Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


Pedro Marques Lopes

Às tantas

por Pedro Marques Lopes  

No discurso sobre o estado da nação, o primeiro-ministro propôs ao PS que ajudasse o Governo a elaborar o Orçamento do Estado para 2013 e que os socialistas participassem nas reuniões, em que se fará a quinta revisão do memorando de entendimento, com a troika. Houve quem visse nestes convites uma proposta pública de entendimento com vista à formação de uma coligação.

À primeira vista poderia parecer que quem assim o entendeu estaria a cometer um exagero interpretativo. Para que diabo um Governo com maioria absoluta, que passa a vida a dizer que será inflexível no rumo escolhido, que tem tido no Partido Socialista uma espécie de silencioso parceiro de coligação, havia de convidar os socialistas para elaborar o mais importante instrumento político, a peça onde se reflectem as opções políticas, ideológicas e o caminho que se defende para o País? São, de facto, perguntas sem uma resposta evidente. O que leva a que a interpretação de que houve mesmo um convite não seja assim tão exagerada.

Há vários elementos que ajudam a dar razão a quem pensa que, às tantas, Passos Coelho está mesmo interessado em fazer uma coligação com os socialistas.

Em busca da legitimação perdida, seria o mote dessa coligação. É que não restem dúvidas: cumprir a meta de 4,5% de défice é absolutamente vital para o Governo.

Não será fácil explicar aos portugueses que todos os sacrifícios foram em vão. Que tiveram de suportar uma brutal subida de impostos, que muitos ficaram sem emprego, que milhares de empresas faliram, que, em resumo, o País ficou pior para rigorosamente nada. O discurso político do Governo resume-se ao controlo do défice, se não o consegue controlar não lhe resta discurso nenhum, terá de criar outro, e, nesse caso, qualquer coisa teria de mudar ou ser acrescentada. Não, uma remodelação governamental não chegará para mudar a mais que certa sensação de engano que os portugueses sentirão.


Ler Artigo Completo(Pág.1/3) Página seguinte
Patrocínio
 
6694Visualizações
15Impressões
37Comentários
3Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
PAULO BALDAIA

Se não fosse grave, a conspiração que o primeiro-ministro grego diz existir para derrubar o seu governo dava um bom guião para um filme de Hollywood. Tsipras não se fica pelas meias palavras, não acusa...

PEDRO MARQUES LOPES

1 A discussão sobre se estamos melhor ou pior do que há quatro anos diz-me muito pouco. Não era, evidentemente, possível continuar no trajeto que estava a ser seguido, sobretudo por razões que transcendem...

VIRIATO SOROMENHO MARQUES

No dia 1 de Dezembro de 1934, no Instituto Smolny, na então Leninegrado, foi assassinado a tiro, enquanto trabalhava no seu gabinete, Serguei Kirov, chefe regional do Partido Comunista da URSS e, na altura...

ALBERTO GONÇALVES

Não é novidade que os partidos têm um discurso radical para "dentro" e outro suave para "fora". Mas isso não explica o que hoje sucede com boa parte da oposição, que misteriosamente apenas critica o Governo...


A falta de um projeto para o país

por Anacleto Abreu Raimundo, anacleto.invest@gmail.com

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais
Comentar

Se tem conta, faça Login

Email

Password



PEDRO MARQUES LOPES

A estratégia "agora é a minha vez"

por PEDRO MARQUES LOPES

 

1 A discussão sobre se estamos melhor ou pior do que há quatro anos diz-me muito pouco. Não era, evidentemente, possível continuar no trajeto que estava a ser seguido, sobretudo por razões que transcendem...


Ver Mais




PUB
NOS ConferênciaPrémioInovaçãoNOS - DN Destaque

Especiais

Recuar
Avançar
PEPE Jornadas Empreendedorismo Turismo - DN Destaque
Btn EdMultimedia - Geral
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Ministério da Saúde deveria reforçar incentivos a hospitais periféricos?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper