Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


BERNARDO PIRES DE LIMA
análise

Incapacidade BRIC

por BERNARDO PIRES DE LIMA  

Por alturas do escândalo Dominique Strauss-Kahn referi nesta coluna que a liderança do FMI iria passar por uma tremenda competição entre as potências instaladas (EUA e europeus) e as recém chegadas ao grupo dos grandes. A blindagem dos votos dava vantagem às primeiras, mas previa-se uma renhida luta de argumentos públicos e de movimentações nos bastidores de forma a abanar as instituições ocidentais que persistem desde 1945. Em certa medida, essa argumentação chegou a travar-se e o jogo de cadeiras deu-se. Mas a verdade é que ficou aquém das expectativas. A um francês sucedeu uma francesa. Ao poder ocidental numa instituição preponderante como o FMI não se seguiu maior peso das potências emergentes. A pergunta que se coloca é esta: terão assim tanta força política como têm no plano económico?

Pelo exemplo dado na eleição de Christine Lagarde e apoios conquistados a conclusão parece evidente: os BRIC ainda não transformaram poder económico em capacidade para virar politicamente a seu favor o rumo de importantes dossiers internacionais. Dir-me-ão que a eleição do director-geral do FMI não é um exemplo paradigmático de um dossier importante. Eu respondo que é. Pela prioridade geográfica que se atribui aos auxílios financeiros; pela manutenção do poder ocidental; pelo esfriar de um certo determinismo galopante na conquista de poder e espaço políticos pelos BRIC. Como se pode ver pela votação da resolução do Conselho de Segurança que iniciou a intervenção militar na Líbia, todos os BRIC (e a Alemanha) foram incapazes de moldar num sentido inverso as intenções dos membros europeus e norte-americano. A sua abstenção foi um sinal de poder ainda precário e da incapacidade de o projectar decisivamente. Para já o diagnóstico é este. No futuro é bem capaz de vir a ser outro.


Patrocínio
 
1843Visualizações
15Impressões
0Comentários
2Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
FERNANDA CÂNCIO

Parece que está tudo muito escandalizado com Maria Luís Albuquerque, a começar pelos seus colegas de governo. Disse ela, na noite do último sábado, achar que se pode mexer - leia-se cortar - nas pensões...

PAULO PEREIRA DE ALMEIDA

Nas últimas semanas falou-se - inevitavelmente - da questão dos pretensos "abusos de autoridade" e de outros tipos de considerações acerca da atuação das forças e serviços de segurança (FSS), em geral...

JOEL NETO

Partimos de férias e, afinal, não vemos abrir as flores. Ainda vimos as primeiras gipsófilas, meia dúzia de rosas-trepadeiras e as sardinheiras do costume (que aqui se chamam solteiras). A ocna também...


Os naufrágios no Mediterrâneo

por Ricardo Pereira, ricardopereira.enf@gmail.com

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais

BERNARDO PIRES DE LIMA

Parada alta

por BERNARDO PIRES DE LIMA

 

Podemos acusar David Cameron de muita coisa, mas não de fugir às paradas altas. O "tudo ou nada" na UE é tremendamente arriscado, porque, falhando o propósito que penso ser o de Cameron (a manutenção do...


Ver Mais



NOTÍCIAS Mais VISTAS
btn Banco Popular - DN Destaque

Especiais

Recuar
Avançar
PEPE Jornadas Empreendedorismo Turismo - DN Destaque
Continente UVA D'OURO 2015 DN 300x100
Btn EdMultimedia - Geral
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Acha que a Grécia vai mesmo sair do euro?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper