Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


BERNARDO PIRES DE LIMA
análise

Incapacidade BRIC

por BERNARDO PIRES DE LIMA  

Por alturas do escândalo Dominique Strauss-Kahn referi nesta coluna que a liderança do FMI iria passar por uma tremenda competição entre as potências instaladas (EUA e europeus) e as recém chegadas ao grupo dos grandes. A blindagem dos votos dava vantagem às primeiras, mas previa-se uma renhida luta de argumentos públicos e de movimentações nos bastidores de forma a abanar as instituições ocidentais que persistem desde 1945. Em certa medida, essa argumentação chegou a travar-se e o jogo de cadeiras deu-se. Mas a verdade é que ficou aquém das expectativas. A um francês sucedeu uma francesa. Ao poder ocidental numa instituição preponderante como o FMI não se seguiu maior peso das potências emergentes. A pergunta que se coloca é esta: terão assim tanta força política como têm no plano económico?

Pelo exemplo dado na eleição de Christine Lagarde e apoios conquistados a conclusão parece evidente: os BRIC ainda não transformaram poder económico em capacidade para virar politicamente a seu favor o rumo de importantes dossiers internacionais. Dir-me-ão que a eleição do director-geral do FMI não é um exemplo paradigmático de um dossier importante. Eu respondo que é. Pela prioridade geográfica que se atribui aos auxílios financeiros; pela manutenção do poder ocidental; pelo esfriar de um certo determinismo galopante na conquista de poder e espaço políticos pelos BRIC. Como se pode ver pela votação da resolução do Conselho de Segurança que iniciou a intervenção militar na Líbia, todos os BRIC (e a Alemanha) foram incapazes de moldar num sentido inverso as intenções dos membros europeus e norte-americano. A sua abstenção foi um sinal de poder ainda precário e da incapacidade de o projectar decisivamente. Para já o diagnóstico é este. No futuro é bem capaz de vir a ser outro.


Patrocínio
 
1725Visualizações
15Impressões
0Comentários
2Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
MÁRIO SOARES

Em julho último vim para o Algarve por indicação do meu médico, para descansar depois de uma atividade exaustiva que tive desde as comemorações do quadragésimo aniversário do 25 de Abril, em que participei...

JOEL NETO

1 - Sim, é verdade: os madraços e os mimadões também ajudam a fazer o retrato desta sociedade. A reboque da crise económica, da precariedade do emprego e do milénio em geral, muitos homens (creio que cada...

BAPTISTA BASTOS

Circula o rumor, astutamente organizado, de que António Guterres é um bom candidato à Presidência da República. Não o é. À menor contrariedade foge espavorido, como se viu quando perdeu as eleições municipais...

FERREIRA FERNANDES

Stephen Colbert não é John Stewart, mas é primo. O seu programa satírico na televisão americana The Colbert Report, tal como The Daily Show, também trata os espectadores com inteligência agressiva.


A cidade e o nexo*

por Brassalano Graça, licenciado em Jornalismo

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais
Comentar

Caracteres disponíveis: 750

Receber alerta de resposta Aparecer como Anónimo
Lembrar dados pessoais
  • Comentar

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O DN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Receber alerta de resposta - será enviado um alerta para o seu e-mail sempre que houver uma resposta ao seu comentário. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados. Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

Se tem conta, faça Login

Email

Password

Legenda

Utilizador RegistadoUtilizador Registado    Utilizador Não RegistadoUtilizador Não Registado




BERNARDO PIRES DE LIMA

O problema de Obama

por BERNARDO PIRES DE LIMA

 

O grande problema de Obama chama-se realidade. Quando foi eleito caiu-lhe em cima a pior crise financeira e económica dos últimos 80 anos. Quando quis focar-se na Ásia rebentaram as revoltas no Norte de...


Ver Mais




PUB
Continente UVA D'OURO 2014 DN 300x100

Especiais

Recuar
Avançar
BT Edições Multimédia
Ocasião/Zaask - Destaque 300x100 DN
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Acredita que o Benfica tem capacidade para seguir em fente na Liga dos Campeões?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper