Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


VIRIATO SOROMENHO-MARQUES
opinião

Demasiado cedo para celebrar

por VIRIATO SOROMENHO-MARQUES  

O mais parecido que existe com uma vítima do pessimismo é uma vítima do otimismo. Em ambos os casos, troca-se a realidade pela sua representação falseada. Num caso pelo receio. No outro pela inflação de expetativas positivas. Para todos os que exultaram (e com razão) ao ver que, pela primeira vez numa Cimeira da Zona Euro, não foi a chanceler Merkel a dar todas as cartas, é conveniente um pouco de prudência na análise dos resultados. Foi bom ter visto Monti e Rajoy recordarem a Berlim que Roma e Madrid, juntas, têm um PIB maior do que o da Alemanha, e que, quando não há valores nem regras - como é o caso na atual deriva europeia -, é preciso respeitar a força nua. Mas agora é tempo de meditar no que as conclusões da Cimeira trazem, efetivamente, para o desenho do futuro. Nos quatro lacónicos parágrafos das conclusões, a expressão mais repetida (três vezes) é a de "Memorando de Entendimento". Isso significa que não há almoços grátis, nem para italianos nem para espanhóis. No caso da banca, o comunicado faz depender o financiamento direto por parte do MEE da conclusão do processo de constituição de um mecanismo europeu de supervisão bancária, no âmbito do BCE (o que não acontecerá antes de 2013). Mais, mesmo que o capital emprestado aos bancos não aumente a dívida pública, a verdade é que o Estado ficará responsável por ela, pois a condicionalidade imposta pode estender-se ao "conjunto da economia". Para italianos e espanhóis, a possibilidade de os fundos europeus (FEEF e MEE) atuarem no mercado das obrigações, para além de ser algo que já estava previsto desde o final de 2011, não resolve a exiguidade dos meios financeiros, assim como a pouca vontade de o BCE voltar a atuar energicamente no mercado da dívida. Se as medidas de curto prazo se perfilam num manto de neblina, as de longo prazo nem sequer se vislumbram. Nem uma palavra sobre euro-obrigações. Nada também sobre o roteiro para uma União política. Chegada de Bruxelas, Merkel teve de enfrentar um Bundestag impaciente. Sossegou-o, reafirmando que o rumo estratégico de Berlim se mantém. Tudo indica que, assente a poeira, a crise continua em regime agónico.


Patrocínio
 
1932Visualizações
33Impressões
12Comentários
5Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 

Portugal não é a Baviera

por Vítor Colaço Santos, cyntrascrita@hotmail.com

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais

VIRIATO SOROMENHO MARQUES

2017: a contagem decrescente

por VIRIATO SOROMENHO MARQUES

 

Marine Le Pen tem todos os motivos para estar satisfeita. Quando se caminha para "a conquista do poder", como ela própria o confessa, esta etapa regional teve sucesso na medida exata. Consolidou-se uma...


Ver Mais




PUB
NOS ConferênciaPrémioInovaçãoNOS - DN Destaque

Especiais

Recuar
Avançar
Conferência 3º Aniv DV - DN Destaque Évora (Mar2015)
PEPE Jornadas Empreendedorismo Turismo - DN Destaque
Continente UVA D'OURO 2015 DN 300x100
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Como classifica a exibição da Seleção de Portugal frente à Sérvia?

Muito boa
Boa
Suficiente
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper