Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


Conjuntura e estrutura

 

Ao debate quinzenal na Assembleia da República faltou o principal. Faltou revelar, afinal, qual a dimensão dos cortes permanentes nas despesas das administrações públicas, que o Governo está a propor à troika, bem como o faseamento da sua concretização. Essa é a medida exata do ajustamento - leia-se, de sacrifício - adicional que o Governo e a troika, à luz dos últimos dados do desempenho económico, consideram aconselhável.

O debate sobre a continuação do rumo seguido não trouxe nada de novo, mas levou o primeiro-ministro a acerar o ataque à pausa na política de austeridade, que o PS preconiza. Para Passos Coelho, só se explica o alongamento dos prazos de reembolso da dívida contraída junto da UE e do FMI através do esforçado cumprimento dos compromissos contraídos junto dos credores, que prestam assistência financeira à República Portuguesa. E, complementarmente, só a continuação das reformas de fundo - que se traduzem na quebra continuada do rendimento real de ativos e reformados - poderá libertar-nos da troika daqui a 15 meses e abrir, de par em par, as portas do financiamento da dívida pública portuguesa, sem precisar das muletas do FEEF, do MEEF ou do FMI.

O chefe do Executivo regozija-se por se ter reduzido 6 pontos percentuais o défice estrutural do Estado e nem sequer se questiona se uma tão grande redução em, apenas, dois anos poderá estar na base do colapso económico e do emprego a que se assiste. Assim, desde que o desequilíbrio estrutural das contas públicas continue a descer - mesmo em contexto de uma recessão mais cavada do que previa... -, o essencial ficará assegurado e, mais cedo ou mais tarde, a economia reagirá positivamente. A divergência com o PS e a oposição, em geral, é tal que Passos Coelho quereria descer o salário mínimo - e nunca subi-lo! -, seguindo o exemplo da Irlanda. Só não o fez por ele estar coladinho ao limiar da pobreza em Portugal.

As duas Américas

América ou Américas? Durante muito tempo o Rio Grande serviu de separação entre uma América do Norte anglo-saxónica e uma América Central e do Sul latina. É evidente que nunca se tratou de dois blocos homogéneos, porque o Canadá conta com gente que fala francês e Belize e Guiana são enclaves em terras de expressão espanhola e portuguesa. Mas hoje em dia, com os hispânicos como primeira minoria nos Estados Unidos, essa separação sobrevive sobretudo no ideário dos líderes latino-americanos, que não deixam de olhar para o Norte como o Império, como esses ianques que veem no Sul o seu pátio das traseiras.


Ler Artigo Completo(Pág.1/2) Página seguinte
Patrocínio
 
1692Visualizações
6Impressões
6Comentários
0Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
NUNO AZINHEIRA

Há reportagens que nascem por obra do acaso. Uma conversa descontraída, uma dica recolhida aqui, uma observação atenta acolá e, de repente, eis uma bela história para contar a quem nos vê, lê ou ouve....

ADRIANO MOREIRA

A bem organizada coleção de documentos pela qual Feliciano Patela e Javier Villalva de Toledo pretenderam traçar uma linha da História da Europa conduziu a uma conclusão, sem qualquer documento anunciador...

PEDRO TADEU

A semântica é tramada. A campanha publicitária de lançamento do Novo Banco diz assim: "Nascer com o empenho renovado de seis mil colaboradores é um bom começo"... "Colaboradores?!", perguntei-me, com espanto...


A cidade e o nexo*

por Brassalano Graça, licenciado em Jornalismo

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais
Comentar

Caracteres disponíveis: 750

Receber alerta de resposta Aparecer como Anónimo
Lembrar dados pessoais
  • Comentar

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O DN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Receber alerta de resposta - será enviado um alerta para o seu e-mail sempre que houver uma resposta ao seu comentário. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados. Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

Se tem conta, faça Login

Email

Password

Legenda

Utilizador RegistadoUtilizador Registado    Utilizador Não RegistadoUtilizador Não Registado




O custo do voluntarismo

 

A reforma da Justiça é provavelmente a mais ansiada e a que mais tarda, volvidas quatro décadas sobre a data da Revolução de Abril. Mexer num mapa judiciário com mais de dois séculos não é coisa pouca...


Ver Mais




PUB
Continente UVA D'OURO 2014 DN 300x100

Especiais

Recuar
Avançar
BT Edições Multimédia
Ocasião/Zaask - Destaque 300x100 DN
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Acredita que a Justiça ficará mais eficaz com o novo mapa judiciário?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper