Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


economia

'Furacão' apanha filha do Presidente de Angola

por

Carlos Rodrigues Lima  

Os procuradores do Ministério Público que estão a conduzir a chamada "Operação Furacão" recolheram, no início deste mês, numa busca ao escritório do advogado António Frutuoso de Melo, documentação relativa à constituição de uma sociedade sediada numa offshore ligada à filha mais velha do Presidente de Angola, José Eduardo dos Santos. A referida sociedade, segundo fonte conhecedora do processo, foi utilizada por Isabel dos Santos para a compra de um apartamento em Lisboa. A mesma fonte sublinhou, porém, que todos os impostos (IMI e IMT) foram pagos, rejeitando qualquer suspeita de evasão fiscal.

De acordo com informações recolhidas pelo DN, a sociedade offshore, sediada nos EUA, acabou por ser um alvo da investigação, uma vez que fazia parte de uma lista de clientes da PIC International Consultants, uma empresa fiduciária que já foi alvo de buscas no âmbito da "Operação Furacão". A sociedade em causa serviu para registar um apartamento comprado em Lisboa por Isabel dos Santos e pelo marido.

Ora, uma vez que o advogado recorreu à PIC, empresa que fornecedora de serviços no âmbito da constituição de offshores, a sociedade de Isabel dos Santos e do marido (cujo nome não foi possível apurar) acabou por fazer parte da lista de clientes já apreendida pelo Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP). O DN tentou, através da embaixada de Angola, estabelecer contacto com Isabel dos Santos, mas foi referido que a representação diplomática daquele país africano não possuía qualquer canal de ligação com a filha de José Eduardo dos Santos.

Os interesses diversificados de Isabel dos Santos

Licenciada em Engenharia Informática, em Londres, Isabel dos Santos tem diversificado os seus interesses económicos. Em Angola, através da Unitel, a maior operador de telecomunicações móveis do país, mantém uma parceria com a Portugal Telecom. Uma empresa que explora as redes de comunicações por despacho do Governo angolano, que, por "razões de manifesto interesse do Estado", atribuiu à empresa a exploração da rede móvel. Em 2005, a primogénita de José Eduardo dos Santos torna-se accionista do Banco Internacional de Crédito, com uma participação idêntica à do empresário português Américo Amorim. E em parceria com este empresário terá entrado no capital da Galp através do consórcio Amorim/Sonangol, a petrolífera angolana.


Ler Artigo Completo(Pág.1/2) Página seguinte
Patrocínio
 
0Visualizações
0Impressões
0Comentários
0Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 


PUB

Especiais

Recuar
Avançar
Continente UVA D'OURO 2014 DN 300x100
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Concorda que Ministério da Educação retire apoio a alunos que não devolvam manuais?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper