Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


PAULO PINTO DE ALBUQUERQUE
Estado de direito

Leis penais extravagantes

por PAULO PINTO DE ALBUQUERQUE  

Na linguagem comum, extravagante é algo exótico, esquisito, fora do comum. Na linguagem jurídica, lei extravagante é uma lei que se encontra fora do código que regula o sector da vida social a que se destina. Em Portugal, as leis penais extravagantes não são apenas leis fora do Código Penal. Muitas delas são também leis verdadeiramente exóticas, mesmo incompreensíveis, que representam uma sucessão voraz de diktats arbitrários. Numa palavra, as leis penais fora do Código Penal encontram-se num estado caótico, impondo-se que o legislador proceda à sua codificação, actualização e uniformização.

Mais de metade destas leis extravagantes são dos últimos vinte anos. A avalanche de leis penais extravagantes resulta de dois factores: por um lado, o legislador cedeu à tentação de criminalizar tudo e mais alguma coisa, embalado numa política neocriminalizadora impulsiva e superficial; por outro lado, o legislador não teve uma visão de conjunto das leis penais, aprovando alterações ditas "cirúrgicas", que são muitas vezes contraditórias entre si e
com o Código Penal.

O melhor exemplo é o direito penal eleitoral. Por exemplo, a conduta de violação dos limites de propaganda gráfica e sonora nas eleições legislativas e europeias está sujeita a penas de multa que variam entre dois euros e 50 cêntimos e 12 euros e 50 cêntimos, mas nas eleições regionais já varia entre 50 euros e 250 euros. Na legislação eleitoral autárquica e na legislação sobre referendos nacionais e locais são fixadas coimas que variam entre 50 euros e 500 euros. O resultado da opção política é totalmente irracional: a mais alta pena de multa aplicável nas eleições legislativas e europeias é de valor inferior à mais baixa coima aplicável nas eleições autárquicas! Acresce que a conduta não tem sequer relevância jurídica (nem criminal, nem contra-ordenacional) nas eleições presidenciais!

A avalanche legislativa tem tido outra consequência nefasta: os crimes mais graves estão hoje fora do Código Penal, tendo sido retirados do código, por exemplo, os crimes de terrorismo, os crimes contra a humanidade e o genocídio. Não se compreende que os crimes mais graves estejam fora do Código Penal.

Esta prolixidade legislativa convive com o esquecimento a que são votadas áreas importantes do Direito Penal. As mais graves infracções causadas à economia portuguesa são ainda hoje reguladas por um decreto-lei de 1984, como se a realidade da nossa economia e o mundo não tivessem mudado desde então. O jogo ilegal ainda é regido por um decreto de 1989, do tempo em que não existia o jogo online. O Direito Penal aplicável ao sector da marinha mercante rege-se por um diploma de 1943. Os exemplos podiam multiplicar-se, mas a jóia da coroa desta legislação extravagante é o crime de abate do lobo ibérico, criado em 1988, mas sem pena! O legislador esqueceu-se de prever a sanção, quer na lei de 1988, quer no decreto que regulou essa lei em 1990.


Ler Artigo Completo(Pág.1/2) Página seguinte
Patrocínio
 
15275Visualizações
56Impressões
3Comentários
4Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
NUNO SARAIVA

Se há coisas que me irritam são a indiferença, a desistência, a resignação, enfim, o marasmo. Vem isto a propósito de factos e acontecimentos que, nos últimos tempos, revelam o torpor que se apoderou dos...

LEONÍDIO PAULO FERREIRA

Quando os britânicos, aproveitando as Guerras Napoleónicas e a fuga de D. João VI para o Brasil, instalaram tropas em Macau em 1808, a reação do imperador Jiaqing foi imediata: retirem-se. Este episódio...

ANSELMO BORGES

No contexto dos debates à volta da entrada ou não da Turquia na União Europeia, o escritor turco Orhan Pamuk, Nobel da Literatura de 2006, fez, na sua recente visita a Lisboa, algumas considerações sobre...

FERREIRA FERNANDES

A Coreia do Norte surpreendeu-me. Pensei que um país que aceitava aquele penteado no seu presidente tinha sentido de humor a mais ou auto-estima a menos. Mas não, reagiu com pundonor e pirataria: Sony...


A tortura

por Tiago Aboim, tiago.aboim.js@gmail.com

O DN está aberto à participação dos leitores. Use o email jornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200

Ver mais
Comentar

Se tem conta, faça Login

Email

Password



PAULO PINTO DE ALBUQUERQUE

Suspensão inconstitucional

por PAULO PINTO DE ALBUQUERQUE

 

Dois sindicalistas foram levados a tribunal por factos ocorridos durante uma manifestação em frente à residência oficial do primeiro-ministro. O tribunal propôs aos arguidos um acordo nos termos do qual...


Ver Mais




PUB
PEPE Jornadas Empreendedorismo Turismo - DN Destaque

Especiais

Recuar
Avançar
TSF Superbrand - DN destaque
BT Edições Multimédia
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Concorda com a prova de avaliação aos professores?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper