Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


BERNARDO PIRES DE LIMA
análise

Incapacidade BRIC

por BERNARDO PIRES DE LIMA  

Por alturas do escândalo Dominique Strauss-Kahn referi nesta coluna que a liderança do FMI iria passar por uma tremenda competição entre as potências instaladas (EUA e europeus) e as recém chegadas ao grupo dos grandes. A blindagem dos votos dava vantagem às primeiras, mas previa-se uma renhida luta de argumentos públicos e de movimentações nos bastidores de forma a abanar as instituições ocidentais que persistem desde 1945. Em certa medida, essa argumentação chegou a travar-se e o jogo de cadeiras deu-se. Mas a verdade é que ficou aquém das expectativas. A um francês sucedeu uma francesa. Ao poder ocidental numa instituição preponderante como o FMI não se seguiu maior peso das potências emergentes. A pergunta que se coloca é esta: terão assim tanta força política como têm no plano económico?

Pelo exemplo dado na eleição de Christine Lagarde e apoios conquistados a conclusão parece evidente: os BRIC ainda não transformaram poder económico em capacidade para virar politicamente a seu favor o rumo de importantes dossiers internacionais. Dir-me-ão que a eleição do director-geral do FMI não é um exemplo paradigmático de um dossier importante. Eu respondo que é. Pela prioridade geográfica que se atribui aos auxílios financeiros; pela manutenção do poder ocidental; pelo esfriar de um certo determinismo galopante na conquista de poder e espaço políticos pelos BRIC. Como se pode ver pela votação da resolução do Conselho de Segurança que iniciou a intervenção militar na Líbia, todos os BRIC (e a Alemanha) foram incapazes de moldar num sentido inverso as intenções dos membros europeus e norte-americano. A sua abstenção foi um sinal de poder ainda precário e da incapacidade de o projectar decisivamente. Para já o diagnóstico é este. No futuro é bem capaz de vir a ser outro.


Patrocínio
 
1829Visualizações
15Impressões
0Comentários
2Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
ALBERTO GONÇALVES

O Dr. Costa lembrou que foi através do "investimento" público que os EUA chegaram à lua. O PS já lá vive há imenso tempo. Descontadas ocasionais incursões pela realidade, o princípio das recentes sugestões...

PEDRO MARQUES LOPES

1-O PSD não é um partido fácil de caracterizar. Alberga várias tendências políticas, tanto na sua base militante, como no seu eleitorado indefetível; não tem uma origem social definida, sendo nesse aspeto...

NUNO SARAIVA

Ao contrário do que acontecia no Estado Novo, em que o direito à imbecilidade só era garantido a quem alinhasse na União Nacional, 41 anos após o 25 de Abril constatamos que, além da liberdade de reunião...

PAULO BALDAIA

Nesta fé em que estamos embrenhados, a missa assente no dogma da austeridade sem limites ganhou um novo testamento, segundo o qual se pode alcançar o paraíso aliviando a via-sacra. Diz-se com piada que...


O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais

BERNARDO PIRES DE LIMA

Os paradoxos da Europa

por BERNARDO PIRES DE LIMA

 

Primeiro, o caso geral. Faz algum sentido ter uma área de livre circulação sem fronteiras e depois fingir que os problemas migratórios de um Estado não são problemas de toda a União? E existindo um tronco...


Ver Mais




PUB

Especiais

Recuar
Avançar
PEPE Jornadas Empreendedorismo Turismo - DN Destaque
Continente UVA D'OURO 2015 DN 300x100
Btn EdMultimedia - Geral
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

PSD e CDS coligados têm mais hipótese de vencer as eleições legislativas?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper