frase sobre o calor, bem trabalhada, toda cintilante e nova! Nada! Só me acudiam sordidezas paralelas, em calão teimoso: "é de rachar!" "está de ananases!" "derrete os untos!...".

Nas tardes de muito calor, lá em casa, quantas vezes ouvi estas frases entre gargalhadas e, mais tarde, quantas vezes as repeti ou ouvi repetir a terceiros, nesse tique adquirido e partilhado de homenagem ao Eça e à sua imensa capacidade de humor e de ironia.


Ler Artigo Completo(Pág.1/2) Página seguinte
Patrocínio
 
4289Visualizações
20Impressões
43Comentários
3Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 

A tortura

por Tiago Aboim, tiago.aboim.js@gmail.com

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais
Comentar

Se tem conta, faça Login

Email

Password



VASCO GRAÇA MOURA

O que seria de nós

por VASCO GRAÇA MOURA

 

As posições contraditórias quanto às eleições europeias e seus resultados sucedem-se no nosso ramerrame politico e mediático. Ninguém se entende, embora seja de supor que os partidos do arco da governação...


Ver Mais




PUB
PEPE Jornadas Empreendedorismo Turismo - DN Destaque

Especiais

Recuar
Avançar
TSF Superbrand - DN destaque
BT Edições Multimédia
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Tensão do Ocidente com a Rússia pode favorecer a Base das Lajes?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper