Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


MÁRIO SOARES
o tempo e a memória

As causas da crise

por MÁRIO SOARES  

1. Volto a escrever sobre a crise (financeira, económica e política) com que a União Europeia se defronta, sem ser capaz de encontrar um rumo concertado para a ultrapassar, ao menos, entre os dezasseis Estados da Zona Euro. Crise, que não resulta só do ataque dos mercados ao euro, visando, por enquanto, os Estados com maiores debilidades. Na realidade, a crise afecta o euro, ou seja: todos os Estados da União e não só os da Zona Euro - o Reino Unido é uma prova disso -, visto que põe em risco o próprio projecto europeu no seu conjunto. O que seria gravíssimo, não só para a Europa mas também para todo o Ocidente, que entraria em decadência (Estados Unidos, Canadá, Austrália e Ibero-América), com efeitos extremamente negativos em todo o resto do Mundo. Porque significaria um recuo civilizacional tremendo.

Note-se que a crise complexa e multifacetada que vivemos tem causas não só financeiras, que vêm de longe, e, no que toca especialmente à Europa, resulta também da incapacidade manifestada por alguns dos seus principais dirigentes de se recusarem a ver a realidade.

Ora, o mundo está, e continua, em rapidíssima mudança - tornou-se multilateral e multicultural (fenómeno que a chanceler Merkel, com incompreensível falta de visão - imagine-se! - afirmou estar ultrapassado!) - e a globalização, desregulada, fruto das novas tecnologias de comunicação, que gerou um capitalismo financeiro--especulativo, dito de casino, sem princípios éticos, em que o dinheiro constitui o supremo valor. Resultado: os "paraísos fiscais" e os chamados negócios virtuais, desarticulando o sistema financeiro-económico existente, provocando falências em bancos e em outras importantes empresas privadas, causaram as maiores dificuldades a alguns Estados mais fracos, mas também em outros que se julgavam fortes.

É preciso, e urgente, portanto, criar um novo paradigma, como disse Barack Obama, no discurso do dia da sua posse. Sem ter sido capaz de ir muito longe, até agora, nesse difícil caminho... Atacar as causas para depois chegar às consequências. Ou seja: avançar no sentido de um novo modelo de desenvolvimento, orientado por princípios éticos estritos e baseado na concertação social e em regras ambientais respeitadoras dos equilíbrios ecológicos.

É tudo isso que a maioria dos dirigentes europeus - e a burocracia que os rodeia - não querem compreender nem julgar e combater. Para tanto, seria necessário rupturas e autocríticas várias, que não têm coragem de assumir.


Ler Artigo Completo(Pág.1/5) Página seguinte
Patrocínio
 
16653Visualizações
114Impressões
46Comentários
19Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais
Comentar

Caracteres disponíveis: 750

Receber alerta de resposta Aparecer como Anónimo
Lembrar dados pessoais
  • Comentar

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O DN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Receber alerta de resposta - será enviado um alerta para o seu e-mail sempre que houver uma resposta ao seu comentário. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados. Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

Se tem conta, faça Login

Email

Password

Legenda

Utilizador RegistadoUtilizador Registado    Utilizador Não RegistadoUtilizador Não Registado




MÁRIO SOARES

Quadragésimo aniversário

por MÁRIO SOARES

 

O 25 de Abril de 1974 é uma data preciosa, de decisiva importância, que deve ser festejada, com cravos na lapela, como sempre foi, todos os anos, à exceção dos dois últimos.


Ver Mais




PUB
Continente UVA D'OURO 2014 DN 300x100

Especiais

Recuar
Avançar
Amazing Romance in Thailand - DN Destaque (Participação)
25 Abril Concurso de Fotografia
Epaper

PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

O que considera ter sido mais decisivo para a vitória do Benfica no campeonato?

A qualidade do plantel
O trabalho do treinador
As decisões do presidente
A união dos jogadores
O apoio dos adeptos
O demérito dos adversários
As arbitragens
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper