Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


BAPTISTA-BASTOS

E os deveres do Estado?

por BAPTISTA-BASTOS  

Tudo indica que o Governo fez prescrever a sua autoridade legítima e o poder que lhe fora outorgado pelas urnas. Os resultados falhados da concertação social não são mais do que reflexos das exigências da troika. A intransigência governamental (e patronal) obedece a um esquema que parece inabalável, acabando por limitar, e até destruir, os deveres do Estado. Não se trata, na circunstância, de uma questão de luta de classes, nem de uma pluralidade de conceitos. Está em jogo a sobrevivência de um paradigma social e de uma moral política.

A recomposição da Direita está associada ao enfraquecimento da Esquerda. Porém, uma não existe sem a outra. E escapa a ambas o que constituiu a alteração dos circuitos de financiamento. A própria ideia de "economia social" que tentou, timidamente, modificar as regras do "mercado" e alterar o modelo neoliberal que se adivinhava foi escorraçada.

Até agora, não se questiona a verdadeira dimensão da desconstrução social. E a troika, cuja ideologia é de Direita, e, ocasionalmente, de Extrema-Direita, aplica, nos países para aonde é chamada, o mesmo breviário de intenções. Independentemente das características específicas de cada nação e de cada povo, o peso do financiamento externo funciona como uma imposição irretorquível. Quando diz que é preciso, em Portugal, tirar a força ou reduzir a influência dos sindicatos, comete uma injunção insuportável. Infelizmente, o Governo de Passos Coelho não se opõe porque não pode e porque, afinal, a exigência não colide com o seu projecto político.

Ao provocar o afastamento de um dos componentes da concertação, tanto o patronato como o Executivo não se fortalecem. As conflitualidades sociais emergirão com uma fúria que o desespero e a angústia amplamente justificam. E ninguém ganha com a obstinação. Os ventos sopram, no momento, a favor de quem possui uma visão exclusivamente neoliberal do mundo. Mas mesmo essa situação, por temporária que seja, permite-nos reflectir sobre a imoralidade do sistema.

Não sei, nem estou rigorosamente muito interessado em saber quais são os conselheiros de Pedro Passos Coelho. Todavia, pelos efeitos, não são de seguir. A pressão exercida sobre a população portuguesa mais desfavorecida representa uma depreciação do próprio bem comum. O Governo, assim, escudado na "dívida" e nos compromissos assumidos, está a distanciar-se, irremediavelmente, do crédito que lhe foi concedido pelos eleitores. O primeiro-ministro diz que está aberto ao diálogo. É um álibi e o falso argumento de um drama por ele cerzidos.


Ler Artigo Completo(Pág.1/2) Página seguinte
Patrocínio
 
7311Visualizações
74Impressões
0Comentários
30Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
BAPTISTA-BASTOS

O miúdo está a olhar para mim, sem espanto, sem medo, como se o facto de não ter pernas lhe fosse indiferente. A dor e o sofrimento desapareceram-lhe da expressão. Mas os olhos, esses, mantêm uma profundidade...

JOEL NETO

1-A reestruturação dos canais Sport TV vem melhorar a oferta da estação, readequando-a a um mercado em mudança. E vem também confirmar, nas entrelinhas, que não é possível fazer vingar em Portugal o sonho...

FERREIRA FERNANDES

Deve ser por isso que lhe chamávamos "pérfida Albion". Ontem, o Reino Unido pôs-se a discutir banqueiros! O despropósito de discutir banqueiros por estes dias, como se o velho aliado que somos não sentisse...


A cidade e o nexo*

por Brassalano Graça, licenciado em Jornalismo

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais

BAPTISTA-BASTOS

O miúdo sem pernas

por BAPTISTA-BASTOS

 

O miúdo está a olhar para mim, sem espanto, sem medo, como se o facto de não ter pernas lhe fosse indiferente. A dor e o sofrimento desapareceram-lhe da expressão. Mas os olhos, esses, mantêm uma profundidade...


Ver Mais




PUB

Especiais

Recuar
Avançar
BT Edições Multimédia
Continente UVA D'OURO 2014 DN 300x100
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Os seus filhos adolescentes ainda querem fazer férias consigo?

SIM
NÃO
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper