Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


BERNARDO PIRES DE LIMA
análise

Condições para Hollande

por BERNARDO PIRES DE LIMA  

Nunca a abstenção foi tão elevada em legislativas na V República. Esta é a primeira linha de análise: 42% em contraste com os 19% das recentes presidenciais. Há a perceção que o sistema está centrado no Eliseu e que o Parlamento se limita a dar consequência legislativa às intenções do Presidente. As presidenciais esvaziaram de tal forma o argumentário eleitoral que nada restou para motivar a adesão às urnas: nem o PS foi além do reforço às políticas de Hollande, nem a UMP foi capaz de se erguer sem Sarkozy. Assim, no curto espaço de cinco anos, o centro-direita maioritário passou para os valores da esquerda e esta está a uma semana de alcançar a maioria desejada por Hollande. Pelo meio, a ascensão da FN de 4% para 14% cimentou-a como terceira força nacional, embora valha menos do que a senhora Le Pen (18%) e o sistema não lhe vá conceder mais que meia dezena de deputados. A segunda linha de análise prende-se com as condições de governabilidade de Hollande. A legitimidade das suas políticas sai fortalecida se todos os membros do Governo forem eleitos deputados, o que não está longe de acontecer. Este é um ponto importante, tendo em conta que a validação popular confere cobertura política às difíceis medidas que o Governo tomará para cumprir os 3% de défice em 2013, responder à auditoria das contas públicas prevista para julho e congelar algumas promessas eleitorais. Este exemplo devia ser debatido e valorizado: cada vez mais os membros dos Governos precisam de reforçar a sua legitimidade democrática e não o inverso. Ter, como em Portugal, mais ministros nomeados (4) do que eleitos por um dos partidos da coligação (3) é perverso do ponto de vista democrático. A crise que passamos vergou os governos a funcionários internacionais e hiperburocratizou as democracias. Não precisa que cortemos o oxigénio que alimenta a máquina.


Patrocínio
 
4139Visualizações
32Impressões
2Comentários
10Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
LEONÍDIO PAULO FERREIRA

Reagan, que fez 70 anos três semanas após tomar posse, costumava brincar com a idade dos interlocutores soviéticos. Dizia que não se aguentavam no cargo. Mas Brejnev morreu com 75 anos, Andropov com 69...

Joel Neto

Em Dezembro andamos ao Menino-Mija. Menos angustiada com as matérias da estética, a província guarda destas rudezas antigas, até que elas se tornam jocosas, depois apenas tristonhas e finalmente encantadoras...

FERREIRA FERNANDES

Em 2005, no Estádio Heysel, inaugurou-se um monumento simples, 39 lâmpadas e um poema escrito no mármore. Lembrava-se uma tragédia de vinte anos. O poema é célebre, "Funeral Blues", do inglês W. H. Auden.


A (suposta) descida do desemprego em Portugal

por Vítor Colaço Santos, cyntrascrita@hotmail.com

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais
Comentar

Se tem conta, faça Login

Email

Password



Bernardo Pires de Lima

Teoria e prática

por Bernardo Pires de Lima

 

Depois da imigração, Cuba. Não é só o voto latino que leva Obama a colocar estes temas no topo da agenda política antes que um Congresso ainda mais hostil tome posse a 6 de janeiro. É o facto de estes...


Ver Mais




PUB
PEPE Jornadas Empreendedorismo Turismo - DN Destaque

Especiais

Recuar
Avançar
TSF Superbrand - DN destaque
BT Edições Multimédia
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Tensão do Ocidente com a Rússia pode favorecer a Base das Lajes?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper