Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


VIRIATO SOROMENHO-MARQUES
opinião

O que devemos a Gorbachev

por VIRIATO SOROMENHO-MARQUES  

Ao longo do próximo mês, o município de Arcos de Valdevez será o centro de uma homenagem, nacional, mas também mundial, a um dos maiores estadistas de sempre. Com efeito, sem a acção de Mikhail Gorbachev não teria sido possível libertar a humanidade do flagelo de uma guerra nuclear de aniquilação. Ele foi também um dos primeiros líderes mundiais a dar corpo à tese de que só vencendo a crise global do ambiente poderemos consolidar uma paz verdadeira.

Em Março de 1985, quando Mikhail Gorbachev recebeu sobre os seus ombros o fardo de dirigir a URSS, as doutrinas e as armas haviam mudado profundamente. A Leste e a Ocidente, vozes se erguiam afirmando que, afinal, a guerra nuclear poderia ser travada sem atingir um nível de destruição apocalíptico. A Europa Central poderia tornar-se no campo de batalha de uma guerra onde as armas nucleares poderiam ser usadas com um certo grau de "racionalidade estratégica". E elas já estavam colocadas no terreno: os mísseis soviéticos SS-20, ou os Pershing II, e os mísseis de cruzeiro norte-americanos.

A decisão pela paz de Gorbachev, quando a guerra seria a via mais provável, transformou-se numa oportunidade única, não apenas para o seu país e para o sistema internacional, mas para a vida de centenas de milhões de seres humanos cujas existências não foram devoradas nas chamas de um conflitos cruel, e para o resto da humanidade, que estaria condenada a sobreviver num mar de ruínas, sofrimento e barbárie. Afastado do poder, Gorbachev criou a organização de defesa do Ambiente Cruz Verde Internacional, mostrando que a paz só poderá ser mantida se soubermos habitar sabiamente a Terra.

Podemos não o saber, mas todos lhe devemos algo de fundamental nas nossas vidas.


Patrocínio
 
2812Visualizações
30Impressões
4Comentários
2Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
PAULO BALDAIA

A Justiça, percorrendo o caminho que tem de percorrer, provocou um verdadeiro terramoto político que terá consequências ainda difíceis de prever. Saímos do Verão e entramos no Outono sem que nenhum poder...

ALBERTO GONÇALVES

Não se comenta processos judiciais em curso. Não se deve incorrer em juízos precipitados. É preciso aguardar que a Justiça siga o seu rumo. Há que levar a sério a separação de poderes. Esta situação é...

PEDRO MARQUES LOPES

1 Esta crónica já estava escrita, chamava-se "Telegramas do manicómio". Era acerca da única e exclusiva responsabilidade de Carlos Costa na solução encontrada para o BES e do facto dum governo ter prescindido...


A pobreza na União Europeia

por João Nobre, joaonobre_1988@hotmail.com

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais
Comentar

Se tem conta, faça Login

Email

Password



VIRIATO SOROMENHO MARQUES

Nação ou fação

por VIRIATO SOROMENHO MARQUES

 

Não me recordo de uma alteração legislativa tão célere na história parlamentar da III República. Em menos de 24 horas, a proposta de reposição de subvenções vitalícias atribuídas aos titulares de cargos...


Ver Mais




PUB

Especiais

Recuar
Avançar
Coleção DN 150 anos - DN Destaque
BT Edições Multimédia
Epaper
Ocasião/Zaask - Destaque 300x100 DN (Pintura) (22-24Nov)



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Como classifica a atuação da justiça portuguesa nos últimos meses?

Muito boa
Boa
Média

Muito má
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper