Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


JOSÉ MANUEL PUREZA

O vento mudou

por JOSÉ MANUEL PUREZA  

Não, não é inevitável. Foi essa a mensagem dada à Europa pelos povos de França e da Grécia. Cada um a seu jeito, porque cada um está em sua condição. Não é inevitável a desconstrução da Europa por um fundamentalismo recessivo, disse com clareza o povo francês. Não é inevitável a punição das vidas das pessoas e a humilhação dos povos como redenção da cupidez do sistema financeiro, disseram com clareza os gregos.

A política europeia virou? Não. Mas só o sectarismo mais cego se recusará a reconhecer que as condições do combate político em escala europeia e em escala nacional mudaram no domingo passado. Há uma inequívoca derrotada nas eleições francesas e gregas: a troika e a sua receita estúpida e incompetente para a Europa. O campo dos talibãs da austeridade ficou fragilizado. E se é certo que do novo presidente francês não se ouve a palavra rutura, não é menos certo que no centro do seu compromisso eleitoral estava a renegociação do pacto orçamental imposto por Angela Merkel. Esse vai ser o teste decisivo à intensidade da mudança: ou a social-democracia hoje personificada em François Hollande se queda por uma adenda ao neoliberalismo - que o aceita e não quer mais do que "humanizá-lo" - ou tem a coragem de lhe contrapor com clareza e coragem outra estratégia, outro horizonte e outra cultura económica e política.

Essa é também a escolha que os socialistas portugueses terão que fazer. Que a direção do Partido Socialista tenha alinhado com esta direita na aprovação pacoviamente precoce do pacto orçamental ditado de Berlim - para mais, votando a favor -, retira-lhe todo o crédito que um sábio adiamento da decisão confere agora a Hollande e coloca-a em contradição com a vontade expressa pelo SPD de votar contra o dito pacto. O PASOK, na Grécia, fez o mesmo que Seguro. Os resultados estão á vista. A interpelação de Mário Soares ao seu partido tem, neste contexto, um sentido claro: a radicalidade da crise não se compadece com adendas suavizadoras da austeridade, é precisa outra opção de fundo e ela não se fará sem rutura com o memorando de entendimento com a troika. Não por palavras mas em atos concretos.

O dogma da ilegalização de tudo quanto não seja neoliberalismo-custe-o-que-custar sofreu um sério revés em Paris e Atenas. Cabe agora a todos/as os/as que aspiram a uma mudança efetiva transformar essa derrota do adversário numa vitória própria. Para isso é preciso programa, é preciso firmeza sem transigências no essencial e maleabilidade lúcida no acessório, é preciso ouvir as pessoas e garantir-lhes em concreto a dignidade que lhes está a ser roubada.

A lição dos resultados eleitorais na Grécia é essa mesma. Claro que, aflitos, os amigos do centrão sentenciam o caos causado pela vitória dos "radicais". Como se radicais não tivessem sido as políticas que governaram a Grécia nos últimos dois anos pela mão da troika e do centrão com ela alinhado, como se caos não fosse uma dívida que cresceu para os 180% do PIB depois da intervenção externa, um desemprego que vai nos 22% e um horizonte de pelo menos mais dez anos de agravamento desta descida aos infernos. Não, o que incomoda verdadeiramente os amigos do centrão é que uma esquerda europeísta e por isso mesmo frontalmente contrária à destruição recessiva da Europa passe a ter um reconhecimento social amplo e possa ser vista como precedente de conteúdos de governação alternativos para a União.


Ler Artigo Completo(Pág.1/2) Página seguinte
Patrocínio
 
3384Visualizações
41Impressões
22Comentários
5Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
PEDRO MARQUES LOPES

Não, não é sinal do bom funcionamento da democracia que um ex-primeiro--ministro seja acusado de corrupção. Como seria um fortíssimo indício de que o sistema está com graves problemas se um ex-primeiro-ministro...

VIRIATO SOROMENHO-MARQUES

Hannah Arendt colocava os jornalistas entre as profissões que servem a procura da verdade. A verdade mais simples e menos sofisticada, por isso mesmo a verdade mais essencial. A verdade dos factos. Sei...

JOAO CÉSAR DAS NEVES

Não perguntem o que o vosso país pode fazer por vós, perguntai o que podeis fazer pelo vosso país." Esta frase célebre do presidente americano John Kennedy no discurso de posse, a 20 de Janeiro de 1961...

FERREIRA FERNANDES

Há dias, um jornalista sobre Sócrates em Paris: "Ele ia dia sim, dia não à Lipp..." Na cervejaria Lipp o prato poulet fermier rôti grand maître custa 22,50 euros. É muito? Será. Mas aconselho a não se...

ADRIANO MOREIRA

Os acontecimentos recentes, em que se destacam a decapitação de serviços fundamentais do Estado, e portanto a intervenção do poder judicial que tem, além das questões de responsabilidades de interventores...

ALBERTO GONÇALVES

A revolta com que, em certos meios, se reagiu à prisão de um homem e a "surpresa" que, pelos vistos, lhe está associada sugerem que falamos do Papa Francisco ou, sei lá, do roupeiro do Sporting.


O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais
Comentar

Se tem conta, faça Login

Email

Password



JOSÉ MANUEL PUREZA

Só o salário é mínimo

por JOSÉ MANUEL PUREZA

 

Se os compromissos com os credores fossem mesmo para cumprir - como tanto sublinha quem nos governa - os trabalhadores portugueses já deviam receber 500 euros de salário mínimo desde 2011. Foi esse o compromisso...


Ver Mais




PUB

Especiais

Recuar
Avançar
Coleção DN 150 anos - DN Destaque
BT Edições Multimédia
Epaper
Ocasião/Zaask - Destaque 300x100 DN (Remodelação) (25-26Nov))



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Detenção de José Sócrates vai prejudicar ação política do PS de António Costa?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper