Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


Alberto Gonçalves

O conhecimento do 'dr.' Relvas

por Alberto Gonçalves  

Após ler alguns comentários à minha crónica da semana passada, percebi os argumentos dos que em tempos defendiam a rectidão da licenciatura de José Sócrates e agora acham a licenciatura de Miguel Relvas um escândalo. Segundo parece, ambos os casos são (preparem-se) "incomparáveis".

E são incomparáveis porquê? Uma corrente de pensamento limita-se a dizer: porque sim, leia-se porque gostam do "eng." Sócrates e não gostam do "dr." Relvas, ou porque gostam do PS e não gostam do PSD, ou, no fundo, apenas porque sim. Uma segunda corrente, mais sofisticada, elabora um bocadinho e explica que o "eng." Sócrates concluiu a maior parte das disciplinas do seu curso, enquanto o "dr." Relvas não terá concluído quase nenhuma.

Assim apresentada, a tese faz certo sentido, sobretudo se, a título de exemplo e a pretexto de galhofa, lhe acrescentarmos as equivalências académicas que o "dr." Relvas obteve após dirigir uma agremiação folclórica (na acepção literal: não se trata do PSD) e se, para evitar complicações, lhe subtrairmos o facto de que, ao que corre por aí, uma determinada quantidade das disciplinas que o "eng." Sócrates tão brilhantemente realizou não existirem à data da passagem dele por elas.

Mas se não formos fanáticos das luminárias citadas e não ganharmos em fugir da questão, a questão é: há favorecimentos aceitáveis e favorecimentos inaceitáveis? Ou: duas trapaças com objectivos idênticos devem suscitar juízos de valor distintos? Ou ainda: em que medida é que um mentiroso num cargo de poder é preferível a outro mentiroso num cargo de poder?

Dito isto, e tal como o caso Relvas não legitima o "eng." Sócrates, o caso Sócrates não serve para desculpar o "dr." Relvas. É evidente que metade das poucas-vergonhas com que semanalmente o "dr." Relvas nos brinda bastaria para que pedisse a demissão. É evidente que a lealdade do primeiro-ministro ao homem que lhe entregou o cargo condena o Governo ao ridículo e ao descrédito. É evidente que um Governo reduzido a tema de anedotas constitui a última coisa de que um país falido e dependente carece. É evidente que os portugueses dispensam a sede de conhecimento do "dr." Relvas, visto que, até pelos precedentes do género, já o conhecem de sobra.


Ler Artigo Completo(Pág.1/5) Página seguinte
Patrocínio
 
14196Visualizações
35Impressões
90Comentários
6Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
ADRIANO MOREIRA

A questão da ameaça do ébola não pode deixar de lembrar dois acontecimentos, que Stark reuniu, pelas causas e pelos efeitos, que foram a peste negra e a chamada Pequena Idade do Gelo, ambos factos marcantes...

JOÃO CÉSAR DAS NEVES

No período decisivo de meados de 2011 a meados de 2013 os dramas foram inúmeros, mas dois estiveram na raiz de tudo: o financeiro e o económico. Sob a responsabilidade do primeiro-ministro, dois economistas...

JOEL NETO

Ao jantar, comemos um coração-de-negro. Partimo-lo em cubos grosseiros e demo-lo a provar ao Melville também. Depois, ficámos em silêncio.

FERREIRA FERNANDES

Com tanta série americana, já deu para sabermos onde fica Peshawar. De vez em quando, nas séries, lá vai um agente da CIA visitar o mercado de Peshawar, vestes largas e barba... Na vida real, esses agentes...


Tabus

por Dario F. Ruivo, Seixal (darioruivo@gmail.com)

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais
Comentar

Se tem conta, faça Login

Email

Password



ALBERTO GONÇALVES

O misterioso caso do país que progrediu

por ALBERTO GONÇALVES

 

As entrelinhas da alta finança são para mim tão insondáveis quanto os enredos dos filmes policiais (nos livros do género nem toco). Após quinze minutos já não faço ideia de que morreu a vítima, se a vítima...


Ver Mais




PUB
PEPE Jornadas Empreendedorismo Turismo - DN Destaque

Especiais

Recuar
Avançar
TSF Superbrand - DN destaque
BT Edições Multimédia
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Concorda com a proibição de José Sócrates dar entrevistas à comunicação social?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper