Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


JOÃO LOPES
Entre as imagens

A televisão do futebol e dos berros

por JOÃO LOPES  

Um dos mais belos interditos do cinema clássico estipula a impossibilidade de cruzamento dos olhares de personagens e espectadores. Em termos simples: o ator não deve olhar para a câmara. É uma interdição ambígua que um mestre como Alfred Hitchcock foi pervertendo através dos seus enigmáticos planos subjetivos: recordemos o divertimento trágico que é Janela Indiscreta (1954) ou ainda a assombrada teia de olhares do inquietante Psico (1960). Mais tarde, cineastas como Ingmar Bergman ou Jean-Luc Godard transformaram tudo isso numa arte de desafiar as certezas de todos os olhares. Recorde-se o exemplo do genial Persona (1966), em que Bergman filma Bibi Andersson e Liv Ullmann como reflexo uma da outra, num jogo de espelhos que não pode deixar de implicar o espectador.

Nos tempos que correm, o conceito dominante de televisão tem-se encarregado de destruir essa admirável disponibilidade para discutir as imagens do mundo, seus mistérios, ambivalências e silêncios. Como? De forma metódica e quotidiana, marginalizando o cinema. Mas também promovendo o voyeurismo grosseiro de apanhados e reality shows em todas as suas frentes de expressão, incluindo a informação.

Recentemente, em particular através de algumas reportagens (portuguesas, espanholas, etc.) do Euro 2012, deparámos com a consagração de um novo tipo de figurante televisivo. É o cidadão feliz com a sua própria decomposição humana: assim que vê uma câmara de televisão, desata aos pulos e aos gritos. Normalmente, surge em grupos mais ou menos caóticos, mas o comportamento é sempre idêntico: berrar para a câmara parece confundir-se com a proclamação de uma identidade de deprimente (e deprimida) nostalgia infantil. Quando um repórter dirige alguma pergunta a um desses cidadãos, a resposta é quase sempre uma expressão rude, a tender para a utopia do monossílabo: "Aaargh!", "Vitória!", "Portugal!" Percebemos também que as televisões tomam a sério esta pornografia mediática do disparate, uma vez que, não poucas vezes, há quem nos diga coisas como: "Fomos auscultar as reações dos portugueses..."

Esperar que, um dia destes, possamos encontrar Bergman em horário nobre é um pouco como acreditar que um especulador de madeira de eucalipto possa vir a fundar uma associação de proteção do pinhal de Leiria... Em todo o caso, vale a pena dizer que este estado de coisas reflete uma militante deseducação das imagens (e para as imagens). No fundo, reduz-se o olhar de uma câmara à procura do pitoresco mais ou menos grosseiro, ao mesmo tempo que se proclama o cidadão como protagonista obrigatório do assassinato da sua própria inteligência.

Formular a possibilidade de desligar a câmara seria um primeiro passo simbólico para (re)discutirmos a responsabilidade inerente à produção de qualquer imagem. Infelizmente, esse é um drama moral que só ao cinema parece interessar.


Patrocínio
 
2782Visualizações
8Impressões
3Comentários
2Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
FERREIRA FERNANDES

Não conheço a Guiné Equatorial e não gosto do que lá se passa. O "e" copulativo da frase anterior parece contraditório mas não é. Chega-me saber o que sei dela: não escolheria o seu Presidente para meu...

MANUEL MARIA CARRILHO

Excesso, desmesura, descontrolo, desvario ou, numa simples palavra grega, húbris. O grego antigo tem esta extraordinária capacidade de nos dar uma constelação de sentidos, de sugestões e de ideias numa...

VIRIATO SOROMENHO MARQUES

Se a Europa tivesse respeitado as suas comunidades judaicas, Israel nunca teria saído das páginas da obra de Theodor Herzl, O Estado Judeu (1896). Se a intelectuali-dade judaica, a mesma que encheu a Europa...

JOEL NETO

As primeiras personalidades indicadas para o conselho geral da RTP parecem-me, no geral, bem escolhidas. Assim como - repito - me parece bem a criação do órgão, visto que, manifestamente, uma administração...


A cidade e o nexo*

por Brassalano Graça, licenciado em Jornalismo

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais
Comentar

Caracteres disponíveis: 750

Receber alerta de resposta Aparecer como Anónimo
Lembrar dados pessoais
  • Comentar

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O DN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Receber alerta de resposta - será enviado um alerta para o seu e-mail sempre que houver uma resposta ao seu comentário. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados. Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

Se tem conta, faça Login

Email

Password

Legenda

Utilizador RegistadoUtilizador Registado    Utilizador Não RegistadoUtilizador Não Registado




JOÃO LOPES

Entre Griffith e Minnelli

por JOÃO LOPES

 

Não é fácil lidar com o cinema de James Gray. Por uma razão que, sendo de natureza formal, acaba por ser contratual. Neste sentido: construir um filme - em boa verdade, qualquer narrativa, nem que seja...


Ver Mais




PUB

Especiais

Recuar
Avançar
Continente UVA D'OURO 2014 DN 300x100
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Acha que a Guiné Equatorial devia fazer parte da CPLP?

Sim
Não
Só se adotar o português como língua principal
Só depois de dar garantias de que respeita os direitos humanos
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper