Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


LEONÍDIO PAULO FERREIRA

Esperemos que Obama trate da saúde a Romney

por LEONÍDIO PAULO FERREIRA  

Duas gémeas adolescentes sem seguro médico porque tiveram leucemia aos quatro anos. Este é só um dos absurdos que vão desaparecer graças à reforma do sistema de saúde proposta por Barack Obama. A qual vai avançar mesmo, depois de o Supremo Tribunal dos Estados Unidos ter decidido que garantir a todos o direito à medicina não contraria o espírito da Constituição.

É uma vitória para o Presidente democrata, mas que não lhe garante a reeleição dentro de quatro meses, apesar dos aplausos de meia América. O seu rival republicano promete revogar a lei se conquistar a Casa Branca.

Mitt Romney espera assim mobilizar a direita americana, que na sua obsessão contra a intervenção do Estado abomina a introdução de um serviço nacional de saúde que é regra nos países desenvolvidos desde o final da Segunda Guerra Mundial (os pioneiros até foram os britânicos, pelo que nada tem que ver com teimosias anglo-saxónicas como a milha em vez do quilómetro).

Os pobres e os idosos estão protegidos na América pelos programas estatais Medicaid e Medicare. E a maior parte dos trabalhadores negoceia com o patrão um seguro de saúde. Mas o problema é que 30 milhões de americanos não se integram nas categorias anteriores, o que significa um décimo da população sem assistência médica garantida.

Tirando uns quantos que descuram o seguro de saúde, a grande maioria dos desprotegidos é gente a quem a empresa não oferece a regalia, não ganha suficiente para pagar por si próprio e não é tão pobre que possa recorrer ao Medicaid. A estes somam-se os casos de a quem é rejeitado o seguro devido aos antecedentes, como o caso das meninas Ritter citado pelo The Times (a imprensa londrina foi das que mais saudaram a decisão do Supremo, notando que, com metade dos gastos por cidadão, os britânicos batem os americanos em termos de saúde. Os portugueses podem reclamar ainda melhor rácio.)


Ler Artigo Completo(Pág.1/2) Página seguinte
Patrocínio
 
3718Visualizações
19Impressões
17Comentários
1Envio
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
FERREIRA FERNANDES

Houve alternância na Nigéria, o presidente perdeu as eleições e aceitou a decisão das urnas - e isso é bom. Goodluck Jonathan, o presidente que perdeu, alimentou um regime corrupto - e ter sido castigado...

VIRIATO SOROMENHO-MARQUES

O grande pensador da história que foi Arnold Toynbee (1889-1975) notava que o abuso da força militar pode ser um sinal, não do vigor, mas da decadência dos impérios. Há escassos anos apenas, os EUA lançaram...

JOEL NETO

Então, porque não podemos viver de outra maneira, escrevemos. E cai--nos o cabelo e apodrecem-nos os dentes, como dizia Flannery O"Connor.


União Europeia: mil e uma razões para falhar

por Rui Alexandre Ramos, deveza.rui@gmail.com

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais





PUB
NOS ConferênciaPrémioInovaçãoNOS - DN Destaque

Especiais

Recuar
Avançar
PEPE Jornadas Empreendedorismo Turismo - DN Destaque
Continente UVA D'OURO 2015 DN 300x100
Btn EdMultimedia - Geral
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

PSD e CDS fazem bem em avançar coligados para as eleições legislativas?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper