Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


VIRIATO SOROMENHO MARQUES

No 'limes' constitucional

por VIRIATO SOROMENHO MARQUES  

O acórdão do Tribunal Constitucional (TC) sobre algumas das mais controversas medidas de austeridade do actual governo tem sido apreciado sob vários ângulos, mas parece-me útil destacar o essencial. Todas as críticas ao acórdão, feitas em nome do critério orçamental, esquecem o princípio da separação de poderes, que impede o poder judicial de ser um mero prolongamento da pura lógica da eficácia da acção do executivo. O TC é uma criatura recente na história das democracias representativas. Os norte-americanos foram pioneiros. O seu Supremo Tribunal dotado de poderes de ampla "reapreciação Judicial" (judicial review) dos actos legislativos do Congresso, foi uma inovação tão revolucionária como o sistema federal, ambos consagrados na Constituição dos EUA, elaborada na providencial Convenção de Filadélfia em 1787. Na Europa, vigorou durante mais de um século o princípio jacobino de que se a Constituição é um obstáculo, então, faça-se outra. Foi preciso esperar por Hans Kelsen, e pelo final da I Guerra Mundial, para que os europeus percebessem que a Constituição define uma esfera jurisdicional própria, que não se reduz ao jogo da sucessão das maiorias numéricas, seja no parlamento, seja nas barricadas. Ao contrário dos que advogam a extinção do TC, ou a sua integração noutros tribunais, considero que o acórdão do TC vem recordar-nos que o contrato social do povo português, o nosso compromisso de destino colectivo, ainda é a Constituição de 1976, e o limes que ela coloca ao arbítrio de uma vontade nua, incluindo o arbítrio do directório europeu. O "além da troika", que tem sido a doutrina governativa, não pode sobrepor-se à hierarquia da Lei Fundamental. O acórdão do TC manifesta que a III República está em perigo, mas ainda não morreu.


Patrocínio
 
2215Visualizações
17Impressões
18Comentários
7Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 

A falta de um projeto para o país

por Anacleto Abreu Raimundo, anacleto.invest@gmail.com

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais
Comentar

Se tem conta, faça Login

Email

Password



VIRIATO SOROMENHO MARQUES

Kirov 2.0

por VIRIATO SOROMENHO MARQUES

 

No dia 1 de Dezembro de 1934, no Instituto Smolny, na então Leninegrado, foi assassinado a tiro, enquanto trabalhava no seu gabinete, Serguei Kirov, chefe regional do Partido Comunista da URSS e, na altura...


Ver Mais




PUB
NOS ConferênciaPrémioInovaçãoNOS - DN Destaque

Especiais

Recuar
Avançar
PEPE Jornadas Empreendedorismo Turismo - DN Destaque
Btn EdMultimedia - Geral
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Ministério da Saúde deveria reforçar incentivos a hospitais periféricos?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper