Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


JOÃO MARCELINO

O federalismo e os cidadãos

por JOÃO MARCELINO  

1. Na Europa, hoje, a reboque das crescentes dificuldades, faz caminho a ideia do federalismo. A sul, pela necessidade de receber. A norte, pela obrigação de ainda dar. Todos unidos pela sobrevivência da moeda euro, cuja morte deixou de ser apenas uma possibilidade teórica e pode acontecer tanto às mãos de uma saída forçada como de uma opção planeada. Entre o desastre grego ou a falta de paciência de um país do Norte, como a Finlândia, o caos financeiro pode mesmo acontecer. Não há "boas notícias" pontuais, como as que saíram das cimeiras de Bruxelas, ontem celebradas pelos mercados, que desde já eliminem o perigo do horizonte. Esta é uma realidade para ser vivida por bastante tempo, enquanto continuar o braço de ferro entre as contrapartidas e as ajudas, de que fala Merkel.

2. As contrapartidas são, a médio prazo, a integração orçamental, o caminhar para um ministério das finanças federal com uma política fiscal comum, antes da mutualização da dívida, venha a ter a forma que tiver, respaldar as necessidades de financiamento das economias do Sul da Europa.

A questão tem estado a ser evitada de frente pelos líderes políticos, mas, mais tarde ou mais cedo, colocar-se-á de forma muito concreta e em todos os países envolvidos no euro: até que ponto os cidadãos de todos eles, dos que mais pagam aos que mais recebem, estão solidários com este caminho? A necessidade chama - mas os cidadãos querem? Os políticos exigem - mas o povo vota? Os financeiros precisam - mas a cultura subscreve?

3. Em Portugal, há muito tempo que deveria ter havido um referendo sobre a União e o euro. Os partidos do arco do poder sempre o evitaram. Nunca quiseram admitir que o aprofundar do federalismo precisa de ser legitimado pelos cidadãos e não pode ser, apenas, um esforço de políticos e banqueiros perante a necessidade conjuntural que eles próprios criaram.

Em Portugal, o PSD quer. O CDS, também. O PS, igualmente. E nunca, no entanto, se atreveram a perguntar aos cidadãos, que em grande maioria neles tem votado, se querem caminhar no sentido de uma perda de soberania, tal como ela era vista no passado. E nunca o quiseram por cálculo eleitoral, por receio de enfrentar as margens do sistema.


Ler Artigo Completo(Pág.1/2) Página seguinte
Patrocínio
 
3744Visualizações
18Impressões
25Comentários
0Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 

A pobreza na União Europeia

por João Nobre, joaonobre_1988@hotmail.com

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais
Comentar

Se tem conta, faça Login

Email

Password



JOÃO MARCELINO

A culpa do Ocidente

por JOÃO MARCELINO

 

1. Abundam as provas de que no Norte do Iraque e da Síria está a acontecer um terrível genocídio. O assassínio do cidadão norte-americano James Foley, jornalista, mostrado ao mundo de forma sádica, é infelizmente...


Ver Mais




PUB

Especiais

Recuar
Avançar
Coleção DN 150 anos - DN Destaque
BT Edições Multimédia
Epaper
Ocasião/Zaask - Destaque 300x100 DN (Pintura) (22-24Nov)



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Como classifica a atuação da justiça portuguesa nos últimos meses?

Muito boa
Boa
Média

Muito má
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper