Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


JOÃO MARCELINO

O federalismo e os cidadãos

por JOÃO MARCELINO  

1. Na Europa, hoje, a reboque das crescentes dificuldades, faz caminho a ideia do federalismo. A sul, pela necessidade de receber. A norte, pela obrigação de ainda dar. Todos unidos pela sobrevivência da moeda euro, cuja morte deixou de ser apenas uma possibilidade teórica e pode acontecer tanto às mãos de uma saída forçada como de uma opção planeada. Entre o desastre grego ou a falta de paciência de um país do Norte, como a Finlândia, o caos financeiro pode mesmo acontecer. Não há "boas notícias" pontuais, como as que saíram das cimeiras de Bruxelas, ontem celebradas pelos mercados, que desde já eliminem o perigo do horizonte. Esta é uma realidade para ser vivida por bastante tempo, enquanto continuar o braço de ferro entre as contrapartidas e as ajudas, de que fala Merkel.

2. As contrapartidas são, a médio prazo, a integração orçamental, o caminhar para um ministério das finanças federal com uma política fiscal comum, antes da mutualização da dívida, venha a ter a forma que tiver, respaldar as necessidades de financiamento das economias do Sul da Europa.

A questão tem estado a ser evitada de frente pelos líderes políticos, mas, mais tarde ou mais cedo, colocar-se-á de forma muito concreta e em todos os países envolvidos no euro: até que ponto os cidadãos de todos eles, dos que mais pagam aos que mais recebem, estão solidários com este caminho? A necessidade chama - mas os cidadãos querem? Os políticos exigem - mas o povo vota? Os financeiros precisam - mas a cultura subscreve?

3. Em Portugal, há muito tempo que deveria ter havido um referendo sobre a União e o euro. Os partidos do arco do poder sempre o evitaram. Nunca quiseram admitir que o aprofundar do federalismo precisa de ser legitimado pelos cidadãos e não pode ser, apenas, um esforço de políticos e banqueiros perante a necessidade conjuntural que eles próprios criaram.

Em Portugal, o PSD quer. O CDS, também. O PS, igualmente. E nunca, no entanto, se atreveram a perguntar aos cidadãos, que em grande maioria neles tem votado, se querem caminhar no sentido de uma perda de soberania, tal como ela era vista no passado. E nunca o quiseram por cálculo eleitoral, por receio de enfrentar as margens do sistema.


Ler Artigo Completo(Pág.1/2) Página seguinte
Patrocínio
 
3799Visualizações
18Impressões
25Comentários
0Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 

Pode a ética salvar a Grécia e a Europa?

por António Mendes, aam.mendes4@gmail.com

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais

JOÃO MARCELINO

A culpa do Ocidente

por JOÃO MARCELINO

 

1. Abundam as provas de que no Norte do Iraque e da Síria está a acontecer um terrível genocídio. O assassínio do cidadão norte-americano James Foley, jornalista, mostrado ao mundo de forma sádica, é infelizmente...


Ver Mais




PUB
NOS ConferênciaPrémioInovaçãoNOS - DN Destaque

Especiais

Recuar
Avançar
Conferência 3º Aniv DV - DN Destaque Évora (Mar2015)
PEPE Jornadas Empreendedorismo Turismo - DN Destaque
Continente UVA D'OURO 2015 DN 300x100
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Companhias de aviação low cost são menos seguras que as convencionais?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper