Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


BERNARDO PIRES DE LIMA
análise

A Europa para a Rússia

por BERNARDO PIRES DE LIMA  

Rússia e UE têm agenda bilateral preenchida. Síria, vistos e relações económicas mostrarão o estado da relação: frio, calculista, tático. A UE quer que Moscovo ajude a cumprir a solução política síria e o moribundo plano Annan. Mas perante a intransigência de Putin será menos evidente que a UE facilite a liberalização de vistos de curta duração, abrindo a circulação empresarial russa ou a emigração, cuja ilegalidade é receio em Bruxelas. Contudo, é mais importante um braço de ferro do que a ausência de diálogo. Parte da Europa é condicionada pela política energética russa e uma grande parte da ação externa russa tem em conta o continente europeu.

Desde o fim da Guerra Fria que Moscovo nutre pelo Ocidente bem mais natofobia que eurofobia. A perceção de ameaça releva a chegada de Washington às suas fronteiras, através dos alargamentos da NATO, sendo a relação com a UE mais equilibrada. O petróleo e o gás são recursos eficazes e têm feito o seu caminho: evitam a unanimidade europeia e arregimentam membros poderosos como Alemanha, Itália ou França. Ou seja, Moscovo tem tentado dividir europeus e afastá-los dos EUA. Putin elevou a fasquia juntando-se a Paris e Berlim na guerra do Iraque; Medvedev até apresentou um "Tratado de Segurança Europeia" para russificar a Europa, procurando fragilizar o seu vínculo atlântico. Até hoje, não o conseguiram.

Este mandato de Putin vai pragmatizar a política europeia da Rússia. Condicionando-a (South Stream está em marcha), mas em equilíbrio com a prioridade asiática. Primeiro, via reforço da União Eurasiática (Bielorrússia, Cazaquistão e demais stans). Segundo, via Organização de Xangai (China e stans) com fornecimento energético e investimentos militares. Neste quadro global a UE é cada vez mais o império do meio. É por isso que deve reforçar o vínculo com Washington e não enfraquecê-lo.


Patrocínio
 
4924Visualizações
26Impressões
2Comentários
6Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
JOEL NETO

Há uns anos, ainda vivíamos em Lisboa, pus um alarme nesta casa. Tinha deixado instruções ao rapaz que então me cuidava da propriedade para que pintasse umas portas. A meio da tarefa, foi precisa ajuda...

VIRIATO SOROMENHO MARQUES

Em 1986 conheci um enfermeiro alemão de nome Albrecht. Ele e a sua mulher tinham-se cruzado num campo soviético. Ele foi soldado na frente leste. Ela, a mulher, foi detida por pertencer a uma família de...

FERREIRA FERNANDES

Imagem: um menino de borco numa praia. Como se aquele filme maior da nossa compaixão, O Garoto de Charlot, um homem pobre dando a mão a um miúdo, logo à primeira imagem dissesse: "The end." Então, outro...


O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais

BERNARDO PIRES DE LIMA

Os inimigos da Ucrânia

por BERNARDO PIRES DE LIMA

 

A Ucrânia saiu das primeiras páginas, mas os combates não pararam na frente leste. Donbass continua sob fogo cruzado entre separatistas pró-russos e tropas ucranianas, morreram militares e civis, a migração...


Ver Mais




PUB

NOTÍCIAS Mais VISTAS

btn Banco Popular - DN Destaque
Continente UVA D'OURO 2015 DN 300x100
Btn EdMultimedia - Geral



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

A quem atribui maior responsabilidade sobre o drama dos refugiados na Europa?

- Aos governos dos países
- À Comissão Europeia
- À ONU
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper