Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


MANUEL MARIA CARRILHO
a boa distância

Um euro esconde o outro

por MANUEL MARIA CARRILHO  

Se não diz tudo, o futebol diz todavia muito sobre a época que vivemos, nomeadamente sobre o que nela mais persistimos em ignorar. Sobretudo agora que, com a crise que atravessamos, ele faz do euro desportivo uma verdadeira catarse quotidiana do outro euro, monetário, económico e político. O intermitante júbilo que envolve um serve para tentar esconjurar a fatigante depressão que se colou ao outro. Depressão que hoje e amanhã o Conselho Europeu, reunido em Bruxelas, vai - em mais uma "cimeira decisiva" -, garantir que tudo fará para conseguir ultrapassar.

Nestes momentos de intensa futebolização do quotidiano, é indispensável sublinhar algumas ideias, que para mim há muito sintetizam o homo sportivus do nosso tempo. A primeira é que o desporto, e nomeadamente o futebol, se tornou num fenómeno global de índole quase religiosa, que se impõe a todos os povos, os sexos e as idades. Prova disto é o seu domínio do tempo: hoje em dia o calendário desportivo fixa uma liturgia que condiciona quase todas as outras temporalidades, sejam elas sociais, políticas ou escolares

A segunda ideia é que o desporto, ao mesmo tempo que minou os valores a que tradicionalmente se associava (o espírito lúdico, a camaradagem, a valorização pessoal, o respeito pelo adversário, a abnegação, etc.), passou a consagrar um único valor: a performance. Valor que traz consigo uma devastadora lógica mercantilista, de que todos os dias temos múltiplos exemplos, que excedem a mais fértil das imaginações.

Foi assim que o desporto, concebido como um singular contacto entre povos diversos, histórias autónomas, pessoas diferentes, tradições específicas ou valores contrastantes, praticamente desapareceu. E desapareceu justamente devido à sua consagração como prática massificadora, que o tornou cada vez mais inseparável do culto da cupidez, do dinheiro fácil, do sucesso que não olha a meios, da matriz de irresponsabilidade impune, fatores que têm conduzido as nossas sociedades aos tremendos problemas que hoje vivemos.

Seria pois bom que - como já uma vez escrevi - se pensasse a sério "na sociedade que se está a construir, quando os exemplos que se incensam até ao delírio são os de indivíduos que vivem numa abracadabrante ostentação, como se fossem deuses de um novo circo, gastando dezenas de milhares de euros numa noite de discoteca, exibindo um permanente carrossel de "scort girls" de luxo, circulando em automóveis de centenas de milhares de euros que estoiram sem um ai. Ao mesmo tempo que, na maior parte dos casos, raramente são capazes de uma iniciativa filantrópica, de um projeto mecenático, de um gesto solidário. Ou, mesmo, quantas vezes, de uma simples frase com sentido..."


Ler Artigo Completo(Pág.1/3) Página seguinte
Patrocínio
 
5519Visualizações
55Impressões
31Comentários
17Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
FERNANDA CÂNCIO

Na segunda-feira à noite, o humorista Jon Stewart fez um sketch sobre o conflito israelo-palestiniano: começava a falar e mal dizia a palavra "Israel" aparecia uma série de pessoas aos gritos a invetivá-lo...

NUNO AZINHEIRA

Os nomes que já se conhecem para o Conselho Geral Independente da RTP, Simonetta Luz Afonso, João Lopes, Manuel Pinto e Ana Lourenço, são de qualidade acima de qualquer suspeita. Homens e mulheres que...

JOSÉ MANUEL PUREZA

A LP da CP já era. Não, esta crónica não é sobre discos de vinil nem sobre comboios. É sobre uma organização internacional e sobre o sentido da sua existência.

PAULO PEREIRA DE ALMEIDA

Numa recente entrevista a um canal de televisão de informação, um dos principais humoristas portugueses - Herman José - criticava de forma velada a governação do Partido Social Democrata (PSD), concretamente...

FERREIRA FERNANDES

Há coisas que custam a engolir mas, pronto, tenho de aceitar. Eu já não tinha gostado da PJ a vasculhar os papéis nas minhas duas salas no Hotel Palácio, mas lá aceitei. Depois, quando o juiz me avisou...


A cidade e o nexo*

por Brassalano Graça, licenciado em Jornalismo

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais
Comentar

Caracteres disponíveis: 750

Receber alerta de resposta Aparecer como Anónimo
Lembrar dados pessoais
  • Comentar

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O DN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Receber alerta de resposta - será enviado um alerta para o seu e-mail sempre que houver uma resposta ao seu comentário. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados. Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

Se tem conta, faça Login

Email

Password

Legenda

Utilizador RegistadoUtilizador Registado    Utilizador Não RegistadoUtilizador Não Registado




MANUEL MARIA CARRILHO

Ilusões do ilimitado

por MANUEL MARIA CARRILHO

 

Excesso, desmesura, descontrolo, desvario ou, numa simples palavra grega, húbris. O grego antigo tem esta extraordinária capacidade de nos dar uma constelação de sentidos, de sugestões e de ideias numa...


Ver Mais




PUB

Especiais

Recuar
Avançar
Continente UVA D'OURO 2014 DN 300x100
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Acredita que Ricardo Salgado vai ter um julgamento justo?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper