Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


JOÃO CÉSAR DAS NEVES

Mentalidade pública

por JOÃO CÉSAR DAS NEVES  

Hoje existem várias crises simultâneas e nem sempre as piores são as mais patentes. Temos uma crise financeira. Isso todos sabem. A dívida é alta e há que a pagar. Mais grave é a crise económica. Anos de dinheiro fácil distorceram mecanismos e promoveram actividades espúrias e perdulárias. A correcção desses desvios, que gera o enorme desemprego, vai ser longa e pior que a da dívida.

Estas duas crises são visíveis, motivam a atenção de todos e as políticas do governo e troika. Mais importantes, mas menos debatidas, são as mudanças em comportamentos e regras, abandonando vícios que o longo período de esbanjamento promoveu. A crise de fundo é cultural.

Nesse campo existem duas tarefas, uma acessível, outra penosa. É urgente os portugueses mudarem de hábitos, corrigindo muitos desperdícios e exageros involuntários que os tempos de facilidade suscitaram. Mesmo que a prosperidade regresse, é preciso nunca voltar ao esbanjamento conspícuo dos últimos anos. Além disso, perante a grave recessão, é mesmo urgente cortar coisas importantes. Esta é a famigerada "mudança de mentalidades" que tantos analistas recomendam. Mas tal adaptação, mesmo dolorosa, é fácil de conseguir.

As pessoas reagem a incentivos. Este princípio básico da economia tem como corolário que é rápido transformar os hábitos de um povo quando as circunstâncias mudam. Todos os que se acostumaram a despesas exageradas quando o vento soprava a favor, corrigem logo os orçamentos face às dificuldades. Não há dúvida acerca das terríveis dores que alguma dessa adaptação implica. Mas não é preciso andar a sugerir mudança de mentalidades, porque ela acontece logo e naturalmente.

O que é muito mais difícil de mudar são as mentalidades públicas, rigidamente consagradas em leis, regras e imposições. Os anos de decadência não afectaram apenas os cidadãos. Aliás o seu maior impacto foi nos hábitos do Estado, que se acostumou a manias sumptuárias, exigências mesquinhas, requintes exagerados. Sempre em nome de propósitos meritórios, criaram-se regulamentos minuciosos, quesitos mirabolantes, inspecções obsessivas. Pior, devido à obsessão regulamentar dos tempos modernos, em que tudo tem de ser estatuído legalmente, essa rigidez é tão omnipresente que pode ser fatal. Boa parte dessas obrigações vinha dos países ricos que queríamos imitar, e uma grande fatia até era imposta por directivas comunitárias. Se uma burocracia nacional pode ser imbecil, uma burocracia supra-nacional é super-imbecil.


Ler Artigo Completo(Pág.1/2) Página seguinte
Patrocínio
 
5328Visualizações
48Impressões
64Comentários
5Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
JOEL NETO

1 Não me parece que devamos centrar a leitura dos dados de audiências relativos a programas com apresentador ou pivô, elencados há dias pela Marktest, no potencial audimétrico dos respetivos profissionais...

FERREIRA FERNANDES

O jornal francês Le Monde faz 70 anos em dezembro e, já neste verão, tem-nos apresentado uma série de textos sobre si próprio. Eles farão parte parte de um livro, a publicar em breve, sobre "a história...

ANSELMO BORGES

O mundo não é igual para todos. O mundo visto a partir de uma grande metrópole não coincide com o que se vê a partir do campo. Uma família feliz e uma família desgraçada não olham para o mundo do mesmo...

FILOMENA MARTINS

Portugal é o País das Comissões e dos Grupos de Trabalho (PCGT). Não há Governo que não os use para estudar e produzir aconselhamento sobre todo e qualquer assunto. O atual tem criado um novo a cada...

JOÃO MARCELINO

1 A detenção de Ricardo Salgado para prestar declarações como arguido, suspeito do cometimento de vários crimes fiscais e financeiros, é um momento importante para a sociedade portuguesa. No futuro se...


A cidade e o nexo*

por Brassalano Graça, licenciado em Jornalismo

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais
Comentar

Caracteres disponíveis: 750

Receber alerta de resposta Aparecer como Anónimo
Lembrar dados pessoais
  • Comentar

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O DN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Receber alerta de resposta - será enviado um alerta para o seu e-mail sempre que houver uma resposta ao seu comentário. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados. Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

Se tem conta, faça Login

Email

Password

Legenda

Utilizador RegistadoUtilizador Registado    Utilizador Não RegistadoUtilizador Não Registado




JOÃO CÉSAR DAS NEVES

Dissimulação

por JOÃO CÉSAR DAS NEVES

 

Grande paradoxo é o alheamento das gerações face aos dramas que as assolam. Celebrando o centenário da Grande Guerra, os 70 anos do desembarque na Normandia, os 40 do 25 de Abril e os 25 da queda do Muro...


Ver Mais




PUB

Especiais

Recuar
Avançar
Continente UVA D'OURO 2014 DN 300x100
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Concorda com a formação de turmas de nível, que separam os bons dos maus alunos?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper