Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


BERNARDO PIRES DE LIMA
análise

Incapacidade BRIC

por BERNARDO PIRES DE LIMA  

Por alturas do escândalo Dominique Strauss-Kahn referi nesta coluna que a liderança do FMI iria passar por uma tremenda competição entre as potências instaladas (EUA e europeus) e as recém chegadas ao grupo dos grandes. A blindagem dos votos dava vantagem às primeiras, mas previa-se uma renhida luta de argumentos públicos e de movimentações nos bastidores de forma a abanar as instituições ocidentais que persistem desde 1945. Em certa medida, essa argumentação chegou a travar-se e o jogo de cadeiras deu-se. Mas a verdade é que ficou aquém das expectativas. A um francês sucedeu uma francesa. Ao poder ocidental numa instituição preponderante como o FMI não se seguiu maior peso das potências emergentes. A pergunta que se coloca é esta: terão assim tanta força política como têm no plano económico?

Pelo exemplo dado na eleição de Christine Lagarde e apoios conquistados a conclusão parece evidente: os BRIC ainda não transformaram poder económico em capacidade para virar politicamente a seu favor o rumo de importantes dossiers internacionais. Dir-me-ão que a eleição do director-geral do FMI não é um exemplo paradigmático de um dossier importante. Eu respondo que é. Pela prioridade geográfica que se atribui aos auxílios financeiros; pela manutenção do poder ocidental; pelo esfriar de um certo determinismo galopante na conquista de poder e espaço políticos pelos BRIC. Como se pode ver pela votação da resolução do Conselho de Segurança que iniciou a intervenção militar na Líbia, todos os BRIC (e a Alemanha) foram incapazes de moldar num sentido inverso as intenções dos membros europeus e norte-americano. A sua abstenção foi um sinal de poder ainda precário e da incapacidade de o projectar decisivamente. Para já o diagnóstico é este. No futuro é bem capaz de vir a ser outro.


Patrocínio
 
1745Visualizações
15Impressões
0Comentários
2Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 

A cidade e o nexo*

por Brassalano Graça, licenciado em Jornalismo

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais
Comentar

Caracteres disponíveis: 750

Receber alerta de resposta Aparecer como Anónimo
Lembrar dados pessoais
  • Comentar

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O DN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Receber alerta de resposta - será enviado um alerta para o seu e-mail sempre que houver uma resposta ao seu comentário. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados. Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

Se tem conta, faça Login

Email

Password

Legenda

Utilizador RegistadoUtilizador Registado    Utilizador Não RegistadoUtilizador Não Registado




Bernardo Pires de Lima

Muda, Brasil

por Bernardo Pires de Lima

 

A parte do Brasil que está farta de ligar a governação do PT a escândalos de corrupção e favorecimentos ilícitos não é necessariamente a mesma que quer ver Dilma fora do Planalto devido ao intervencionismo...


Ver Mais




PUB

Especiais

Recuar
Avançar
BT Edições Multimédia
Epaper
Ocasião/Zaask - Destaque 300x100 DN



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Qual o melhor presidente para o Brasil?

Dilma Rousseff
Aécio Neves
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper