Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


BERNARDO PIRES DE LIMA
análise

A Europa para a Rússia

por BERNARDO PIRES DE LIMA  

Rússia e UE têm agenda bilateral preenchida. Síria, vistos e relações económicas mostrarão o estado da relação: frio, calculista, tático. A UE quer que Moscovo ajude a cumprir a solução política síria e o moribundo plano Annan. Mas perante a intransigência de Putin será menos evidente que a UE facilite a liberalização de vistos de curta duração, abrindo a circulação empresarial russa ou a emigração, cuja ilegalidade é receio em Bruxelas. Contudo, é mais importante um braço de ferro do que a ausência de diálogo. Parte da Europa é condicionada pela política energética russa e uma grande parte da ação externa russa tem em conta o continente europeu.

Desde o fim da Guerra Fria que Moscovo nutre pelo Ocidente bem mais natofobia que eurofobia. A perceção de ameaça releva a chegada de Washington às suas fronteiras, através dos alargamentos da NATO, sendo a relação com a UE mais equilibrada. O petróleo e o gás são recursos eficazes e têm feito o seu caminho: evitam a unanimidade europeia e arregimentam membros poderosos como Alemanha, Itália ou França. Ou seja, Moscovo tem tentado dividir europeus e afastá-los dos EUA. Putin elevou a fasquia juntando-se a Paris e Berlim na guerra do Iraque; Medvedev até apresentou um "Tratado de Segurança Europeia" para russificar a Europa, procurando fragilizar o seu vínculo atlântico. Até hoje, não o conseguiram.

Este mandato de Putin vai pragmatizar a política europeia da Rússia. Condicionando-a (South Stream está em marcha), mas em equilíbrio com a prioridade asiática. Primeiro, via reforço da União Eurasiática (Bielorrússia, Cazaquistão e demais stans). Segundo, via Organização de Xangai (China e stans) com fornecimento energético e investimentos militares. Neste quadro global a UE é cada vez mais o império do meio. É por isso que deve reforçar o vínculo com Washington e não enfraquecê-lo.


Patrocínio
 
4873Visualizações
26Impressões
2Comentários
6Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
LEONÍDIO PAULO FERREIRA

Esqueça os tibetanos e os tuaregues. O maior povo sem Estado são os curdos, 30 milhões (na maioria muçulmanos sunitas) espalhados por Turquia, Iraque, Irão e Síria. Mas mesmo tão numerosos, e dotados para...

JOEL NETO

Foi aquele animal que me permitiu aproximar-me da minha sobrinha. Eu ainda vivia em Lisboa e, estando cá de férias, nem sempre encontrava a linguagem certa para comunicar com ela. Até que, uma tarde, a...

VIRIATO SOROMENHO MARQUES

Ninguém pode acusar Schäuble de falta de coerência. Depois de esmagada a rebelião helénica, eis que se propõe enfraquecer ainda mais a Comissão Europeia (CE). É uma proposta duplamente ofensiva. Primeiro...


O dono disto tudo

por Vítor Colaço Santos, cyntrascrita@hotmail.com

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais

BERNARDO PIRES DE LIMA

Batemos no fundo

por BERNARDO PIRES DE LIMA

 

Nós, europeus, batemos no fundo. Temos sido incapazes e incompetentes para influenciar positivamente as fontes da atual vaga migratória, das guerras na Síria, Iraque, Líbia, Somália e Afeganistão, às perseguições...


Ver Mais




PUB

NOTÍCIAS Mais VISTAS

Continente UVA D'OURO 2015 DN 300x100
Btn EdMultimedia - Geral



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

A um ano dos Jogos Olímpicos, o atletismo fica descredibilizado com as suspeitas de doping?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper