Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


ALBERTO GONÇALVES
Dias contados

A segunda morte de Anne Frank

por ALBERTO GONÇALVES  

Por estes dias, estreou-se em Telavive um espectáculo de dança inspirado pelo Diário e pela vida de Anne Frank. O facto, aparentemente trivial, torna-se notícia quando se sabe que o espectáculo começou por ser concebido na Venezuela para exibição local e foi proibido por ordem de Hugo Chávez, que "sugeriu" aos coreógrafos a troca do tema pelo do "sofrimento palestiniano". Perante a recusa, as autoridades revolucionárias lá do sítio fecharam a companhia, que acabou por se transferir para Israel.

Não é a primeira vez que o régulo de Caracas exibe o seu anti-semitismo. Em frequentes ocasiões, a criatura teve oportunidade de perorar sobre a "ameaça" do "judaísmo internacional" e da comunidade judaica local, cuja antiguidade e cujo papel no apoio a Bolívar não a livraram da inédita perseguição de que vem sendo alvo desde o feliz advento do "chavismo". Entretanto, um país relativamente omisso nessas tendências já assistiu à profanação de sinagogas, à disseminação de graffiti com palavras de ordem comuns na Alemanha de 1933, a ataques de forças policiais a escolas e clubes hebraicos, à proliferação da retórica do ódio na imprensa e nas televisões do regime, à distribuição oficiosa de edições dos Protocolos dos Sábios do Sião, à formação de uma filial latina do Hezbollah e, claro, às diatribes do próprio Chávez contra "aqueles que crucificaram Cristo".

Se os media costumam deixar claríssima a relação entre o ódio aos judeus e a extrema-direita, são pouco propensos a mostrar idêntica disposição na extrema-esquerda. No entanto, a disposição existe desde Marx, o típico self-hating jew que, se evidentemente não a criou, consagrou a identificação do judaísmo com o capitalismo, de que só o movimento comunista - como antes Cristo, mais um judeu desavindo face à tribo - nos poderia resgatar. Decidido a tornar-se uma fé no lugar da fé, e apesar da significativa presença judaica na sua génese, o marxismo cuidou de preservar o inimigo comum. E os marxistas preservam a herança.

Chávez é apenas um exemplo célebre e historicamente recorrente desta peculiar forma de anti-semitismo. Inúmeros exemplos obscuros encontram-se, por exemplo e para não sairmos da actualidade, na inequívoca alegria com que a esquerda internacional recebeu a chamada Primavera Árabe. Para consumo dos simples, é de bom-tom afirmar que os revoltosos da Praça Tahrir e similares derrubaram uma ordem ditatorial. O que não convém dizer é que sempre a quiseram substituir por outra menos simpática para com o Ocidente, a América e, sobretudo, Israel, e que é isso o que se celebra.

Não importa que, em quase tudo, os sublevados do Norte de África pratiquem o inverso do que os comunistas do lado de cá em teoria defendem: importa a aversão que ambos alimentam pelo materialismo libertino e progressista que define a nossa civilização, e que os judeus justa ou injustamente personificam. Fogueira com eles? Fogueira connosco. Afinal, não devia ser novidade que a mítica libertação de todos os povos implica a opressão de, no mínimo, um deles. E que os assassinos de Anne Frank possuem hoje curiosos aliados.


Ler Artigo Completo(Pág.1/3) Página seguinte
Patrocínio
 
6876Visualizações
27Impressões
48Comentários
0Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 

A cidade e o nexo*

por Brassalano Graça, licenciado em Jornalismo

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais
Comentar

Caracteres disponíveis: 750

Receber alerta de resposta Aparecer como Anónimo
Lembrar dados pessoais
  • Comentar

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O DN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Receber alerta de resposta - será enviado um alerta para o seu e-mail sempre que houver uma resposta ao seu comentário. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados. Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

Se tem conta, faça Login

Email

Password

Legenda

Utilizador RegistadoUtilizador Registado    Utilizador Não RegistadoUtilizador Não Registado




ALBERTO GONÇALVES

Remédio santo

por ALBERTO GONÇALVES

 

Às primeiras chuvas, Lisboa desapareceu sob as águas. Às segundas chuvas também. Perante a maçada, o que fez o presidente da câmara? António Costa, encarregado da redenção nacional por alguma opinião publicada...


Ver Mais




PUB

Especiais

Recuar
Avançar
BT Edições Multimédia
Epaper
Ocasião/Zaask - Destaque 300x100 DN



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Como é que PSD e CDS devem concorrer às próximas legislativas?

Coligados
Separados
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper