Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


Alberto Gonçalves

O conhecimento do 'dr.' Relvas

por Alberto Gonçalves  

Após ler alguns comentários à minha crónica da semana passada, percebi os argumentos dos que em tempos defendiam a rectidão da licenciatura de José Sócrates e agora acham a licenciatura de Miguel Relvas um escândalo. Segundo parece, ambos os casos são (preparem-se) "incomparáveis".

E são incomparáveis porquê? Uma corrente de pensamento limita-se a dizer: porque sim, leia-se porque gostam do "eng." Sócrates e não gostam do "dr." Relvas, ou porque gostam do PS e não gostam do PSD, ou, no fundo, apenas porque sim. Uma segunda corrente, mais sofisticada, elabora um bocadinho e explica que o "eng." Sócrates concluiu a maior parte das disciplinas do seu curso, enquanto o "dr." Relvas não terá concluído quase nenhuma.

Assim apresentada, a tese faz certo sentido, sobretudo se, a título de exemplo e a pretexto de galhofa, lhe acrescentarmos as equivalências académicas que o "dr." Relvas obteve após dirigir uma agremiação folclórica (na acepção literal: não se trata do PSD) e se, para evitar complicações, lhe subtrairmos o facto de que, ao que corre por aí, uma determinada quantidade das disciplinas que o "eng." Sócrates tão brilhantemente realizou não existirem à data da passagem dele por elas.

Mas se não formos fanáticos das luminárias citadas e não ganharmos em fugir da questão, a questão é: há favorecimentos aceitáveis e favorecimentos inaceitáveis? Ou: duas trapaças com objectivos idênticos devem suscitar juízos de valor distintos? Ou ainda: em que medida é que um mentiroso num cargo de poder é preferível a outro mentiroso num cargo de poder?

Dito isto, e tal como o caso Relvas não legitima o "eng." Sócrates, o caso Sócrates não serve para desculpar o "dr." Relvas. É evidente que metade das poucas-vergonhas com que semanalmente o "dr." Relvas nos brinda bastaria para que pedisse a demissão. É evidente que a lealdade do primeiro-ministro ao homem que lhe entregou o cargo condena o Governo ao ridículo e ao descrédito. É evidente que um Governo reduzido a tema de anedotas constitui a última coisa de que um país falido e dependente carece. É evidente que os portugueses dispensam a sede de conhecimento do "dr." Relvas, visto que, até pelos precedentes do género, já o conhecem de sobra.


Ler Artigo Completo(Pág.1/5) Página seguinte
Patrocínio
 
14172Visualizações
35Impressões
90Comentários
6Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais
Comentar

Se tem conta, faça Login

Email

Password



ALBERTO GONÇALVES

Sócrates, um epitáfio

por ALBERTO GONÇALVES

 

A revolta com que, em certos meios, se reagiu à prisão de um homem e a "surpresa" que, pelos vistos, lhe está associada sugerem que falamos do Papa Francisco ou, sei lá, do roupeiro do Sporting.


Ver Mais




PUB

Especiais

Recuar
Avançar
Coleção DN 150 anos - DN Destaque
BT Edições Multimédia
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Como classifica a entrevista do primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, ontem à RTP?

Muito boa
Boa
Medíocre

Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper