Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


OSCAR MASCARENHAS
Provedor do leitor

Evocando o papel do DN na luta para a libertaçãode Timor Sol Nascente

por OSCAR MASCARENHAS  

O DN evocou, no final da semana passada, em duas edições, os 10 anos de independência de Timor-Leste, Timor Lorosae em tétum, que quer dizer Timor Sol Nascente. Numa sessão realizada no Auditório do DN, foi projetado o filme Dalan Ba Dame (O Caminho da Paz), de Ian White, feito sob os auspícios da Comissão de Acolhimento Verdade e Reconciliação, criada naquele jovem país após a independência. Na edição do dia 20, evocou-se a data da independência com o testemunho de seis jornalistas do DN que conheceram o país.

Foi um bom serviço prestado ao leitor. Mas soube a pouco. Faltou a afirmação essencial: o DN foi o jornal que mais longa e intensamente manteve viva a chama noticiosa da longa e martirizada luta para a libertação de Timor Sol Nascente. Assim mesmo! A um jornal não compete envergar as vestes catequistas da modéstia e do recato; pelo contrário, tem o dever de alardear de peito cheio aquilo que fez e de que se orgulha, por ter prestado um bom serviço aos seus destinatários. E isso mesmo veio José Ramos-Horta dizer - e agradecer - à Redação do DN, a seguir a ter recebido o Prémio Nobel da Paz, com D. Ximenes Belo, em 1996.

Ao conhecer-se o que o DN noticiou - e como noticiou - da luta de libertação de Timor fica a saber-se qual o papel de Portugal e das suas autoridades nessa saga, e que não primou pela firmeza e constância, antes se entrelaçou com muitas hesitações e hipocrisias.

Se Timor Sol Nascente é hoje livre e independente deve-o, essencialmente: à guerrilha da Fretilin que, resistindo nas montanhas, foi sempre uma espinha cravada no colosso indonésio; à luta dos estudantes nas cidades timorenses, nunca vacilando nos confrontos com o ocupante; ao acolhimento e refúgio encontrado na Igreja católica timorense e na sua palavra insubmissa, muito a contragosto de um sempre embaraçado Vaticano; e à diplomacia exercida pelos representantes no exterior da Fretilin, em especial José Ramos-Horta e Mari Alkatiri, sempre com inequívoco apoio de Moçambique. Foi esta combinação de forças que minou a autoconfiança e a bravata militar indonésia, instabilizou as relações internacionais de Jacarta, ajudou a convulsionar a vida política na Indonésia e forçou a democratização do país, o fim da ditadura e a independência de Timor.

E o DN esteve sempre atento para contar isto tudo. Felizmente, do outro lado do Atlântico, um outro jornal esteve atento, por vezes através do DN, ao que se passava em Timor-Leste: o enorme The New York Times, que não raro retransmitia informações dadas em primeira mão pelo nosso jornal, em regra recolhidas pelo nosso incansável camarada Carlos Albino. Com isso, o NYT constituiu uma importantíssima força de pressão sobre o Congresso e a Casa Branca. E ainda bem.


Ler Artigo Completo(Pág.1/5) Página seguinte
Patrocínio
 
3929Visualizações
15Impressões
0Comentários
1Envio
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais




PUB
NOS ConferênciaPrémioInovaçãoNOS - DN Destaque

Especiais

Recuar
Avançar
PEPE Jornadas Empreendedorismo Turismo - DN Destaque
BT Edições Multimédia
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Pensa que as taxas de juro negativas são boa notícia para as famílias portuguesas?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper