Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


João César das Neves

Justiça e igualdade

por João César das Neves  

O Tribunal Constitucional proibiu o corte do 13.º mês e do subsídio de férias aos funcionários e pensionistas, pe- ça central do programa de austeridade. Esta decisão, gravemente errada, até pode ser benéfica.

Os meritíssimos juízes, no Acórdão n.º 353/12 sobre os artigos 21.º e 25.º da Lei n.º 64-B/2011 de 30/12 (OE de 2012), trataram de matéria jurídica, que conhecem melhor que ninguém. Mas economicamente dizem uma tolice e cometem enorme injustiça. O principal argumento invocado é a violação do princípio da igualdade (II B, III B). Ora, como diz o próprio acórdão, "o princípio da igualdade determina que se trate de forma igual o que é igual e de forma diferente o que é diferente na medida da diferença" (II 12). Mas os funcionários públicos e pensionistas não estão em situação de igualdade com os outros trabalhadores.

Primeiro, enquanto os salários dos sectores produtivos são pagos com produto do seu trabalho, os dos funcionários e pensionistas são pagos pelos impostos dos primeiros. Tudo o que consumimos vem exclusivamente do nosso produto nacional, obtido apenas nas empresas. Os serviços públicos, até os válidos e úteis, são alimentados com a colecta fiscal sobre esse produto. Isso, não só mostra que invocar a igualdade não faz sentido, mas até recomenda prudência, pois se o tal princípio mal aplicado estrangular fiscalmente as empresas, desaparece o valor que nos alimenta a todos.

Em segundo lugar, quando se fala em igualdade é preciso considerar a totalidade dos sacrifícios, não apenas parte. Ao longo dos últimos anos (a crise começou em 2008, senão logo em 2001) as empresas privadas têm sofrido múltiplas reduções de salários e regalias, ou até a sua eliminação total, por falência ou despedimento. A crise foi causada por erros públicos e privados, mas as empresas há muito pagaram os seus, enquanto a administração assistia impávida e até complicava. Entre os 820 mil desempregados não existe um único funcionário público ou pensionista. Em tudo isso o Tribunal nunca invocou a tal igualdade. Agora quando o sector público é finalmente chamado a partilhar os sofrimentos, vêm os juízes, que também são funcionários, falar em violação do princípio da igualdade. Podem saber muito de Constituição, mas não se preocupam com a mais elementar justiça.

Apesar das falácias e erros, o Acórdão tem a possibilidade de ser positivo, se finalmente levar o Governo às medidas que resolveriam a crise. Porque o corte dos subsídios pouco contribui para tratar as nossas dificuldades. Trata-se de um expediente rápido, justificado apenas pela emergência em que o País se encontrava há um ano. O remédio foi súbito, mas apenas transitório, para dar tempo à solução duradoura.


Ler Artigo Completo(Pág.1/2) Página seguinte
Patrocínio
 
9489Visualizações
61Impressões
142Comentários
6Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
PEDRO MARQUES LOPES

Não, não é sinal do bom funcionamento da democracia que um ex-primeiro--ministro seja acusado de corrupção. Como seria um fortíssimo indício de que o sistema está com graves problemas se um ex-primeiro-ministro...

VIRIATO SOROMENHO-MARQUES

Hannah Arendt colocava os jornalistas entre as profissões que servem a procura da verdade. A verdade mais simples e menos sofisticada, por isso mesmo a verdade mais essencial. A verdade dos factos. Sei...

JOAO CÉSAR DAS NEVES

Não perguntem o que o vosso país pode fazer por vós, perguntai o que podeis fazer pelo vosso país." Esta frase célebre do presidente americano John Kennedy no discurso de posse, a 20 de Janeiro de 1961...

FERREIRA FERNANDES

Há dias, um jornalista sobre Sócrates em Paris: "Ele ia dia sim, dia não à Lipp..." Na cervejaria Lipp o prato poulet fermier rôti grand maître custa 22,50 euros. É muito? Será. Mas aconselho a não se...

ADRIANO MOREIRA

Os acontecimentos recentes, em que se destacam a decapitação de serviços fundamentais do Estado, e portanto a intervenção do poder judicial que tem, além das questões de responsabilidades de interventores...

ALBERTO GONÇALVES

A revolta com que, em certos meios, se reagiu à prisão de um homem e a "surpresa" que, pelos vistos, lhe está associada sugerem que falamos do Papa Francisco ou, sei lá, do roupeiro do Sporting.


O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais
Comentar

Se tem conta, faça Login

Email

Password



JOAO CÉSAR DAS NEVES

Iniciativa legislativa

por JOAO CÉSAR DAS NEVES

 

Não perguntem o que o vosso país pode fazer por vós, perguntai o que podeis fazer pelo vosso país." Esta frase célebre do presidente americano John Kennedy no discurso de posse, a 20 de Janeiro de 1961...


Ver Mais




PUB

Especiais

Recuar
Avançar
Coleção DN 150 anos - DN Destaque
BT Edições Multimédia
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

A eliminação do Benfica das competições europeias vai obrigar o clube a vender jogadores em janeiro?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper