Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


BERNARDO PIRES DE LIMA
Análise

'Obamacare'

por BERNARDO PIRES DE LIMA  

Será que a "deserção" republicana entre juízes do Supremo Tribunal dará a margem que Obama precisa para levar uma campanha mais tranquila e uma reeleição mais segura? A votação pela constitucionalidade da reforma da saúde tem o condão de retirar a sensação de ilegalidade ao megaplano de saúde que reinava nos últimos meses. Neste sentido, é um alívio para os Democratas e permite cumprir uma etapa histórica do seu programa social: a inserção (por obrigatoriedade legal) de mais de trinta milhões de americanos no sistema de saúde. Há, evidentemente, um cálculo eleitoral nisto tudo, mas mais relevante do que isso é o compromisso com a narrativa do partido nas últimas décadas. Isto não significa que os americanos não estejam divididos com a imposição do Estado federal sobre a liberdade individual. É neste impulso genético norte-americano que o Tea Party se alavancou e que o republicanismo clássico assenta a maioria das suas políticas públicas. Só que a "deserção" do juiz nomeado por George W. Bush mostra bem como este vai ser um tema difícil de gerir para a campanha de Romney. Por um lado, verá o Tea Party regressar ao debate com grande probabilidade de o liderar, obrigando Romney a segui-lo. Isto traz divisões dentro do partido, sobretudo afastando os moderados. Por outro, encosta novamente às cordas as opções de Romney enquanto senador do Massachusetts, autor de reforma da saúde próxima do Obamacare. Estamos por isso de regresso a uma dupla clivagem no debate político: entre as duas campanhas e entre os partidários de Romney. As duas favorecem Obama. Quer isto dizer que Obama não vai enfrentar problemas com a aplicação das mais de duas mil e quinhentas páginas da reforma? Claro que vai. O Supremo atribui ao Congresso poder coercivo (multando) ao incumprimento da subscrição do seguro de saúde. Um poder que será contestado, na prática, pelos Estados e por alguns dos seus representantes. Há lutas intemporais na política.


Patrocínio
 
5600Visualizações
29Impressões
2Comentários
13Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 

Os naufrágios no Mediterrâneo

por Ricardo Pereira, ricardopereira.enf@gmail.com

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais

BERNARDO PIRES DE LIMA

Parada alta

por BERNARDO PIRES DE LIMA

 

Podemos acusar David Cameron de muita coisa, mas não de fugir às paradas altas. O "tudo ou nada" na UE é tremendamente arriscado, porque, falhando o propósito que penso ser o de Cameron (a manutenção do...


Ver Mais



NOTÍCIAS Mais VISTAS
btn Banco Popular - DN Destaque

Especiais

Recuar
Avançar
PEPE Jornadas Empreendedorismo Turismo - DN Destaque
Continente UVA D'OURO 2015 DN 300x100
Btn EdMultimedia - Geral
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Corrupção na FIFA: Joseph Blatter deveria demitir-se e adiar as eleições de sexta-feira?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper