Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


ANDRÉ MACEDO

Nem que a vaca tussa

por ANDRÉ MACEDO  

Já são 39% os alemães que desejam abandonar o euro, 28% os italianos, 26% os franceses e 24% os espanhóis. Esta sondagem, citada pelo Corriere della Sera, não se maçou em ouvir portugueses, gregos e irlandeses. Para quê ouvi-los, já estão de joelhos e não contam um caracol, não é? Estão de mão estendida. Até os gregos, os mais imprevisíveis deste trio de falidos, baixaram a bolinha nas últimas eleições. Nem no futebol foram longe. Ganhou a poderosa e irritante Merkel.

Ela irrita, sim, mas hoje e amanhã vamos ter de a aturar. Não há alternativa. O Conselho Europeu (mais um) promete novidades, soluções, novos planos da pólvora e uma (mais uma) pomadinha especial para aliviar as cruzes da Zona Euro. Como sempre, a agonia repete-se. Os líderes seguem para a reunião inchados de boa vontade: é desta, agora é que é. No fim, um enorme flop, aliás fácil de antecipar. Mario Monti, o velho tecnocrata italiano, exibiu ontem o habitual coração de ouro transalpino. Que se lixem portugueses, gregos e irlandeses. O que importa é que Itália e Espanha consigam que o fundo europeu de estabilidade possa comprar dívida destes dois honrados países sempre que for preciso - ou seja, quando os juros começarem a subir. Troika? Austeridade? Isso é para os pobres, os ultraperiféricos, não para a terceira e quarta potências (?) da moeda única.

E o que pensa disto François Hollande? Não pensa, deseja ardentemente. Deseja as famosas eurobonds como quem pede uma imperial e uns tremoços só para início de conversa. Venha lá a mutualização da dívida e logo se vê, diz ele. É um mãos-largas este francês. Hollande devia entender uma coisa: as eurobonds serão - a serem, um dia, qualquer coisa - o fim do processo, não o início. União bancária, integração orçamental (ou seja, partilha efetiva de soberania) e, finalmente, eurobonds. A ordem é esta, não outra. Não porque a Alemanha o exija, embora seja esse o caso, mas porque é o que faz sentido. Só assim a distribuição do risco é aceitável, não um suicídio coletivo. Uma espécie de morte a crédito. Até lá, portanto, há assuntos concretos a discutir. Vamos ter um ministro das Finanças europeu? Como? Quando?

É uma pena que a maioria dos deputados não entenda que o problema não está nesta figura (aliás, inevitável; eu diria até: bem-vinda) mas nos mecanismos de eleição e controlo deste governo supranacional. Numa altura como esta, em que o sentimento anti-UE aumenta, o processo de aprofundamento tem de ser visível, não pode ser clandestino. Não pode ser de cima (Alemanha) para baixo: tem de ser pensado e defendido em conjunto. Não se trata apenas de garantir o controlo centralizado das finanças públicas, mas também de assegurar as transferências Norte--Sul de riqueza que permitam a construção de uma Europa mais equilibrada. Se não for assim, então 39% dos alemães têm razão: o euro deve acabar. Nem que a vaca tussa ou que alguém, digamos, faleça pelo caminho.


Patrocínio
 
8415Visualizações
25Impressões
25Comentários
6Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
PAULO BALDAIA

Se não fosse grave, a conspiração que o primeiro-ministro grego diz existir para derrubar o seu governo dava um bom guião para um filme de Hollywood. Tsipras não se fica pelas meias palavras, não acusa...

PEDRO MARQUES LOPES

era, evidentemente, possível continuar no trajeto que estava a ser seguido, sobretudo por razões que transcendem muito as escolhas políticas locais. O impacto que a crise teve nas economias mais desprotegidas...

VIRIATO SOROMENHO MARQUES

No dia 1 de Dezembro de 1934, no Instituto Smolny, na então Leninegrado, foi assassinado a tiro, enquanto trabalhava no seu gabinete, Serguei Kirov, chefe regional do Partido Comunista da URSS e, na altura...

ALBERTO GONÇALVES

Não é novidade que os partidos têm um discurso radical para "dentro" e outro suave para "fora". Mas isso não explica o que hoje sucede com boa parte da oposição, que misteriosamente apenas critica o Governo...


A falta de um projeto para o país

por Anacleto Abreu Raimundo, anacleto.invest@gmail.com

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais
Comentar

Se tem conta, faça Login

Email

Password



ANDRÉ MACEDO

O futuro numa pincelada

por ANDRÉ MACEDO

 

1-Ernest Meissonier não está entre os futebolistas escolhidos por Fernando Santos para o seu primeiro jogo como selecionador nacional. Não podia estar. Ele não é português, é francês, não é jogador, é...


Ver Mais




PUB
NOS ConferênciaPrémioInovaçãoNOS - DN Destaque

Especiais

Recuar
Avançar
PEPE Jornadas Empreendedorismo Turismo - DN Destaque
Btn EdMultimedia - Geral
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Ministério da Saúde deveria reforçar incentivos a hospitais periféricos?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper